Publicidade

Estado de Minas OPINIÃO SEM MEDO

Milícia (agora oficial) bolsonarista 'toca o terror' no Recife

A cooptação das alas fascistas das Polícias Militar e Civil é fato; e uma realidade cada vez mais perigosa


30/05/2021 09:07 - atualizado 30/05/2021 12:45

(foto: Hugo Muniz/Mídia Ninja)
(foto: Hugo Muniz/Mídia Ninja)


É mais que sabido o risco que representa o bolsonarismo armado, e não falo aqui das milícias cariocas ligadas ao Clã das Rachadinhas, não. Falo de algo bem mais sério e que está em curso pelo menos desde a campanha eleitoral de 2018, que é esse mesmo bolsonarismo, só que infiltrado nas Polícias Militar e Civil de diversos estados do País.

Uma pequena amostra deste movimento ditador, e inconstitucional, foi a greve dos policiais cearenses em fevereiro do ano passado, quando amotinados em quartel na cidade de Sobral - um reduto político dos Gomes - dispararam contra a cabeça do ‘sinhozinho’ Cid, irmão do ‘coroné’ Ciro, que atentou contra os grevistas a bordo de um trator.

Nas redes sociais bolsonaristas, entre perfis fakes e robôs, espalham-se em milhares de contas de militares (Polícia e Exército) e policiais civis, e não raro exibindo suas armas nas fotos de perfil. Igualmente não raras são as ameaças feitas por esses mesmos agentes do Estado contra jornalistas, em comentários de colunas e posts na internet.

No recente 'rolezinho da covid', protagonizado pelo verdugo do Planalto no Rio de Janeiro, em que milhares de motociclistas se aglomeraram pelas ruas, mais de mil policiais estiveram presentes à arruaça que terminou em discursos golpistas. Sem nos esquecermos da chamada 'bancada da bala' no Congresso, onde a presença de militares é enorme.

Bolsonarismo miliciano 

As milícias tradicionais estão presentes em praticamente todas as capitais do País, em maior ou menor escala, e rivalizam muitas vezes com o tráfico.

Na cidade do Rio de Janeiro, por exemplo, já dominam mais da metade do território, e negar sua proximidade com a família presidencial é desconhecer o Queiroz, os ‘micheques’ e o assassino de aluguel, Adriano da Nóbrega, homenageado duas vezes por Flávio e Jair Bolsonaro.

Não houve mísera manifestação pró-Bolsonaro, em que pesem os crimes contra a saúde pública e a democracia ocorridos em todas, como aglomerações, apologia a golpe de Estado e fechamento do Congresso Nacional e do STF, que a polícia tenha interferido. Pelo contrário, até. Agressões a opositores e jornalistas ocorreram sob o olhar atento de policiais, que, no máximo, escoltaram os agredidos para longe dos atos.

Em seu vigoroso e indisfarçável desejo autocrata, Bolsonaro sonha com um golpe de Estado, escorado e ancorado nas Forças Armadas. Porém, como tal fantasia é impossível, investe nas polícias estaduais, onde, infelizmente, criminosos utilizam o poder conferido pelo Estado para praticar extorsão, proteção paramilitar, abusos de autoridade e outros crimes (obviamente que não falo das Instituições, mas de certos bandidos nelas infiltrados).

Polícia política 

Em um estado democrático de direito, “polícia política” não existe. Existindo, não é polícia; é milícia. Não do tipo tradicional, em tese, clandestina, mas do tipo oficial, com conhecimento, aquiescência e cumplicidade do Estado. Foi o que se viu neste sábado (29/5) em Recife, pela primeira vez em muitas décadas de redemocratização no Brasil.

Durante manifestação promovida por partidos e organizações de esquerda contra o governo Bolsonaro, de forma estupidamente desnecessária e injustificável, a PM de Pernambuco investiu contra os manifestantes e distribuiu, além de cacetadas, socos e pontapés, bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha. E não, não houve, como costuma ocorrer nas manifestações de esquerda, depredações, violência, invasões etc. que justificassem a barbaridade policial.

Quem me acompanha sabe o quanto não simpatizo com as esquerdas e o quanto sou combatente dos seus principais líderes, que considero, em grande maioria, um bando de salafrários e usurpadores da boa-fé e da grana dos mais pobres e pouco instruídos.

Contudo, jamais deixei de reconhecer o direito - imperativa necessidade - da existência dessa gente. Afinal, é a isso que chamamos de Democracia. E assim como não existe meia-gravidez, igualmente não existe meia-democracia.

2022 está chegando 

Com alguma dose de sorte, o Brasil, em 2022, estará relativamente livre deste maldito coronavírus. O acirramento dos ânimos políticos já está dado e só irá piorar a cada dia, já que Lula e lulismo e Bolsonaro e bolsonarismo se alimentam dessa desgraça de cisão social. As ruas irão se tornar palcos de manifestações grandes e raivosas.

Além disso, temendo e já prevendo uma possível derrota para o meliante de São Bernardo, o pai do senador das rachadinhas e da mansão de 6 milhões de reais continua o discurso contra as urnas eletrônicas - as mesmas que o elegeram e sobre as quais anunciou ter provas de fraude, mas jamais as apresentou.

Os Estados Unidos não são o Brasil. Infelizmente, hehe. Mas a amostra que tivemos na derrota de Trump - o episódio da invasão do Capitólio por extremistas de direita - serve como alerta, pois a motivação dos fascistas foi justamente as acusações de fraude, levianamente feitas pelo bufão alaranjado. A diferença, para pior, que poderá se dar no Brasil é a forte presença de gente armada e disposta a tudo para defender seu ‘mito’ e eliminar a ‘ameaça diabólica comunista’.

O governador de Pernambuco, Paulo Henrique Saraiva (PSB), agiu rápido e afastou os policiais envolvidos na violência contra os manifestantes, além de proferir correto discurso em favor da democracia. Louvável, sem dúvida, mas insuficiente. Ele e os demais governadores que não comungam com o bolsonarismo precisam, desde já, ficar muito atentos às suas corporações militares, sob pena de omissão em possível e provável futuro derramamento de sangue, em nome de facínoras hoje favoritos ao segundo turno da eleição presidencial.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade