Publicidade

Estado de Minas ALERTA VERMELHO

Ocupação de UTIs COVID cai em BH, mas permanece em nível de alerta

Taxa de lotação dos leitos intensivos reservados ao atendimento da COVID foi de 89,5% para 85,9%; também houve ligeira queda no índice de transmissão do vírus


04/06/2021 20:51 - atualizado 04/06/2021 21:10

UTI da Santa Casa de Misericórdia, em Belo Horizonte. Ocupação de leitos intensivos em BH voltou ao nível de alerta(foto: DOUGLAS MAGNO/AFP)
UTI da Santa Casa de Misericórdia, em Belo Horizonte. Ocupação de leitos intensivos em BH voltou ao nível de alerta (foto: DOUGLAS MAGNO/AFP)
A ocupação dos leitos de UTI para pacientes com COVID-19 em Belo Horizonte apresentou ligeira queda nas últimas 48 horas. Segundo o boletim epidemiológico da prefeitura, divulgado na noite desta sexta-feira (4/6), o percentual de uso das vagas do SUS é de 85,9%. 


O índice geral de ocupação, incluindo leitos públicos e privados, é de 80,5%, contra 82,7% do boletim anterior. 

A transmissão do vírus também sofreu decréscimo. De acordo com o informe da PBH, o número médio de transmissão por infectado (RT) é de 0,95 nesta sexta (4/6), ante 0,97, número registrado há dois dias. 

Na prática, isso quer dizer que, no patamar atual, cada 100 infectados pelo Sars-COV-2 contaminam outras 95 pessoas.

A ocupação das vagas de enfermaria também caiu. Agora, há 61,3% leitos ocupados. No balanço passado, eram 63,9%. 

A capital mineira registra, até o momento, 5.182 vítimas da COVID-19 - acréscimo de 30 desde o dia 2 de junho.
 
Os casos confirmados somam 212.178. Os recuperados, 199.270, enquanto 7.726 pacientes estão em acompanhamento. 

Vacinação

Cerca de 876,3 mil moradores da capital mineira (43%) receberam a primeira dose da vacina contra o novo coronavírus. A segunda dose foi aplicada em aproximadamente 399,4 mil pessoas (19,6%). 

O grupo contempla idosos com 60 anos ou mais, pessoas com comorbidades, beneficiários do Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social (BPC), gestantes, puérperas (parto há 45 dias), forças de segurança e salvamento, funcionários do sistema prisional e trabalhadores da educação.

Minas

Desde o ínicio da pandemia, o novo coronavírus tirou 41.418 vidas em Minas Gerais - 248 nas últimas 24 horas. Em todo o estado, há 1.610.983 doentes. Destes, 5.958 foram infectados de quinta (3/6) para sexta-feira (4/6). 

Os números são da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG). 

Ainda segundo a pasta, os recuperados somam 1.477.442. Outros 92.123 pacientes estão sob acompanhamento. 
 


Vacinas contra COVID-19 usadas no Brasil

  • Oxford/Astrazeneca

Produzida pelo grupo britânico AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford, a vacina recebeu registro definitivo para uso no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). No país ela é produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

  • CoronaVac/Butantan

Em 17 de janeiro, a vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan no Brasil, recebeu a liberação de uso emergencial pela Anvisa.

  • Janssen

A Anvisa aprovou por unanimidade o uso emergencial no Brasil da vacina da Janssen, subsidiária da Johnson & Johnson, contra a COVID-19. Trata-se do único no mercado que garante a proteção em uma só dose, o que pode acelerar a imunização. A Santa Casa de Belo Horizonte participou dos testes na fase 3 da vacina da Janssen.

  • Pfizer

A vacina da Pfizer foi rejeitada pelo Ministério da Saúde em 2020 e ironizada pelo presidente Jair Bolsonaro, mas foi a primeira a receber autorização para uso amplo pela Anvisa, em 23/02.

Minas Gerais tem 10 vacinas em pesquisa nas universidades

Como funciona o 'passaporte de vacinação'?

Os chamados passaportes de vacinação contra COVID-19 já estão em funcionamento em algumas regiões do mundo e em estudo em vários países. Sistema de controel tem como objetivo garantir trânsito de pessoas imunizadas e fomentar turismo e economia. Especialistas dizem que os passaportes de vacinação impõem desafios éticos e científicos.


Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus.

 

 

Entenda as regras de proteção contra as novas cepas


 

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.


Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade