Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Monte Verde reabre para o turismo consciente após prejuízo na onda roxa

Novo decreto de Camanducaia permite o funcionamento do comércio com algumas restrições, como limitação da ocupação de hotéis, pousadas e restaurantes


16/04/2021 18:31 - atualizado 16/04/2021 19:31

Monte Verde reabre para o turismo consciente neste sábado (17/4)(foto: Reprodução/monteverde.org )
Monte Verde reabre para o turismo consciente neste sábado (17/4) (foto: Reprodução/monteverde.org )
 
Após prejuízo de R$ 15 milhões devido às restrições impostas pela onda roxa, o distrito de Monte Verde reabre para o turismo consciente neste sábado (17). A prefeitura de Camanducaia, no Sul de Minaspublicou novo decreto que permite o funcionamento do comércio com algumas regras para prevenção do contágio e disseminação da COVID-19.
De acordo com o documento, hotéis e pousadas poderão funcionar com capacidade máxima de 60%, sendo obrigatório o cadastro das reservas no sistema. Já restaurantes, bares e lanchonetes devem limitar a quatro pessoas por mesa e proibir a junção de mesas. Também fica vedado o consumo em pé nos estabelecimentos.
 
"Vamos fazer um controle bastante intenso na entrada de Monte Verde, com aferição de temperatura, verificação do percentual dos meios de hospedagem. A Vigilância Sanitária vai visitar todos os estabelecimentos, cuidando do distanciamento entre as mesas em restaurantes, o número de pessoas dentro de lojas, lanchonetes e etc. A nossa ideia é trabalhar com muita responsabilidade, com muito cuidado sanitário para que não tenhamos novamente a onda roxa aqui no Sul de Minas", afirma o secretário de Turismo de Camanducaia, Bruno Alves Rosa.
 
O novo decreto mantém a proibição de atividades, públicas ou privadas, com circulação ou potencial aglomeração de pessoas. Como, por exemplo:

- bailes, shows, festas e apresentações artísticas;
- feiras livres;
- atividades artísticas, criativas e de espetáculos;
- produção e promoção de eventos esportivos;
- exploração de jogos de divertimento, como boliche, sinuca, bilhar, carteado e similares.

Também fica proibido, por tempo indeterminado, o consumo de bebidas alcóolicas em locais públicos do município de Camanducaia.

Monte Verde tem prejuízo de R$ 15 milhões

O fechamento do turismo e do comércio de Monte Verde, em razão da adesão à onda roxa, deve causar um prejuízo de aproximadamente R$ 15 milhões ao distrito de Camanducaia. O levantamento, realizado pela Agência de Desenvolvimento de Monte Verde e Região (MOVE), prevê o impacto dos 30 dias de paralisação.
 
A presidente da MOVE, Rebecca Wagner, afirma que as consequências da pandemia poderiam ser abrandadas com consciência e segurança, "sem uma radicalização prejudicial aos meios de sobrevivência da população". Segundo Rebecca, no segundo semestre de 2020, Monte Verde foi reconhecido pelo Ministério do Turismo como exemplo nacional na retomada do turismo de forma consciente e segura.
 
Agora, o distrito de Camanducaia se prepara – adotando todos os protocolos de prevenção à COVID-19 – para a temporada de inverno a fim de tentar minimizar esse prejuízo. "Estamos iniciando, a partir do mês que vem, nossa temporada de inverno, período que mais importa para nós todos os anos. Com isso, a gente vai trabalhar e poder não gerar desemprego. Ao contrário, gerar emprego e renda de forma responsável e cuidando também da saúde, que é nosso principal objetivo", finaliza o secretário de Turismo.
(Gabriella Starneck/Especial para o EM)

O que é um lockdown?

Saiba como funciona essa medida extrema, as diferenças entre quarentena, distanciamento social e lockdown, e porque as medidas de restrição de circulação de pessoas adotadas no Brasil não podem ser chamadas de lockdown.


Vacinas contra COVID-19 usadas no Brasil

  • Oxford/Astrazeneca

Produzida pelo grupo britânico AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford, a vacina recebeu registro definitivo para uso no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). No país ela é produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

  • CoronaVac/Butantan

Em 17 de janeiro, a vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan no Brasil, recebeu a liberação de uso emergencial pela Anvisa.

  • Janssen

A Anvisa aprovou por unanimidade o uso emergencial no Brasil da vacina da Janssen, subsidiária da Johnson & Johnson, contra a COVID-19. Trata-se do único no mercado que garante a proteção em uma só dose, o que pode acelerar a imunização. A Santa Casa de Belo Horizonte participou dos testes na fase 3 da vacina da Janssen.

  • Pfizer

A vacina da Pfizer foi rejeitada pelo Ministério da Saúde em 2020 e ironizada pelo presidente Jair Bolsonaro, mas foi a primeira a receber autorização para uso amplo pela Anvisa, em 23/02.

Minas Gerais tem 10 vacinas em pesquisa nas universidades

Como funciona o 'passaporte de vacinação'?

Os chamados passaportes de vacinação contra COVID-19 já estão em funcionamento em algumas regiões do mundo e em estudo em vários países. Sistema de controel tem como objetivo garantir trânsito de pessoas imunizadas e fomentar turismo e economia. Especialistas dizem que os passaportes de vacinação impõem desafios éticos e científicos.


Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus.

 

 

Entenda as regras de proteção contra as novas cepas



 

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.


Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade