Publicidade

Estado de Minas REVACINAÇÃO

Prefeitura de Viçosa ajuíza ação contra morador que tomou 4 doses de vacina

Por meio da ação civil pública, protocolada na 2ª Vara Cível da Comarca de Viçosa, idoso de 61 anos poderá responder por dano coletivo


13/07/2021 23:09 - atualizado 14/07/2021 11:00

Medida foi anunciada pela Prefeitura Municipal de Viçosa em comunicado nesta terça-feira (13/7)(foto: Google Street View/Reprodução)
Medida foi anunciada pela Prefeitura Municipal de Viçosa em comunicado nesta terça-feira (13/7) (foto: Google Street View/Reprodução)
A Prefeitura Municipal de Viçosa emitiu um comunicado nesta terça-feira (13/7) informando que ajuizou uma ação civil pública contra um morador do município, de 61 anos, que tomou quatro doses de vacinas contra a COVID-19.
 
Agora, com a medida protocolada na 2ª Vara Cível da Comarca de Viçosa, o idoso poderá responder por dano coletivo.
 
Na quarta-feira (7/7), conforme noticiado pelo Estado de Minas, a administração municipal já havia encaminhado uma denúncia ao Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) para que o morador fosse responsabilizado criminalmente.
 
O procurador-geral do município, Adriano de Castro Antônio, informa, via assessoria, que “todos os casos similares sofrerão a mesma resposta jurídica, uma vez que a população enfrenta uma situação de calamidade decorrente de uma pandemia sem precedentes em todo o planeta.”
 
Conforme a prefeitura, os cidadãos que tentarem escolher a marca do imunizante – e recusarem a aplicação da vacina disponível no posto – deverão assinar um termo de consentimento abrindo mão de sua vez na vacinação. O protocolo de atendimento, segundo a administração, já foi repassado à equipe de imunização.
 
Entenda o caso
 
Na semana passada, a prefeitura do município informou que o idoso, após tomar duas doses da CoronaVac em Viçosa, viajou e recebeu outra aplicação, dessa vez da AstraZeneca, no Rio de Janeiro.
 
Ao voltar para Viçosa, o homem compareceu novamente a uma unidade de saúde e obteve outra vacinação. No entanto, ao informar que teria perdido sua data de nascimento e apresentar apenas o CPF, a irregularidade foi constatada pelos servidores da prefeitura.
 
MPMG pede R$ 2 milhões de reparação a casal que tomou três doses
 
O Estado de Minas também mostrou nessa segunda-feira (12/7) que o MPMG ajuizou uma ação civil pública de reparação por danos moral, social e coletivo contra um casal que recebeu três doses de vacina contra a COVID-19. O Ministério Público pede R$ 2 milhões como forma de reparação.
 
Outros registros de revacinação também aconteceram em cidades do interior de Minas, como em Juiz de Fora, Rio Novo e Chácara. Diante da recorrência da irregularidade, o MPMG abriu um processo de investigação em todo o estado na tentativa de coibir tais crimes categorizados como estelionato.
 

Leia mais sobre a COVID-19

Confira outras informações relevantes sobre a pandemia provocada pelo vírus Sars-CoV-2 no Brasil e no mundo. Textos, infográficos e vídeos falam sobre sintomasprevençãopesquisa vacinação.
 

Confira respostas a 15 dúvidas mais comuns

Guia rápido explica com o que se sabe até agora sobre temas como risco de infecção após a vacinação, eficácia dos imunizantes, efeitos colaterais e o pós-vacina. Depois de vacinado, preciso continuar a usar máscara? Posso pegar COVID-19 mesmo após receber as duas doses da vacina? Posso beber após vacinar? Confira esta e outras perguntas e respostas sobre a COVID-19.

Veja vídeos explicativos sobre este e outros tema em nosso canal

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade