Publicidade

Estado de Minas VACINAS

Estudo sugere que desempenho da CoronaVac cai contra variante brasileira

Em experimento feito na China, o imunizante foi capaz de neutralizar cepas britânica e da Califórnia da mesma maneira que a versão original do coronavírus


28/05/2021 22:16 - atualizado 28/05/2021 22:19

Pesquisadores chineses testam eficácia da CoronaVac contra variantes de diversos países (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press)
Pesquisadores chineses testam eficácia da CoronaVac contra variantes de diversos países (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press)
Um experimento de laboratório, feito na China, sugere que a CoronaVac tem desempenho menor contra a P1, variante brasileira do coronavírus. A vacina também tem queda contra as cepas sul-africana e nova-iorquina. Os resultados foram publicados na revista Lancet, nessa quinta-feira (27/5).

 

 


Já contra as variantes detectadas no Reino Unido, na Califórnia, e a D614G (mutação que surgiu nos primeiros meses da pandemia), o imunizante mostrou desempenho semelhante ao observado contra a versão original do Sars-CoV-2. A cepa indiana não foi incluída no estudo.

Para avaliar a potencial resistência de novas variantes à neutralização induzida pela vacina, produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a Sinovac, pesquisadores analisaram o soro do sangue de 93 profissionais de saúde saudáveis, do Hospital Nanjing Drum Tower, em Nanjing, na China, antes e depois de receberem as duas doses do imunizante.

Os cientistas testaram a resposta imune das amostras contra um vírus artificial, fabricado em laboratório, com a adição da proteína "spike" — responsável por forçar a entrada do vírus nas células humanas — de diferentes variantes do coronavírus.

Resultados da análise do sangue 

O soro do sangue de todas as amostras, antes da vacinação, não apresentavam níveis de neutralização contra as sete variantes do Sars-CoV-2 testadas, como esperado.

Após a vacinação, no entanto, 82% das amostras conseguiram neutralizar o vírus da cepa original do coronavírus, encontrada em Wuhan. Além dela, as amostras foram igualmente capazes de neutralizar as variantes D614G, do Reino Unido e a da Califórnia.

Porém, as variantes que têm uma mutação no gene E484k apresentaram menor capacidade de serem neutralizadas pelos anticorpos estimulados pela CoronaVac. Entre elas, estão a P1, que surgiu em Manaus, a B.1.526, de Nova York, e a B.1.351, da África do Sul. Contra essas variantes, a atividade neutralizante dos anticorpos caiu a cerca de um quarto daquela observada contra a cepa original do coronavírus.

Como o estudo é um experimento de laboratório em condições artificiais, ele não reflete necessariamente as condições reais de uso do imunizante. Por esta razão, os pesquisadores recomendam trabalhos de vigilância epidemiológica.

"Nossos resultados ressaltam a necessidade de vigilância viral aprimorada e avaliação da eficácia da vacina atualmente autorizada contra variantes emergentes, especialmente na presença de E484K.”

Em abril, em uma análise feita em Manaus, onde a variante brasileira era predominante, a CoronaVac mostrou 50% de eficácia para prevenir casos de COVID, 14 dias após a primeira dose. A pesquisa contou com participação de mais de 67 mil profissionais de saúde.
 
*Estagiária sob supervisão do subeditor Eduardo Oliveira  
 


Vacinas contra COVID-19 usadas no Brasil

  • Oxford/Astrazeneca

Produzida pelo grupo britânico AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford, a vacina recebeu registro definitivo para uso no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). No país ela é produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

  • CoronaVac/Butantan

Em 17 de janeiro, a vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan no Brasil, recebeu a liberação de uso emergencial pela Anvisa.

  • Janssen

A Anvisa aprovou por unanimidade o uso emergencial no Brasil da vacina da Janssen, subsidiária da Johnson & Johnson, contra a COVID-19. Trata-se do único no mercado que garante a proteção em uma só dose, o que pode acelerar a imunização. A Santa Casa de Belo Horizonte participou dos testes na fase 3 da vacina da Janssen.

  • Pfizer

A vacina da Pfizer foi rejeitada pelo Ministério da Saúde em 2020 e ironizada pelo presidente Jair Bolsonaro, mas foi a primeira a receber autorização para uso amplo pela Anvisa, em 23/02.

Minas Gerais tem 10 vacinas em pesquisa nas universidades

Como funciona o 'passaporte de vacinação'?

Os chamados passaportes de vacinação contra COVID-19 já estão em funcionamento em algumas regiões do mundo e em estudo em vários países. Sistema de controel tem como objetivo garantir trânsito de pessoas imunizadas e fomentar turismo e economia. Especialistas dizem que os passaportes de vacinação impõem desafios éticos e científicos.


Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus.

 

 

Entenda as regras de proteção contra as novas cepas

[VIDEO4]

 

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.


Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade