UAI

Confira os números sorteados na Lofácil, na Quina e em outras loterias

Publicidade

RIBEIRÃO DAS NEVES

Veja tudo o que se sabe sobre chacina em festa de aniversário

Veja tudo o que se sabe sobre chacina em festa de aniversário

ELEIÇÕES 2024

Esquerda ensaia candidatura única já no primeiro turno em BH

Esquerda ensaia candidatura única já no primeiro turno em BH

queimado vivo

Suspeito de matar delegado em Sete Lagoas se entrega à polícia

Suspeito de matar delegado em Sete Lagoas se entrega à polícia

Publicidade
Publicidade
LEIA MAIS EM COLUNISTAS

Reflexões sobre o ato de adotar


Cuidar e reconstruir


"Passa o olho!"


A crise e os deslocados climáticos


LEIA MAIS EM OPINIÃO
ESPAÇO DO LEITOR

“Tenho acompanhado com grande interesse a polêmica que envolve a Filarmônica de Minas Gerais. Lembrei-me de quando da execução de um concerto em que tocaram uma adaptação popularesca de Mozart e uma senhora da plateia, muito irritada com aquilo, gritou: ‘Não mexam no meu Mozart!’. Hoje, nós frequentadores da Sala Minas Gerais gritamos com todo o vigor: ‘Não mexam na nossa Filarmônica!’. Os concertos são um antídoto para a poluição sonora que reina em Belo Horizonte, particularmente onde os botecos têm licença para músicas ao vivo de péssima qualidade, que somos obrigados a ouvir, sem tê-las pedido. Tenho para mim que nossa capital é privilegiada com um dos melhores programas para acalentar a alma a baixo custo: ser assinante da Filarmônica. Faltou sensibilidade ao governador Zema, a quem admiro, e espero e torço para que a decisão seja revertida.”

Kleber Pereira Gonçalves
Belo Horizonte


“Sendo certo que as comodities agrícolas têm enorme peso na nossa balança comercial, é de se louvar a importância dos órgãos de pesquisa tecnológica aplicadas ao campo, como Emater e Embrapa, para o incremento do binômio qualidade/produtividade. Assim, cada vez mais o Brasil se credencia como celeiro do mundo. Todavia, uma “melhoria” não me agrada: foi o que fizeram com o limão! Nas gôndolas dos sacolões e supermercados encontramos belos limões, enormes, pesando mais de 100 gramas, mas sem gosto, insossos! Ontem, saudoso do limão/limão, fui ao Mercado Central para comprá-lo. Achei-o em duas bancas: pequeninos, amarelinhos, cheios de caroços, mas saborosos! Com eles, “temperei” o meu abacate. Uma delíciaquando! voltava para casa, vim questionando: o que foi feito das laranjas bahia, campista e seleta? Será que todas elas viraram pera Rio?”

Tarcísio Pinto Ferreira
Nova Lima/Mg


"A esquerda é competente para engendrar manobras diversionistas. Para obnubilar a crise na saúde, a fuga dos presos em Mossoró e a falsa denúncia de roubo dos móveis do Alvorada, prenderam os responsáveis pelo assassinato de Marielle depois de 6 anos e 10 dias. O supremo ministro Lewandowski declara: 'Uma vitória do estado brasileiro', conforme capa do Estado de Minas de ontem, 25/3. Como pode dizer isso sem corar? Estão envolvidos políticos e, pasmem, o diretor da Polícia Civil do Rio, o que caracteriza uma derrota do estado brasileiro. É a tentativa de ludibriar nosso sofrido povo sabendo que ele acredita nas narrativas fajutas. O caso Marielle fedeu esse tempo todo e foi explorado ao extremo na tentativa de envolver Bolsonaro e sua família."

Kleber Pereira Gonçalves
Belo Horizonte


LEIA MAIS EM ESPAÇO DO LEITOR
Publicidade

CHARGES

VEJA MAIS