Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Professores se sentem inseguros para retorno de aulas em escola de Sabará

Escola está em processo de licitação para reforma e professores temem retorno presencial. Alegação é que local não é adequado ao protocolo de combate à COVID-19


08/06/2021 18:22 - atualizado 08/06/2021 20:12

Escola Municipal Professora Irene Pinto está com processo de licitação aberta para reforma(foto: Túlio Santos/EM/D.A Press)
Escola Municipal Professora Irene Pinto está com processo de licitação aberta para reforma (foto: Túlio Santos/EM/D.A Press)
Docentes da Escola Municipal Professora Irene Pinto, no Bairro Borges, em Sabará, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), têm se sentido inseguros quanto ao retorno das aulas presenciais, marcadas para a próxima segunda-feira (14/6).

Alguns professores relatam que a estrutura do local não é adequada aos protocolos de prevenção à COVID-19. A poucos dias da volta às aulas, três servidores que estavam em atendimento presencial foram afastados por testarem positivo para o novo coronavírus.
 
No período entre 30 de maio e 3 de junho, cinco pessoas tiveram sintomas e a Prefeitura de Sabará confirmou que três funcionários testaram positivos para a COVID-19, entre eles a diretora, o vice diretor e uma secretária.

Uma monitora e uma professora seguem afastadas com sintomas gripais, mas com exames negativos para a doença.
 
Por meio da assessoria de comunicação, a Prefeitura de Sabará informou que a orientação aos servidores que apresentarem qualquer sintoma gripal ou que tiverem contato com algum infectado é o afastamento de suas funções. O que imediatamente foi feito na Escola Professora Irene Pinto.
 
Os funcionários da limpeza, da secretaria e as monitoras estão indo trabalhar presencialmente de forma escalonada.

Os professores vão à escola somente no período de entrega de apostilas às famílias, também seguindo uma escala.

O que alguns docentes denunciam é que a estrutura física dessa escola não atende aos protocolos de biossegurança para um retorno presencial em meio a uma pandemia.
 
“Sobre o banheiro, até poucos dias a descarga não estava funcionando. As janelas são todas de basculante, o que impede uma boa circulação de ar. Nenhuma sala está adequada. Eu já tive curto circuito em minha sala em período de aula com crianças e quase pegou fogo com todos lá dentro. Em período de chuva, já dei aula com balde dentro da sala porque pingava e molhava tudo. Na área da merenda, tem parede descascando e caindo reboco”, disse uma professora que não quis se identificar e que pontuou, também, sobre o receio.
 
“A Prefeitura de Sabará não apresentou pra gente uma proposta adequada para este retorno. Isso está gerando insegurança não só nos professores como também nas famílias. Estou atendendo de forma remota e algumas me disseram que não enviarão as crianças porque não se sentem seguras. Elas conhecem a escola há anos e sabem dos problemas, não há confiança”.
 
Uma outra docente questionou o modo de atendimento entre as turmas. “A proposta é de que eu atenda duas turmas, sendo 10 alunos uma semana e 10 na semana seguinte. É incoerente porque cada professor deveria ficar apenas com uma bolha para o caso de alguém testar positivo”.  

A professora relata, ainda, que a escola atende a educação infantil, mas nenhum dos quatro banheiros existentes tem pia apropriada para o tamanho das crianças.

Um morador, vizinho da escola, disse à reportagem que o local se parece mais com uma penitenciária.  
Como medida paliativa para o retorno das aulas presenciais, alguns vidros serão removidos dos basculantes para garantir a circulação de ar no ambiente(foto: Túlio Santos/EM/D.A Press)
Como medida paliativa para o retorno das aulas presenciais, alguns vidros serão removidos dos basculantes para garantir a circulação de ar no ambiente (foto: Túlio Santos/EM/D.A Press)
 
 

Prefeitura vacinou 100% dos profissionais da Educação

A Prefeitura de Sabará concluiu a vacinação dos profissionais da Educação, com exceção apenas dos que contraíram a COVID-19 nos últimos 30 dias e, segundo protocolo, não podem receber a imunização neste período.

Somente nessa segunda-feira (7/6), foram mais de mil vacinas aplicadas neste grupo.
 
