Publicidade

Estado de Minas CORONAVÍRUS

COVID: Bolsonaro mantém discurso de supernotificação e cita novamente o TCU

Tribunal desmentiu presidente na segunda-feira (7/6), negando existência de um documento oficial que trate de mortes pela doença


09/06/2021 12:16 - atualizado 09/06/2021 12:43

(foto: Evaristo Sá/AFP - 5/5/20)
(foto: Evaristo Sá/AFP - 5/5/20)
O presidente Jair Bolsonaro voltou a afirmarsem apresentar provas, que existe "forte indício" de supernotificação de mortes por COVID-19 nos Estados. Ele acusou novamente governadores de inflarem óbitos para receber recursos e mencionou mais uma vez um acórdão do Tribunal de Contas da União (TCU) sobre o tema. A Corte já o desmentiu duas vezes e reiterou que não produziu qualquer dado sobre supernotificação de mortes ou casos da doença, bem como não há julgamentos sobre o tema.

"Está muita polêmica no TCU ainda, ou já acalmou isso aí?", indagou Bolsonaro a apoiadores ao deixar o Palácio da Alvorada na manhã desta quarta-feira (9/6). Em seguida, o mandatário disse que esclareceria o assunto, citou "dois acórdãos" do TCU e disse que não sabia o motivo de um dos documentos ainda não ter sido retirado do ar. Bolsonaro retomou o discurso de que o órgão "disse que critério mais importante para recursos a Estados é notificação" de casos e óbitos por covid-19.

"O próprio TCU disse que a prática poderia não ser salutar, pois incentivaria supernotificações. Governadores, para receber mais dinheiro, notificavam mais covid", disse. "Tem gente querendo desqualificar o que eu estou falando para não incriminar governadores. Eu entendo que realmente isso tem que ser analisado e, no meu entendimento, sim, tivemos supernotificação no Brasil e tem alguns governadores que praticaram isso aí", afirmou o presidente.

Bolsonaro disse não saber o motivo pelo qual o órgão retirou do ar um dos documentos. A Corte informou ao Estadão/Broadcast que apura o caso internamente. Alexandre Figueiredo Costa Silva Marques, auditor do TCU, é investigado pelo órgão por ter sido autor do estudo paralelo citado por ele. Na conversa com apoiadores, o presidente não citou essa investigação.

De acordo com o jornal O Globo, o funcionário confessou à chefia imediata que é o autor do documento e que comentou o teor de suas análises pessoais com o pai, militar e amigo pessoal de Bolsonaro. O pai de Marques, segundo o auditor teria relatado a seus chefes, teria enviado o texto ao presidente.

Na manhã desta quarta, segundo o jornal Correio Braziliense, a ministra do TCU Ana Arraes, autorizou a abertura de processo administrativo disciplinar contra o auditor Alexandre Figueiredo Costa Silva Marques, que já foi destituído de suas funções de supervisor no Núcleo de Supervisão de Auditoria do tribunal. No lugar dele, vai assumir Fábio Mafra, de acordo com o jornal.

"O TCU disse que o critério de transferência de recursos para os Estados por mortes não era o mais salutar", disse Bolsonaro. O presidente voltou a repetir também que o documento indicava que, por "estudos estatísticos não conclusivos", cerca de 45% das mortes oficiais poderiam ser resultado de supernotificação.

Bolsonaro também defendeu que o número de mortes por ano no País cresce anualmente, e que se "retirados" os dados de covid, a taxa de óbitos anual no Brasil teria um "crescimento negativo", justificando que este seria um dos indícios da supernotificação. "Ano passado foram 200 mil mortes. Se tirar a metade disso, você vai ver que o Brasil é um dos países com menor taxa de óbitos por milhão de habitantes", repetiu.

O presidente ainda ironizou os trabalhos da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid no Senado e atacou o presidente do colegiado, Omar Aziz (PSD-AM), e o relator, Renan Calheiros (MDB-AL). "Não vamos agir como gênios em saúde da CPI, o Renan Calheiros e Omar Aziz".


Vacinas contra COVID-19 usadas no Brasil

  • Oxford/Astrazeneca

Produzida pelo grupo britânico AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford, a vacina recebeu registro definitivo para uso no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). No país ela é produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

  • CoronaVac/Butantan

Em 17 de janeiro, a vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan no Brasil, recebeu a liberação de uso emergencial pela Anvisa.

  • Janssen

A Anvisa aprovou por unanimidade o uso emergencial no Brasil da vacina da Janssen, subsidiária da Johnson & Johnson, contra a COVID-19. Trata-se do único no mercado que garante a proteção em uma só dose, o que pode acelerar a imunização. A Santa Casa de Belo Horizonte participou dos testes na fase 3 da vacina da Janssen.

  • Pfizer

A vacina da Pfizer foi rejeitada pelo Ministério da Saúde em 2020 e ironizada pelo presidente Jair Bolsonaro, mas foi a primeira a receber autorização para uso amplo pela Anvisa, em 23/02.

Minas Gerais tem 10 vacinas em pesquisa nas universidades

Como funciona o 'passaporte de vacinação'?

Os chamados passaportes de vacinação contra COVID-19 já estão em funcionamento em algumas regiões do mundo e em estudo em vários países. Sistema de controel tem como objetivo garantir trânsito de pessoas imunizadas e fomentar turismo e economia. Especialistas dizem que os passaportes de vacinação impõem desafios éticos e científicos.


Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus.

 

 

Entenda as regras de proteção contra as novas cepas

[VIDEO4]

 

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.


Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade