Publicidade

Estado de Minas

Preso traficante foragido que fez cirurgias plásticas para não ser reconhecido

Líder do tráfico no Aglomerado da Serra fez implante capilar e emagreceu 20 quilos na tentativa de não ser encontrado pela polícia


postado em 10/07/2019 13:35 / atualizado em 10/07/2019 15:01

Acusado de tráfico de drogas, João Batista da Silva realizou cirurgias plásticas, implante capilar e emagreceu 20 quilos(foto: Polícia Civil/Divulgação)
Acusado de tráfico de drogas, João Batista da Silva realizou cirurgias plásticas, implante capilar e emagreceu 20 quilos (foto: Polícia Civil/Divulgação)

Um traficante que tentou ludibriar a polícia fazendo cirurgias plásticas, foi preso e apresentado pela Polícia Civil nesta quarta-feira. Segundo a polícia, João Batista da Silva, de 45 anos, conhecido como “Gigante” era um dos líderes do tráfico de drogas no Aglomerado da Serra, Região Centro-Sul de Belo Horizonte e estava foragido há dois anos. 

Ele foi preso há três semanas, em Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, após sete meses de investigação. João Batista tinha dois mandados de prisão em aberto. Um mandado por condenação e outro por recaptura. 

O acusado tentou se desvencilhar da investigação para permanecer foragido, fez várias cirurgias plásticas no rosto, implante capilar, além de emagrecer mais de 20 quilos com o intuito de não ser reconhecido pela polícia.

O delegado Rafael Horácio, responsável pelo caso, afirmou que “Gigante” já havia sido condenado a cumprir nove anos de reclusão por associação ao tráfico de drogas e tráfico interestadual. Ele chegou a ser preso mas não voltou ao presídio depois de uma saída temporária.

As investigações apontam que Batista teria usado esse tempo para realizar as modificações no corpo, embora ele negue as acusações. “Ele não reconhece que fez cirurgias plásticas, mas aparenta ser uma pessoa mais jovem, é notória as mudanças”, afirmou o delegado.

A polícia ainda investiga se “Gigante” tem ligação com um assassinato na região do Aglomerado da Serra em 2010. “Ele é considerado um indivíduo de extrema periculosidade, suspeito de ser o mandante de um homicídio. É também considerado um dos cabeças do tráfico naquela região”, disse Horácio.

A polícia afirmou que ele foi abordado em um veículo de luxo. Dentro do carro, tinha uma mala com roupas que ele usaria a qualquer momento caso precisasse fugir.

A clínica em que o traficante fez as cirurgias plásticas também será investigada para apurar se existe a possibilidade de Batista ter comparsas. Com ele foram apreendidos dois celulares, um tablet, e o carro que dirigia.


* Estagiária sob supervisão da subeditora Ellen Cristie. 


Publicidade