Publicidade

Estado de Minas SAÚDE

Gripe x COVID-19: o que você precisa saber sobre a vacinação

Em meio à campanha de vacinação contra a COVID-19, imunização contra a gripe tem início e levanta questionamentos. Confira as recomendações de especialista


08/04/2021 15:00 - atualizado 08/04/2021 15:14

(foto: Pixabay)
(foto: Pixabay)

Com números alarmantes de novos casos e mortes por COVID-19 no Brasil, a esperança se encontra na vacina. Porém, ela ainda não está disponível para todos. E, mais de um ano depois do início da pandemia no país e com tempo hábil para uma nova campanha de imunização contra a gripe, diversas dúvidas surgem.
 
Afinal, é recomendado tomar as duas vacinas juntas? E quem tomou a vacina contra o novo coronavírus, já pode tomar a da gripe? Uma imuniza pela outra? São muitos os questionamentos. 

Para a primeira dúvida, a resposta é: não. Não é indicado que as vacinas, tanto contra a gripe quanto contra COVID-19, sejam tomadas ao mesmo tempo ou em intervalos curtos de tempo. “O intervalo entre elas deverá ser de, no mínimo, 14 dias”, afirma José Geraldo Ribeiro, epidemiologista e assessor de vacinas do Hermes Pardini.  

Mas essa recomendação pode variar de vacina para vacina, conforme apontado pelo especialista. Se a vacina tomada contra a COVID-19 tiver sido a Coronavac, produzida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, a melhor indicação é mesmo aguardar os 14 dias após o término do esquema de vacinação. Ou seja, após a aplicação das duas doses. 

No entanto, se a vacina tomada for a Astrazeneca, de Oxford, como o esquema vacinal segue a orientação de duas doses contra COVID-19 com intervalo de três meses entre as doses, há uma outra opção. “Por se tratar de um intervalo maior entre as doses, o paciente poderá receber a vacina de gripe tetravalente ou trivalente num intervalo de 14 dias após ter recebido a primeira dose e a aguardar o intervalo mínimo de 14 dias para receber a segunda”, explica. 

O “não” também vale para o questionamento acerca da imunização de ambas as doenças por apenas uma das vacinas. Isso não é verdade. Cada imunizante previne apenas uma infecção e acometimento do organismo. Portanto, é preciso participar de ambas as campanhas de vacinação. 

Agora, se o paciente estiver infectado com o Sars-Cov-2, a vacina contra a gripe não pode ser aplicada e é preciso esperar, aponta José Geraldo Ribeiro. “O indivíduo deverá aguardar 30 dias após o início dos sintomas e no dia da aplicação da vacina deverá estar assintomático”, reafirma. 

A VACINA CONTRA A GRIPE 


Enquanto que, na rede pública de saúde, a campanha de vacinação tem início na próxima segunda-feira (12) e se estende até julho de 2021 – as crianças receberão a dose da vacina primeiro este ano, já que os adultos estão sendo imunizados contra COVID-19. Porém, menores de seis meses não devem ser vacinados –, a rede privada já tem a imunização disponível há cerca de duas semanas. 

Segundo José Geraldo Ribeiro, é preciso tomá-la todos os anos, em razão da queda no nível dos anticorpos estimulados pela vacinação do ano anterior e da mutação do vírus influenza. Justamente por isso, a vacinação também muda.  

“Os vírus influenza, que causam a gripe, sofrem mutações com facilidade, e isso leva à necessidade de alterar a composição da vacina. Essa reformulação é feita a partir das análises de uma rede internacional de vigilância que realiza a coleta de vírus ao redor do mundo para a identificação dessas variantes, de acordo com orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS)”, justifica. 

O epidemiologista do Hermes Pardini aponta, ainda, que as reações adversas são pouco comuns e, quando ocorrem, são leves e locais – eritema, endurecimento e dor no lugar da aplicação – e desaparecem rapidamente. “Também pode ocorrer febre baixa, dor muscular e mal-estar, de 6 a 12 horas após a aplicação. Esses sintomas duram menos de dois dias.” 

A imunidade é geralmente obtida entre duas e três semanas após a vacinação. Por isso, é crucial que a vacinação seja feita antes da “temporada de gripe”, que ocorre no inverno. A imunização dura entre seis e 12 meses. Mas é importante destacar que a vacina não evita o resfriado, apenas a gripe, pois o resfriado é causado por outros tipos de vírus, como o adenovírus, o rinovírus, o vírus respiratório sincicial e o parainfluenza. 
 
*Estagiária sob a supervisão da editora Teresa Caram 
 

O que é um lockdown?

Saiba como funciona essa medida extrema, as diferenças entre quarentena, distanciamento social e lockdown, e porque as medidas de restrição de circulação de pessoas adotadas no Brasil não podem ser chamadas de lockdown.


Vacinas contra COVID-19 usadas no Brasil

  • Oxford/Astrazeneca

Produzida pelo grupo britânico AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford, a vacina recebeu registro definitivo para uso no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). No país ela é produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

  • CoronaVac/Butantan

Em 17 de janeiro, a vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan no Brasil, recebeu a liberação de uso emergencial pela Anvisa.

  • Janssen

A Anvisa aprovou por unanimidade o uso emergencial no Brasil da vacina da Janssen, subsidiária da Johnson & Johnson, contra a COVID-19. Trata-se do único no mercado que garante a proteção em uma só dose, o que pode acelerar a imunização. A Santa Casa de Belo Horizonte participou dos testes na fase 3 da vacina da Janssen.

  • Pfizer

A vacina da Pfizer foi rejeitada pelo Ministério da Saúde em 2020 e ironizada pelo presidente Jair Bolsonaro, mas foi a primeira a receber autorização para uso amplo pela Anvisa, em 23/02.

Minas Gerais tem 10 vacinas em pesquisa nas universidades

Como funciona o 'passaporte de vacinação'?

Os chamados passaportes de vacinação contra COVID-19 já estão em funcionamento em algumas regiões do mundo e em estudo em vários países. Sistema de controel tem como objetivo garantir trânsito de pessoas imunizadas e fomentar turismo e economia. Especialistas dizem que os passaportes de vacinação impõem desafios éticos e científicos.


Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus.

 

 

Entenda as regras de proteção contra as novas cepas



 

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.


Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade