UAI
Publicidade

Pela 16ª vez

Argentina derrota Colômbia na prorrogação e é campeã da Copa América

Argentina derrota Colômbia na prorrogação e é campeã da Copa América

ACIDENTE

Gabriel Veron bate carro em condomínio próximo a BH

Gabriel Veron bate carro em condomínio próximo a BH

Publicidade
Publicidade
LEIA MAIS EM COLUNISTAS
ESPAÇO DO LEITOR

“Eu já passei por alguns momentos de ansiedade, principalmente por aguardar por resultados que dependiam do veredito de outras pessoas. Ansiedade traz dor, mexe com o nosso coração e a gente só melhora quando chega o resultado que nos agrada. Ah, como estou ansioso para ver as televisões, rádios e a imprensa escrita noticiando que os cabeças pensantes da afronta à nossa democracia, que culminou no dia 8 de janeiro de 2023, com as invasões das sedes dos Três Poderes, também viraram réus. Não é admissível que somente os “massa de manobra” sofram condenações. Por favor, senhores aplicadores da lei, eu preciso dormir melhor.”

Jeovah Ferreira
Taquari - DF


“Tenho acompanhado com grande interesse a polêmica que envolve a Filarmônica de Minas Gerais. Lembrei-me de quando da execução de um concerto em que tocaram uma adaptação popularesca de Mozart e uma senhora da plateia, muito irritada com aquilo, gritou: ‘Não mexam no meu Mozart!’. Hoje, nós frequentadores da Sala Minas Gerais gritamos com todo o vigor: ‘Não mexam na nossa Filarmônica!’. Os concertos são um antídoto para a poluição sonora que reina em Belo Horizonte, particularmente onde os botecos têm licença para músicas ao vivo de péssima qualidade, que somos obrigados a ouvir, sem tê-las pedido. Tenho para mim que nossa capital é privilegiada com um dos melhores programas para acalentar a alma a baixo custo: ser assinante da Filarmônica. Faltou sensibilidade ao governador Zema, a quem admiro, e espero e torço para que a decisão seja revertida.”

Kleber Pereira Gonçalves
Belo Horizonte


“Sendo certo que as comodities agrícolas têm enorme peso na nossa balança comercial, é de se louvar a importância dos órgãos de pesquisa tecnológica aplicadas ao campo, como Emater e Embrapa, para o incremento do binômio qualidade/produtividade. Assim, cada vez mais o Brasil se credencia como celeiro do mundo. Todavia, uma “melhoria” não me agrada: foi o que fizeram com o limão! Nas gôndolas dos sacolões e supermercados encontramos belos limões, enormes, pesando mais de 100 gramas, mas sem gosto, insossos! Ontem, saudoso do limão/limão, fui ao Mercado Central para comprá-lo. Achei-o em duas bancas: pequeninos, amarelinhos, cheios de caroços, mas saborosos! Com eles, “temperei” o meu abacate. Uma delíciaquando! voltava para casa, vim questionando: o que foi feito das laranjas bahia, campista e seleta? Será que todas elas viraram pera Rio?”

Tarcísio Pinto Ferreira
Nova Lima/Mg


LEIA MAIS EM ESPAÇO DO LEITOR
Publicidade

CHARGES

VEJA MAIS