Publicidade

Estado de Minas CIDADE ADMINISTRATIVA

Investigados, suspeitos de tentar 'driblar' CPI do 'fura-fila' vão depor

João Márcio Silva de Pinho e Everton Luiz de Souza foram exonerados pelo governador Romeu Zema (Novo) após a divulgação de novo ponto do escândalo


23/04/2021 16:55 - atualizado 23/04/2021 20:38

Aplicação de vacinas em servidores da Secretaria de Estado de Saúde é alvo de investigação na Assembleia de MG(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
Aplicação de vacinas em servidores da Secretaria de Estado de Saúde é alvo de investigação na Assembleia de MG (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
Ex-servidores da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) que cogitaram alterar documentos para obstruir as investigações relacionadas à suposta vacinação irregular, contra a COVID-19, de funcionários da pasta, precisarão dar explicação a deputados estaduais. A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) instaurada pela Assembleia Legislativa para apurar o caso aprovou, nesta sexta-feira (23/4), a convocação de João Márcio Silva de Pinho, chefe de gabinete, e Everton Luiz de Souza, comandante da assessoria de comunicação.

A dupla, exonerada pelo governador Romeu Zema (Novo) nesta sexta, precisará prestar esclarecimentos na condição de investigada. Em reunião, cujo áudio, divulgado pela 'Rádio Itatiaia" e obtido pelo Estado de Minas, houve a sugestão de transferir servidores em home office para o trabalho presencial. A troca foi pensada para proteger os profissionais das investigações feitas por Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e Assembleia. 

A reunião

Na gravação, um participante, que se apresenta como João e diz ser o chefe de gabinete, cita que a CPI e o MPMG solicitaram documentos detalhando se os imunizados estavam em home office ou em trabalho de campo à época da aplicação das injeções. Os órgãos de investigação pedem, ainda, que seja informado o regime de trabalho dos vacinados à época da reunião.

Ele, então, sugere que funcionários vacinados em teletrabalho voltem ao expediente presencial para que ele possa alterar o documento a ser enviado às autoridades.

“Acho que seria mais seguro para vocês se passassem a ter regime presencial e que o documento indicasse isso”, diz.

O interlocutor pede aos demais participantes que trabalhem presencialmente durante a maior parte dos dias úteis. “Eu não manteria o regime de teletrabalho, de forma alguma. Passaria a vir quatro vezes por semana, no mínimo. Se fosse eu, particularmente, até viria todos os dias da semana, por precaução, mesmo que em alguns dias venha (por) menos horas”, pontua.

A proposta recebe a concordância de um dos ouvintes. “Se é a saída mais segura, vamos nela.”

Durante o encontro, ocorrido em uma sexta-feira sem data detalhada no áudio, um dos participantes confirma ter recebido a segunda dose da vacina três dias antes. João Pinho havia sido mantido no cargo mesmo após a demissão de Carlos Eduardo Amaral, em 11 de março, e a chegada de Fábio Baccheretti.

Everton, por seu turno, substituiu Virginia Cornélio da Silva, demitida no mês passado. Ela também precisará conversar com os parlamentares. O presidente da CPI, João Vítor Xavier, afirmou que o comitê está “estupefato” com o conteúdo da gravação. O áudio foi encaminhado ao MPMG.

Deputado vacinado também é alvo


O deputado estadual Professor Irineu (PSL) é outro que tem a situação apurada pela CPI do fura-fila. O político, de 63 anos, recebeu a injeção antiCOVID-19 em Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, quando deveriam ser contemplados apenas cidadãos de 65 anos ou mais.

A CPI pediu à prefeitura betinense informações sobre o processo de vacinação de Irineu. A irregularidade foi confirmada pela administração local nessa quinta-feira (22).

Na semana passada, ao comentar o caso Irineu disse, em nota, ter ligado para uma Unidade Básica de Saúde (UBS) da cidade. Ele afirma ter sido informado de que cidadãos com 63 anos estavam sendo vacinados. Ao chegar ao local, contudo, recebeu a notícia de que apenas os maiores de 65 estavam sendo contemplados, a não ser que houvesse excedente de doses.

“Professor Irineu foi avisado que poderia esperar. Caso houvesse sobra, o mesmo seria imunizado. E assim procedeu”, lê-se em trecho do comunicado.

 

O que é um lockdown?

Saiba como funciona essa medida extrema, as diferenças entre quarentena, distanciamento social e lockdown, e porque as medidas de restrição de circulação de pessoas adotadas no Brasil não podem ser chamadas de lockdown.


Vacinas contra COVID-19 usadas no Brasil

  • Oxford/Astrazeneca

Produzida pelo grupo britânico AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford, a vacina recebeu registro definitivo para uso no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). No país ela é produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

  • CoronaVac/Butantan

Em 17 de janeiro, a vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan no Brasil, recebeu a liberação de uso emergencial pela Anvisa.

  • Janssen

A Anvisa aprovou por unanimidade o uso emergencial no Brasil da vacina da Janssen, subsidiária da Johnson & Johnson, contra a COVID-19. Trata-se do único no mercado que garante a proteção em uma só dose, o que pode acelerar a imunização. A Santa Casa de Belo Horizonte participou dos testes na fase 3 da vacina da Janssen.

  • Pfizer

A vacina da Pfizer foi rejeitada pelo Ministério da Saúde em 2020 e ironizada pelo presidente Jair Bolsonaro, mas foi a primeira a receber autorização para uso amplo pela Anvisa, em 23/02.

Minas Gerais tem 10 vacinas em pesquisa nas universidades

Como funciona o 'passaporte de vacinação'?

Os chamados passaportes de vacinação contra COVID-19 já estão em funcionamento em algumas regiões do mundo e em estudo em vários países. Sistema de controel tem como objetivo garantir trânsito de pessoas imunizadas e fomentar turismo e economia. Especialistas dizem que os passaportes de vacinação impõem desafios éticos e científicos.


Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus.

 

 

Entenda as regras de proteção contra as novas cepas



 

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.


Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

 

 

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade