Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Deputado estadual Professor Irineu é acusado de furar fila da vacina

Professor Irineu, 63 anos, diz que não houve ilegalidade, mas Betim está vacinando idosos de 65 anos. Prefeitura instaurou auditoria para apurar o caso


15/04/2021 17:28 - atualizado 15/04/2021 20:01

Deputado estadual Professor Irineu é acusado de furar a fila da vacina contra a COVID-19, em Betim(foto: Redes Sociais/Divulgação)
Deputado estadual Professor Irineu é acusado de furar a fila da vacina contra a COVID-19, em Betim (foto: Redes Sociais/Divulgação)

O deputado estadual Irineu Inácio da Silva (PSL), de 63 anos, foi vacinado contra a COVID-19 em Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH). O parlamentar, que é conhecido como Professor Irineu, está sendo acusado de ter furado a fila da vacinação já que a faixa etária na cidade está, ainda, em 65 anos.
 
Além disso, outro questionamento é sobre a residência do deputado, que tem carreira política em Contagem. Ele apresentou conta de luz de uma propriedade rural situada em Betim em seu nome.  

A Prefeitura de Betim tomou conhecimento, na manhã desta quinta-feira (15/4), por meio de denúncia feita na Ouvidoria Municipal, que o deputado estadual Irineu Inácio da Silva foi imunizado indevidamente na UBS Vila Cristina. Segundo a assessoria de comunicação da prefeitura de Betim, uma auditoria foi instaurada para apurar a denúncia.

O resultado das investigações será divulgado até o dia 22. Além disso, o município designou um auditor da Secretaria Municipal de Saúde para garantir que todo o processo de imunização da unidade ocorra conforme fluxo regular obrigatório. 

“De acordo com as primeiras apurações da prefeitura, o deputado burlou a triagem, se dirigindo diretamente à sala de vacinação da unidade de saúde sem antes passar pela triagem, onde são conferidos todos os documentos dos usuários. Somente após a aplicação da vacina, os profissionais de saúde confirmaram que o mesmo não pertence ao grupo cuja faixa etária é contemplada atualmente pelo Plano Municipal de Imunização. A prefeitura assegura que, após identificados todos os responsáveis pela vacinação irregular, as medidas cabíveis serão tomadas com o máximo rigor”, diz nota da prefeitura de Betim.

O deputado Professor Irineu confirmou que foi vacinado na quarta-feira (14/4) com o imunizante CoronaVac e, por nota, sua assessoria explicou a situação. 

“Professor Irineu esclarece que ligou para a UBS perguntando se as pessoas com 63 anos já poderiam vacinar e a funcionária que atendeu a ligação confirmou que sim. Porém, quando chegou ao local, o parlamentar foi informado que a vacinação estava sendo realizada com pessoas de 65 anos. Entretanto, Professor Irineu foi avisado que poderia esperar, caso houvesse sobra e assim, segundo uma funcionária da UBS, o mesmo poderia ser imunizado. E assim procedeu. Ele aguardou juntamente com outras pessoas que estavam no local. Professor Irineu e outras pessoas esperaram todos serem vacinados para então serem imunizados."

O parlamentar possui residência na cidade de Betim. O local não consta na declaração de bens da eleição de 2020, mas que constará no novo imposto de renda. 

O deputado esclarece que não tem nenhuma ilegalidade na sua vacinação, uma vez que foi imunizado e recebeu o comprovante com a marcação da 2ª dose”, diz em nota. 

Professor Irineu está em seu primeiro mandato como deputado estadual. Foi eleito por três mandatos como vereador de Contagem, tendo, inclusive, presidido a Câmara Municipal (2009 e 2012). Irineu é professor de matemática, pós-graduado e concursado da rede pública municipal de Contagem, do quadro da Funec (Fundação de Ensino de Contagem). 

O que é um lockdown?

Saiba como funciona essa medida extrema, as diferenças entre quarentena, distanciamento social e lockdown, e porque as medidas de restrição de circulação de pessoas adotadas no Brasil não podem ser chamadas de lockdown.


Vacinas contra COVID-19 usadas no Brasil

  • Oxford/Astrazeneca

Produzida pelo grupo britânico AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford, a vacina recebeu registro definitivo para uso no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). No país ela é produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

  • CoronaVac/Butantan

Em 17 de janeiro, a vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan no Brasil, recebeu a liberação de uso emergencial pela Anvisa.

  • Janssen

A Anvisa aprovou por unanimidade o uso emergencial no Brasil da vacina da Janssen, subsidiária da Johnson & Johnson, contra a COVID-19. Trata-se do único no mercado que garante a proteção em uma só dose, o que pode acelerar a imunização. A Santa Casa de Belo Horizonte participou dos testes na fase 3 da vacina da Janssen.

  • Pfizer

A vacina da Pfizer foi rejeitada pelo Ministério da Saúde em 2020 e ironizada pelo presidente Jair Bolsonaro, mas foi a primeira a receber autorização para uso amplo pela Anvisa, em 23/02.

Minas Gerais tem 10 vacinas em pesquisa nas universidades

Como funciona o 'passaporte de vacinação'?

Os chamados passaportes de vacinação contra COVID-19 já estão em funcionamento em algumas regiões do mundo e em estudo em vários países. Sistema de controel tem como objetivo garantir trânsito de pessoas imunizadas e fomentar turismo e economia. Especialistas dizem que os passaportes de vacinação impõem desafios éticos e científicos.


Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus.

 

 

Entenda as regras de proteção contra as novas cepas



 

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.


Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade