Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Alta da COVID-19 em Minas deve durar mais um mês, diz secretaria de Saúde

Governo de Minas confirma projeções de especialistas de que a doença pode se multiplicar no próximo mês no estado caso não haja vacinação em massa e isolamento


15/04/2021 08:03 - atualizado 15/04/2021 09:48

Ritmo de chegada de vacinas não tem sido suficiente para atender a demanda e Minas deverá seguir apresentando alta de casos e mortes, segundo projeções de especialistas(foto: Leandro Couri/EM/D.A.Press)
Ritmo de chegada de vacinas não tem sido suficiente para atender a demanda e Minas deverá seguir apresentando alta de casos e mortes, segundo projeções de especialistas (foto: Leandro Couri/EM/D.A.Press)
A alta de infecções (+4,47%) e mortes ( 42,27%) provocadas pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2) projetada por especialistas para o próximo mês e retratada pela reportagem do Estado de Minas da última terça-feira (13/04) também é tendência observada pelo governo estadual. Em Belo Horizonte a tendência é de queda.

Sem citar os dados de suas projeções ou expectativa de novo pico, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) afirma que periodicamente realiza projeções de casos e óbitos pela COVID-19.

"De acordo com as últimas projeções realizadas, estima-se que continuarão aumentando o número de casos observados e o número de óbitos", informa a SES-MG, mas que ressalta não aconselhar "a comparação puramente dos resultados com outras pesquisas, sem levar em conta a metodologia de construção dessas projeções e os parâmetros utilizados nas modelagens. Ressalta-se a necessidade de ter cautela no uso das estimativas encontradas".

As projeções usadas pela reportagem são do modelo Geocovid MapBiomas, de cinco universidades públicas, ONGs e empresas de tecnologia. Traziam a expectativa para o dia 13 de maio deste ano. Atualizando essas previsões, tendo em vista os dias que transcorreram até a resposta da SES-MG, observa-se ligeiro agravamento da taxa de evolução de casos, de 4,47% para 6,29%, e de manutenção na taxa de evolução de mortos, em alta de 42,27%.

Leia também: Brasil deve ter platô de casos como no ano passado

Na perspectiva da SES-MG, o aumento de casos e óbitos é decorrente de uma combinação de fatores. "O afrouxamento do distanciamento social, a diminuição da atenção aos protocolos sanitários no final de 2020 e início de 2021, além da circulação de novas variantes do coronavírus em território mineiro. O efeito dessas variantes ainda está sendo investigado, mas parte dos estudos já indicam uma maior virulência e transmissibilidade", informa.

Para o médico diretor da Sociedade Mineira de Infectologia e membro do comitê de enfrentamento da COVID-19 na Prefeitura de Belo Horizonte, Carlos Starling, sem uma vacinação ampla e eficiente, a perspectiva é sim de aumento dos casos e mortes sem vacinação e isolamento.

“Muito provavelmente, com esse ritmo lento de vacinação, vamos demorar uns dois anos para se ter um impacto relevante. Poucas vacinas chegam aos poucos. Até há uma perspectiva de chegarem mais vacinas no segundo semestre deste ano, aí pode ser que em meados do próximo ano tenhamos uma melhora consistente. Para este ano é irreal uma melhora só com vacinação”, prevê Starling.

A SES-MG destaca como medidas já tomadas para frear a epidemia no estado e restabelecer a capacidade de assistência hospitalar. "O Governo decretou ao longo do mês de março e abril maiores restrições de circulação, por meio do que foi intitulado “Onda Roxa”.

As regras incluem ainda a proibição de circulação de pessoas sem o uso de máscara de proteção, em qualquer espaço público ou de uso coletivo, ainda que privado; a proibição de circulação de pessoas com sintomas gripais, exceto para a realização ou acompanhamento de consultas ou realização de exames médico-hospitalares; proibição da realização de qualquer tipo de evento público ou privado que possa provocar aglomeração, ainda que respeitadas as regras de distanciamento social".

Destacou, ainda, que trabalhou desde o início da pandemia e continua atuando "arduamente" para a readequação e ampliação de sua rede assistencial para conseguir abarcar um maior número de internados.

"Os indicadores são monitorados diariamente, e avaliados semanalmente para todas as regiões do estado de modo a embasar a tomada de decisão acerca das medidas de contenção da pandemia do novo coronavírus".

O modelo Geocovid MapBiomas um esforço de cinco organizações acadêmicas (UEFS, UFBA, UESC, UNEB e IFBA), empresas emergentes de base tecnológica (GEODATIN e SOLVED) e o MapBiomas, que criaram essa ferramenta para monitorar o avanço da COVID-19 no Brasil.

Comércio está limitado, mas para especialistas solução seria o lockdown e a vacinação(foto: Leandro Couri/EM/D.A.Press)
Comércio está limitado, mas para especialistas solução seria o lockdown e a vacinação (foto: Leandro Couri/EM/D.A.Press)

Lockdown e vacina -
Além de uma cobertura mais ampla e veloz pela vacinação, o médico diretor da Sociedade Mineira de Infectologia e membro do comitê de enfrentamento da COVID-19 na Prefeitura de Belo Horizonte, Carlos Starling, sugere o lockdown como uma ferramenta eficiente.

“Uma coisa que pode ser feita é um lockdown em uma ou outra cidade para o sistema de saúde não entrar em colapso. Isso deve, sim, ser avaliado e feito sempre que necessário”, observa o diretor da Sociedade Mineira de Infectologia.

“Minas Gerais é do tamanho da França. Há regiões melhores e muito piores. O manejo da epidemia em MG é diferente, até mesmo a forma onde a epidemia está em pico, em uma determinada região, e em outra está melhor”, avalia Starling. Segundo o médico, não há medida única.

“Deveria ter sido feito um lockdown de 14 a 21 dias em todo o país para se ter uma queda importante nos números. Mas essa medida não foi considerada pelo governo federal e vamos viver, de agora para frente, com a epidemia indo e vindo. Se as pessoas relaxarem muito o isolamento, isso aumenta a mobilidade e a epidemia volta com tudo. Aí, alguns locais se fecham e a epidemia recua de novo. Era preciso ter uma coordenação nacional”, avalia.

O que é um lockdown?

Saiba como funciona essa medida extrema, as diferenças entre quarentena, distanciamento social e lockdown, e porque as medidas de restrição de circulação de pessoas adotadas no Brasil não podem ser chamadas de lockdown.


Vacinas contra COVID-19 usadas no Brasil

  • Oxford/Astrazeneca

Produzida pelo grupo britânico AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford, a vacina recebeu registro definitivo para uso no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). No país ela é produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

  • CoronaVac/Butantan

Em 17 de janeiro, a vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan no Brasil, recebeu a liberação de uso emergencial pela Anvisa.

  • Janssen

A Anvisa aprovou por unanimidade o uso emergencial no Brasil da vacina da Janssen, subsidiária da Johnson & Johnson, contra a COVID-19. Trata-se do único no mercado que garante a proteção em uma só dose, o que pode acelerar a imunização. A Santa Casa de Belo Horizonte participou dos testes na fase 3 da vacina da Janssen.

  • Pfizer

A vacina da Pfizer foi rejeitada pelo Ministério da Saúde em 2020 e ironizada pelo presidente Jair Bolsonaro, mas foi a primeira a receber autorização para uso amplo pela Anvisa, em 23/02.

Minas Gerais tem 10 vacinas em pesquisa nas universidades

Como funciona o 'passaporte de vacinação'?

Os chamados passaportes de vacinação contra COVID-19 já estão em funcionamento em algumas regiões do mundo e em estudo em vários países. Sistema de controel tem como objetivo garantir trânsito de pessoas imunizadas e fomentar turismo e economia. Especialistas dizem que os passaportes de vacinação impõem desafios éticos e científicos.


Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus.

 

 

Entenda as regras de proteção contra as novas cepas



 

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.


Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade