Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Transmissão do coronavírus alcança maior taxa desde 1º de abril em BH

Ocupação dos leitos de enfermaria para pacientes com COVID-19 chegou ao maior nível desde 16 abril. Capital bate marca de 200 mil casos


24/05/2021 18:31 - atualizado 24/05/2021 19:30

Atual situação da pandemia em BH(foto: Janey Costa/EM/D.A Press )
Atual situação da pandemia em BH (foto: Janey Costa/EM/D.A Press )

 

Um mês e dois dias depois de permitir a reabertura do comércio não essencial, Belo Horizonte assiste à nova alta dos indicadores da COVID-19. Nesta segunda (24/5), a taxa de transmissão do novo coronavírus bateu a marca de 1,05 – o maior nível desde 1º de abril, quando a capital ainda estava fechada.

 

 

 

Em comparação ao boletim anterior, o chamado fator RT saiu de 1 para 1,05. Portanto, permanece na zona de alerta da escala de risco, entre 1 e 1,2.

A estatística mede a velocidade do contágio pela doença na cidade. No patamar atual, 105 pessoas se tornam vítimas da pandemia a cada 100 casos confirmados na capital, em média.

 

 

 

Outro indicador fundamental, a ocupação dos leitos de enfermaria para pacientes infectados pelo novo coronavírus saiu de 61,8% para 62,4%. Essa é a maior taxa de uso desde 16 de abril, quando a prefeitura informou um percentual de 63,5.

Apesar da alta, as enfermarias continuam no nível intermediário da escala de risco, entre 50 e 70 pontos porcentuais. Isso acontece desde 12 de abril.

 

 

 

BH dispõe de 1.989 leitos do tipo no momento. Desses, 1.241 estão em uso e 748 vagos para receber mais pacientes.

Quanto à situação das unidades de terapia intensiva, BH praticamente está no mesmo patamar do boletim anterior. A ocupação sofreu leve queda de 79,6% para 79,5%.

Por isso, a taxa permanece na zona crítica da escala de risco, acima dos 70%. Isso acontece desde 26 de fevereiro. São 60 balanços consecutivos.

No cenário atual, a capital mineira oferta 1.039 leitos de UTI. Desses, 826 estão ocupados e 213 sem pacientes. O quadro é mais crítico na rede pública, onde a taxa de uso é de 87% (483 dos 555, sobrando apenas 72).

Casos e mortes


Mesmo com alta nos indicadores, BH tem escolas infantis abertas desde abril(foto: Jair Amaral/EM/D.A Press - 03/05/2021)
Mesmo com alta nos indicadores, BH tem escolas infantis abertas desde abril (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press - 03/05/2021)
 
 
Belo Horizonte ultrapassou, nesta segunda, a marca de 200 mil casos de COVID-19. No total, são 201.030: 4.921 mortes, 7.610 em acompanhamento e 188.499 recuperados.

A quantidade de vidas perdidas para a infecção do coronavírus aumentou em 23 desde o balanço anterior. São 592 óbitos somente em maio – a segunda maior quantidade de um único mês desde o início da pandemia, atrás apenas de abril.  

Vacinação


Belo Horizonte vacinou 757.448 pessoas contra a COVID-19 com a primeira dose até esta segunda. Outras 368.792 já receberam a segunda.

Portanto, a capital mineira vacinou 37,2% do seu público-alvo com a primeira injeção. Por outro lado, 18,1% desse mesmo contingente completou o esquema vacinal.

Segundo números da prefeitura, 7.135 profissionais e moradores de asilos e residências terapêuticas públicos já tomaram a primeira dose do imunizante.

Além deles, 169.603 trabalhadores da saúde, 14.440 servidores da segurança pública, 455.090 idosos acima de 60 anos e 111.180 pessoas do grupo de risco, gestantes e puérperas receberam a injeção.

A cidade recebeu 1.516.985 imunizantes para se proteger da COVID-19 até esta segunda: 808.565 da CoronaVac (Sinovac/Butantan), 545.676 da AstraZeneca (Oxford/Fiocruz) e 162.744 da Comirnaty (Pfizer).

Nesta terça (25/5), a cidade volta a aplicar a segunda dose da CoronaVac nos trabalhadores da saúde entre 42 e 39 anos. A imunização vai das 7h30 às 16h30 nos postos de saúde listados no site da prefeitura (clique aqui para acessar).


Nos drive-thrus, as doses são aplicadas entre 8h e 16h30. É preciso levar documento de identidade, CPF e o cartão de vacinação para comprovar o recebimento da primeira injeção.

Além deles, a PBH vacina os adultos entre 18 e 48 com fator de risco nesta terça.

 


Vacinas contra COVID-19 usadas no Brasil

  • Oxford/Astrazeneca

Produzida pelo grupo britânico AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford, a vacina recebeu registro definitivo para uso no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). No país ela é produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

  • CoronaVac/Butantan

Em 17 de janeiro, a vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan no Brasil, recebeu a liberação de uso emergencial pela Anvisa.

  • Janssen

A Anvisa aprovou por unanimidade o uso emergencial no Brasil da vacina da Janssen, subsidiária da Johnson & Johnson, contra a COVID-19. Trata-se do único no mercado que garante a proteção em uma só dose, o que pode acelerar a imunização. A Santa Casa de Belo Horizonte participou dos testes na fase 3 da vacina da Janssen.

  • Pfizer

A vacina da Pfizer foi rejeitada pelo Ministério da Saúde em 2020 e ironizada pelo presidente Jair Bolsonaro, mas foi a primeira a receber autorização para uso amplo pela Anvisa, em 23/02.

Minas Gerais tem 10 vacinas em pesquisa nas universidades

Como funciona o 'passaporte de vacinação'?

Os chamados passaportes de vacinação contra COVID-19 já estão em funcionamento em algumas regiões do mundo e em estudo em vários países. Sistema de controel tem como objetivo garantir trânsito de pessoas imunizadas e fomentar turismo e economia. Especialistas dizem que os passaportes de vacinação impõem desafios éticos e científicos.


Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus.

 

 

Entenda as regras de proteção contra as novas cepas


 

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.


Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade