UAI
Publicidade

Estado de Minas PARCERIA

Compra de doses da Coronavac é um plano B, diz infectologista da PBH

Município anunciou pré-acordo para compra de doses da Coronavac e também negociou para obter a Pfizer. Mas ideia é seguir diretrizes do Ministério da Saúde


09/12/2020 18:21 - atualizado 09/12/2020 18:36

PBH garante doses da Coronavac e da Pfizer caso Ministério da Saúde não se posicionar(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
PBH garante doses da Coronavac e da Pfizer caso Ministério da Saúde não se posicionar (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)

Apesar de anunciar nesta quarta-feira (9/12) um acordo com o Instituto Butantan, de São Paulo, para a compra de doses da Coronavac, a prefeitura de Belo Horizonte garante que respeitará o Plano Nacional de Imunização (PNI) encabeçado pelo governo federal para vacinar a população contra o coronavírus. A ideia do município é se garantir ao máximo com a vacina chinesa caso o Ministério da Saúde não envie as doses necessárias para a capital mineira. 
 
Belo Horizonte também havia anunciado um acordo com a Pfizer, que começou a ser aplicada no Reino Unido desde essa terça-feira (8/12). O município fez parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) para obter refrigeradores que possam armazenar as doses em temperaturas de cerca de 70 graus negativos. O prefeito Alexandre Kalil (PSD) informou que a capital mineira adquiriu 2 milhões de seringas, das quais 1 milhão  já estão disponíveis para a vacinação. 

“Diante da posição incerta e duvidosa do ministro da saúde e do presidente quanto à compra da Coronavac, traçamos um plano B. Nosso plano A é acatar a orientação do Programa Nacional de Imunização, que tem 47 anos de existência, é um programa robusto, tem experiência e seus técnicos tem longa vivência em campanhas de vacinação. Espero que o PNI consiga fazer um projeto de compra e distribuição das vacinas disponíveis para o Brasil, que deve adquirir as vacinas de Oxford e da própria Coronavac”, afirma o médico infectologista Unaí Tupynambás, integrante do Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus na capital mineira. 

A exemplo das outras vacinas em testes no país – Oxford, Pfizer e Janssen –, a Coronavac está na fase 3 de estudos e aguarda liberação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para iniciar a distribuição. Mas o órgão do governo divulgou comunicado apontando que a vacina chinesa precisa cumprir várias e apresentar os dados da própria fase 3 dos testes clínicos, última etapa antes do registro. 
  
Em julho, a UFMG participou da coordenação dos testes da Coronavac em profissionais de saúde. A vacina chinesa usa o vírus morto e purificado, que, segundo a instituição de ensino, é uma tecnologia eficaz e comprovada em casos de gripe, pneumonia, entre outras doenças.  

Campanha única 

Unaí defende uma campanha de vacinação única no país: “O melhor cenário para os brasileiros é ter uma campanha coordenada. É muito importante a comunicação integrada para que a população tenha esclarecimentos sobre a campanha. Temos que construir esse consenso, essa convergência de interesses e esperamos que o governo federal volte atrás. O ideal seria uma campanha única, já que o PNI tem larga experiência de febre amarela, sarampo e febre amarela. Todos nós temos a ganhar ao construir esse consenso”.

O planejamento inicial da Secretaria Municipal de Saúde é iniciar a vacinação a partir do começo de março. Independentemente do que o governo federal vai propor, a PBH também tem uma parte do plano de vacinação consolidada. A imunização começaria pelos trabalhadores de saúde e seguiria pelas pessoas que possuem comorbidades e ficaram vulneráveis pela COVID-19 (diabéticos e hipertensos, por exemplo), além dos idosos acima dos 70 anos. A novidade é que o município pretende vacinar também os professores da rede municipal no grupo prioritário, caso a cidade receba uma quantidade maior de doses.
 

O que é o coronavírus

Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.
Vídeo: Por que você não deve espalhar tudo que recebe no Whatsapp



Como a COVID-19 é transmitida?


A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Vídeo: Pessoas sem sintomas transmitem o coronavírus?



Como se prevenir?


A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.
Vídeo: Flexibilização do isolamento não é 'liberou geral'; saiba por quê



Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus.

 

Vídeo explica porque você deve aprender a tossir

Mitos e verdades sobre o vírus


Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Coronavírus e atividades ao ar livre: vídeo mostra o que diz a ciência

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

 
 
 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade