Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Varginha na onda vermelha: 'Não vamos abandonar a fiscalização', diz prefeito

Novas medidas começam a valer neste sábado (17/4) em Varginha. Bares, restaurantes e venda de bebida alcoólica ficam permitidos aos sábados, domingos e feriados


16/04/2021 19:32 - atualizado 16/04/2021 20:35

O prefeito de Varginha, Vérdi Lúcio Melo (C):
O prefeito de Varginha, Vérdi Lúcio Melo (C): "No geral, o decreto vai fazer a abertura do comércio e isso não significa que vamos abrir a cidade e abandonar a fiscalização e os protocolos" (foto: Reprodução facebook)

A Prefeitura de Varginha, no Sul de Minas, fez uma coletiva de imprensa, nesta sexta-feira (16/4), para falar sobre a situação da cidade na onda vermelha do Minas Consciente. As novas medidas começam a valer neste sábado (17/4).

O funcionamento de bares e restaurantes e a venda de bebida alcoólica passam a ser permitidos aos sábados, domingos e feriados. Varginha soma 8.455 pessoas infectadas pela COVID-19 e 177 mortes em decorrência da doença.

O prefeito Vérdi Lúcio Melo detalhou as regras do novo decreto. “No geral, o decreto vai fazer a abertura do comércio e isso não significa que vamos abrir a cidade e abandonar a fiscalização e os protocolos. Nesse primeiro momento, nós vamos recuar com as barreiras e o pessoal vai ser aproveitado para trabalhar nas fiscalizações”, afirma prefeito.

As novas medidas passam a valer a partir deste sábado (17). O funcionamento de bares, restaurantes e a venda de bebida alcoólica passam a ser permitidos aos sábados, domingos e feriados. Mas o horário fica restrito até as 22h, com entrada de cliente até as 21h.

“Até porque nós temos algumas lojas de conveniência que acabam aglomerando pessoas bebendo durante a madrugada”, diz.

De acordo com o decreto, o shopping foi reaberto e fica fechado apenas aos domingos e feriados. As academias podem funcionar até as 22h. Os clubes também estão liberados das 8h às 20h, mas as saunas e piscinas não podem funcionar, exceto para tratamento médico.  

“Mesmo com todas as dificuldades que estamos enfrentando, estamos tomando algumas medidas econômicas para, pelo menos, amenizar a situação das pessoas. Uma delas é a parcela do IPTU, que foi prorrogada para dezembro”, completa.


Resistência à onda roxa

Varginha tentou resistir à onda roxa do Programa Minas Consciente, mas foi obrigada pela Justiça a seguir a fase mais restritiva imposta pelo estado.

“Nós todos sabemos que o município ingressou na onda roxa por determinação judicial e recorreu da decisão. Essa ação ainda corre na Justiça e o recurso ainda vai ser julgado. O município continua entendendo que tem autonomia plena para tomada de decisões. Então é importante que o judiciário dê uma palavra final, porque não sabemos se mais para frente terão outras ondas roxas”, ressaltou o procurador do município, Evandro Marcelo dos Santos.

Volta às aulas em Varginha

O prefeito anunciou que a volta às aulas está autorizada a partir de 3 de maio para todas as escolas. E, segundo Vérdi, a prefeitura tem a expectativa que aumente o número de estudantes na rede pública.

“Nós temos hoje 11 mil estudantes na rede pública do município e temos 2 mil alunos que não matricularam ainda. A nossa expectativa é que esses alunos venham da rede particular e teremos 12.500 alunos durante o ano letivo. Já adquirimos e estamos completamos o processo de compra de 37 mil cestas básicas, da pequena, e todo mês vamos distribuir para os alunos da rede pública em três meses. Estamos também entregando 13 mil kits escolares (cadernos, lápis etc) para serem entregues aos alunos”, explica.

O que é um lockdown?

Saiba como funciona essa medida extrema, as diferenças entre quarentena, distanciamento social e lockdown, e porque as medidas de restrição de circulação de pessoas adotadas no Brasil não podem ser chamadas de lockdown.


Vacinas contra COVID-19 usadas no Brasil

  • Oxford/Astrazeneca

Produzida pelo grupo britânico AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford, a vacina recebeu registro definitivo para uso no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). No país ela é produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

  • CoronaVac/Butantan

Em 17 de janeiro, a vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan no Brasil, recebeu a liberação de uso emergencial pela Anvisa.

  • Janssen

A Anvisa aprovou por unanimidade o uso emergencial no Brasil da vacina da Janssen, subsidiária da Johnson & Johnson, contra a COVID-19. Trata-se do único no mercado que garante a proteção em uma só dose, o que pode acelerar a imunização. A Santa Casa de Belo Horizonte participou dos testes na fase 3 da vacina da Janssen.

  • Pfizer

A vacina da Pfizer foi rejeitada pelo Ministério da Saúde em 2020 e ironizada pelo presidente Jair Bolsonaro, mas foi a primeira a receber autorização para uso amplo pela Anvisa, em 23/02.

Minas Gerais tem 10 vacinas em pesquisa nas universidades

Como funciona o 'passaporte de vacinação'?

Os chamados passaportes de vacinação contra COVID-19 já estão em funcionamento em algumas regiões do mundo e em estudo em vários países. Sistema de controel tem como objetivo garantir trânsito de pessoas imunizadas e fomentar turismo e economia. Especialistas dizem que os passaportes de vacinação impõem desafios éticos e científicos.


Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus.

 

 

Entenda as regras de proteção contra as novas cepas



 

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.


Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade