Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

'Irresponsabilidade do Ministério da Saúde', diz Kalil sobre segunda dose

Idosos de BH aguardam segunda dose da vacina contra COVID-19, que deveria ser aplicada na última segunda-feira


06/05/2021 13:06 - atualizado 06/05/2021 14:55

Alexandre Kalil durante entrevista coletiva na manhã desta quinta-feira, em Belo Horizonte(foto: Gladyston Rodrigues/EM/DA Press)
Alexandre Kalil durante entrevista coletiva na manhã desta quinta-feira, em Belo Horizonte (foto: Gladyston Rodrigues/EM/DA Press)
atraso na aplicação da segunda dose da vacina contra a COVID-19 nas pessoas entre 67 e 64 anos em Belo Horizonte é de responsabilidade do Ministério da Saúde, segundo o prefeito Alexandre Kalil (PSD). O chefe do Executivo municipal afirmou que a cidade seguiu uma orientação irresponsável do governo federal, que garantiu a disponibilidade do imunizante.


A segunda dose da vacina contra o coronavírus para esse grupo, que comporta cerca de 27 mil idosos, deveria ter sido aplicada desde a última segunda-feira (03/05). Kalil disse que, nos primeiros momentos, a prefeitura não seguiu a recomendação de não se guardar a segunda dose, o que garantiu a imunização mais rápida de pessoas mais velhas.

"É uma explicação muito simples, não precisa de nenhum médico dar explicação, porque ela é matemática. Nós recebemos um ofício do Ministério da Saúde, um ofício, um documento oficial do Ministério da Saúde, que todo mundo está acompanhando que vem em lotes. Um, dois, três, quatro, cinco, seis, sete, oito. E agora já deve ter chegado no 9º, 10º, 11º, vem a conta gotas mas vem. Recebemos o primeiro ofício que era para aplicar tudo, recebemos uma ordem: ‘Olha, pode aplicar tudo’. Não obedecemos, guardamos uma parte”, afirmou o prefeito.

Em seguida, Kalil disse que a Prefeitura de BH seguiu o documento oficial, de se vacinar sem preservar a segunda dose, o que segundo ele desencadeou essa falta. Contudo, segundo o prefeito, o ritmo não sofreu atraso e a ordem deve ser retomada a partir da próxima segunda-feira (10/5).

“Recebemos um documento oficial, que o lote sete, sétimo e oitavo lotes, eram para aplicar todas as doses. Então, nós entendemos, que era um documento responsável e fizemos isso. E acredito que no início da semana que vem nós devemos estar voltando a aplicar a segunda dose, que não há problema de atraso de uma semana, de sete dias. O ideal era que o documento fosse responsável, e nós não recebemos um documento oficial responsável. É isso que ninguém fala, é isso que querem jogar nas costas, como se já tem pouca coisa para fazer, do secretário de Saúde e da Prefeitura de Belo Horizonte”, concluiu.
 

Atraso ‘sem prejuízo’, diz secretário


Jackson Machado afirmou que não há grandes problemas em um atraso de até 21 dias(foto: Gladyston Rodrigues/EM/DA Press)
Jackson Machado afirmou que não há grandes problemas em um atraso de até 21 dias (foto: Gladyston Rodrigues/EM/DA Press)
Secretário de Saúde da capital mineira, Jackson Machado pediu calma ao grupo que está com a segunda dose da vacina, a CoronaVac, atrasada. Segundo o médico, não há prejuízo na efetividade do imunizante com uma demora de até 21 dias.

“O atraso de até 21 dias, segundo o Ministério da Saúde, não traz prejuízo ao desenvolvimento da imunidade que a vacina causa. Então, não há prejuízo em se aguardar mais uns dias. Então, não há necessidade de as pessoas ficarem angustiadas, telefonando, procurando centro de saúde”, disse Jackson.

Jackson também diz que não há necessidade de as pessoas se aglomerarem por conta da vacinação. Nessa quarta-feira (05/05), começou a vacinação para profissionais de saúde a partir dos 18 anos, o que encheu posto de saúde e demais centros de vacinação.

“Quando a Prefeitura de Belo Horizonte, através da Secretaria Municipal de Saúde, inclui um grupo etário para vacinar é porque temos todas as doses para completar aquele grupo. Ontem (quarta-feira), nós vimos aí uma superlotação nos nossos postos de vacinação, a ansiedade das pessoas as leva a procurar centro de saúde no primeiro dia, o posto de vacinação no primeiro dia, mas as vacinas começam a ser aplicadas naquele grupo aquele dia. Não há necessidade de as pessoas se aglomerarem, chegarem 6h da manhã, fazerem fila de três horas para vacinar.” 
 

O que é um lockdown?

Saiba como funciona essa medida extrema, as diferenças entre quarentena, distanciamento social e lockdown, e porque as medidas de restrição de circulação de pessoas adotadas no Brasil não podem ser chamadas de lockdown.


Vacinas contra COVID-19 usadas no Brasil

  • Oxford/Astrazeneca

Produzida pelo grupo britânico AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford, a vacina recebeu registro definitivo para uso no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). No país ela é produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

  • CoronaVac/Butantan

Em 17 de janeiro, a vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan no Brasil, recebeu a liberação de uso emergencial pela Anvisa.

  • Janssen

A Anvisa aprovou por unanimidade o uso emergencial no Brasil da vacina da Janssen, subsidiária da Johnson & Johnson, contra a COVID-19. Trata-se do único no mercado que garante a proteção em uma só dose, o que pode acelerar a imunização. A Santa Casa de Belo Horizonte participou dos testes na fase 3 da vacina da Janssen.

  • Pfizer

A vacina da Pfizer foi rejeitada pelo Ministério da Saúde em 2020 e ironizada pelo presidente Jair Bolsonaro, mas foi a primeira a receber autorização para uso amplo pela Anvisa, em 23/02.

Minas Gerais tem 10 vacinas em pesquisa nas universidades

Como funciona o 'passaporte de vacinação'?

Os chamados passaportes de vacinação contra COVID-19 já estão em funcionamento em algumas regiões do mundo e em estudo em vários países. Sistema de controel tem como objetivo garantir trânsito de pessoas imunizadas e fomentar turismo e economia. Especialistas dizem que os passaportes de vacinação impõem desafios éticos e científicos.


Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus.

 

 

Entenda as regras de proteção contra as novas cepas


 

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.


Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade