Publicidade

Estado de Minas FILOSOFIA

Direita e Esquerda: entenda o que cada um significa

Saiba os conceitos e entenda qual é sua ideologia política


postado em 15/03/2019 13:00 / atualizado em 15/03/2019 14:03

Nas eleições de 2018, o Brasil assistiu a uma onda de debates agressivos, especialmente nas redes sociais, que se dividiam em dois lados: os de esquerda e os de direita, associadas pela maioria aos partidos PT, PDT e PSOL, e PSL, PSDB e Avante respectivamente. Definir um posicionamento político apenas pelo viés partidário pode ser uma armadilha repleta de clichês, já que essa divisão não reflete a complexidade e contradições da sociedade. O fato é que não existe um consenso quanto a uma definição comum e única de esquerda e direita. Existem “várias esquerdas e direitas”. Isso porque esses conceitos são associados a uma ampla variedade de pensamentos políticos. 
Polarização das últimas eleições causou muita discussões e brigas familiares nas redes sociais: você realmente entende o significado de ser de direita ou esquerda?(foto: Internet)
Polarização das últimas eleições causou muita discussões e brigas familiares nas redes sociais: você realmente entende o significado de ser de direita ou esquerda? (foto: Internet)
As ideologias “esquerda” e “direita” foram criadas durante as assembleias na França do século XVIII. Nessa época, a burguesia procurava, com o apoio da população - especialmente os "sans-culotte", diminuir os poderes da nobreza e do clero. Era a primeira fase da Revolução Francesa (1789-1799).

Com a Assembleia Nacional Constituinte montada para criar a nova Constituição, as classes mais ricas não gostaram da participação das mais pobres, e preferiram não se misturar, sentando separadas, do lado direito. Por isso, o lado esquerdo foi associado à luta pelos direitos dos trabalhadores, e o direito ao conservadorismo e à elite francesa.
Dentro dessa visão, ser de esquerda presumiria lutar pelos direitos dos trabalhadores e da população mais pobre. Já a direita representaria uma visão mais conservadora, ligada a um comportamento tradicional, que busca manter o poder da elite e promover o bem estar individual. 

Com o passar do tempo, as duas expressões passaram a ser usadas em outros contextos. Atualmente, por exemplo, os partidários que se colocam contra as ações do regime vigente (oposição) seriam entendidos como “de esquerda” e os defensores do governo em vigência (situação) seriam a ala “de direita”. Embora os dois lados realizem reformas, uma diferença seria que a esquerda busca promover a justiça social enquanto a direita trabalha pela liberdade individual. 

Após a queda do Muro de Berlim (1989), que pôs fim a Guerra Fria, um novo cenário político se abriu. Por isso, hoje, as palavras ‘esquerda’ e ‘direita’ parecem não dar conta da diversidade política do século 21. Isso não quer dizer que a divisão não faça sentido, apenas que ‘esquerda’ e ‘direita’ não são palavras que designam conteúdos fixados de uma vez para sempre. Podem designar diversos conteúdos conforme os tempos e situações.

No Brasil, essa divisão se fortaleceu no período da Ditadura Militar, onde quem apoiou o golpe dos militares era considerado da direita, e quem defendia a instauração de um regime socialista baseado nas ideias de Karl Marx, de esquerda. Com o tempo, outras divisões apareceram dentro de cada uma dessas ideologias. Hoje, os partidos de direita abrangem conservadores, democratas-cristãos, liberais e nacionalistas, e ainda o nazismo e fascismo na chamada extrema direita. 

Na esquerda, temos os social-democratas, progressistas, socialistas democráticos e ambientalistas. Na extrema-esquerda temos movimentos simultaneamente igualitários e autoritários, como movimentos operários e comunistas pelo o fim da propriedade privada. Há ainda posição de "centro". Esse pensamento consegue defender o capitalismo sem deixar de se preocupar com o lado social. Em teoria, a política de centro prega mais tolerância e equilíbrio na sociedade. No entanto, ela pode estar mais alinhada com a política de esquerda ou de direita. A origem desse termo vem da Roma Antiga, que o descreve na frase: "In mediun itos" (a virtude está no meio).
Panorama ideológico dos partidos brasileiros
Panorama ideológico dos partidos brasileiros
Outro tema fundamental é a visão sobre a economia. Os de esquerda pregam uma economia mais justa e solidária, com maior distribuição de renda e interferência do Estado. Os de direita seriam associados ao liberalismo, doutrina que na economia pode indicar os que procuram manter a livre iniciativa de mercado e os direitos à propriedade particular. Algumas interpretações defendem a total não intervenção do governo na economia, a redução de impostos sobre empresas, a extinção e simplificação da regulamentação governamental, e outros. Lembrando que há governos de direita também com forte intervenção estatal, como o ocorrido durante o período militar no Brasil.

O liberalismo não significa necessariamente conservadorismo moral. Na raiz, o adjetivo liberal é associado à pessoa que tem ideias e uma atitude aberta ou tolerante, que pode incluir a defesa de liberdades civis e direitos humanos. Já o conservador seria aquele com um pensamento tradicional. Na política, o conservadorismo busca manter o sistema político existente, que seria oposto ao progressismo.

Direita e esquerda também têm a ver com questões éticas e culturais. Avanços na legislação em direitos civis e temas como o casamento LGBT e legalização das drogas e aborto são vistas como bandeiras da esquerda, com a direita assumindo a defesa da família tradicional. No que nos faz perceber que esses conceitos são mais flexíveis hoje em dia.
 
Artigo de Filosofia/Sociologia do Percurso Pré-Vestibular e Enem


Publicidade