Segundo a assessoria de comunicação, o retorno presencial se dará apenas a servidores saudáveis, os com comorbidades ainda permanecerão afastados.
 
“A decisão de imunizar todos, inclusive aqueles que não retornarão às salas de aula neste momento, foi tomada em conjunto para garantir uma maior segurança, sobretudo psicológica. As reformas das escolas são medidas constantes. É algo que acontece todo dia, pois são prédios em constante uso, por onde passam centenas de pessoas todos os dias. Não estamos ignorando as necessidades de reparos, de manutenção, de adequação, mas nos esforçando para que todos os ambientes estejam prontos para receber as crianças que estão abandonadas, sendo exploradas, abusadas, sem o devido aprendizado, acompanhamento pedagógico e acolhimento por parte dos profissionais da Educação. As tragédias causadas pela pandemia nas vidas das nossas crianças precisam ser minimizadas, urgentemente”, ressaltou a secretária municipal da Educação, Fernanda Silveira.
 

Licitação para reforma já está em andamento

Para a reforma da Escola Professora Irene Pinto, uma licitação já está em andamento. Segundo a prefeitura, as janelas serão substituídas por folhas de correr, no intuito de melhorar a ventilação.

No momento, as janelas são basculantes e, como medida paliativa para o retorno das aulas presenciais, alguns vidros serão removidos para garantir a circulação de ar no ambiente.
 
Sobre os banheiros, a prefeitura informou que de imediato passaram por reparos hidráulicos, com substituição de torneiras e válvulas de descarga.

Outros serviços hidrossanitários serão realizados nas próximas semanas, o que não compromete o atendimento dos estudantes.
 
“A licitação para uma reforma completa está em andamento, publicada no site da Prefeitura de Sabará no prazo legal de 15 dias corridos a contar de hoje (8/6), com previsão de manutenção geral das redes hidráulicas e elétricas, revitalização da pintura interna e externa da instituição, substituição do piso por um antiderrapante e piso tátil, reforma de telhado e quadra, substituição de algumas janelas, portas e implementação de jardim.
 
Ressalta-se que, neste momento, estamos adequando as escolas para receber os alunos de forma híbrida, seguindo todos os protocolos de distanciamento, higienização frequente dos ambientes e das mãos com a instalação de novos lavatórios e disponibilização de dispensers de álcool em gel 70%. Os alunos serão recebidos por estudantes de enfermagem e medicina, que serão os responsáveis por conduzir os alunos com algum sintoma suspeito para a sala de isolamento”, informa nota da Prefeitura de Sabará.


Vacinas contra COVID-19 usadas no Brasil

  • Oxford/Astrazeneca

Produzida pelo grupo britânico AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford, a vacina recebeu registro definitivo para uso no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). No país ela é produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

  • CoronaVac/Butantan

Em 17 de janeiro, a vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan no Brasil, recebeu a liberação de uso emergencial pela Anvisa.

  • Janssen

A Anvisa aprovou por unanimidade o uso emergencial no Brasil da vacina da Janssen, subsidiária da Johnson & Johnson, contra a COVID-19. Trata-se do único no mercado que garante a proteção em uma só dose, o que pode acelerar a imunização. A Santa Casa de Belo Horizonte participou dos testes na fase 3 da vacina da Janssen.

  • Pfizer

A vacina da Pfizer foi rejeitada pelo Ministério da Saúde em 2020 e ironizada pelo presidente Jair Bolsonaro, mas foi a primeira a receber autorização para uso amplo pela Anvisa, em 23/02.

Minas Gerais tem 10 vacinas em pesquisa nas universidades

Como funciona o 'passaporte de vacinação'?

Os chamados passaportes de vacinação contra COVID-19 já estão em funcionamento em algumas regiões do mundo e em estudo em vários países. Sistema de controel tem como objetivo garantir trânsito de pessoas imunizadas e fomentar turismo e economia. Especialistas dizem que os passaportes de vacinação impõem desafios éticos e científicos.


Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus.

 

 

Entenda as regras de proteção contra as novas cepas

[VIDEO4]

 

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.


Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade