Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

CDL/BH esperava que comércio fosse liberado já nesta terça-feira (20/4)

Entidade lamentou o fato de que a reabertura em BH será somente a partir de quinta-feira, enquanto em cidades vizinhas o comércio já está funcionando


19/04/2021 17:38 - atualizado 19/04/2021 20:11

Comércio não essencial só poderá reabrir na capital mineira a partir de quinta-feira (22/4)(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
Comércio não essencial só poderá reabrir na capital mineira a partir de quinta-feira (22/4) (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
A Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH) divulgou nota, na tarde desta segunda-feira (19/4) a respeito da reabertura do comércio na capital. O presidente da entidade, Marcelo de Souza e Silva, afirmou que o anúncio já era esperado, mas ficou surpreso que as medidas começam a valer apenas a partir de quinta-feira (22/04). 

“O que surpreendeu foi não ser permitido já amanhã, uma vez que o comércio está reaberto em várias cidades vizinhas de Belo Horizonte. Lamentamos que após 13 meses de pandemia ainda não haja uma ação sintonizada entre os municípios”, disse.

No sábado (17/4) passado, algumas cidades da região metropolitana flexibilizaram as medidas de restrição, com a reabertura dos serviços não essenciais, além de outras atividades.

As decisões ocorreram após o governador Romeu Zema (Novo) determinar, na sexta-feira (16/4), que a Grande BH regredisse para onda vermelha do Programa Minas Consciente, determinado pelo governos estadual para gerir as atividades econômicas durante a pandemia de COVID-19. 

Souza e Silva destacou que os lojistas vão reabrir seguindo todos os protocolos de segurança contra o novo coronavírus

“O mais importante é tranquilizar a população que o comércio está fazendo sua parte. Os estabelecimentos vão voltar a funcionar respeitando todos os protocolos. Disponibilizando álcool em gel, exigindo o uso de máscara e evitando aglomerações. O comércio está absolutamente preparado e consciente para atender ao consumidor de forma segura e responsável”, completou.

O presidente lembrou, ainda, das ações que a entidade tem feito para ajudar no combate à doença.  

“A CDL/BH realizou mais uma ação para salvar vidas. Nossa entidade doou para hospitais filantrópicos da capital e para as prefeituras de Belo Horizonte, Nova Lima e Santa Luzia 100 capacetes Elmo, equipamento que ajuda no tratamento dos pacientes de COVID-19 e que reduz em até 60% as internações em leitos de UTI”, finalizou. 

Fecomércio considera positiva a retomada gradual 


A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio-MG) se mostrou favorável à reativação gradual e segura das atividades econômicas na capital. 

Segundo a entidade, a decisão é imprescindível para os empresários e a sociedade, que precisam manter empresas e empregos em Belo Horizonte.

“Caso a decisão da PBH caminhasse no sentido oposto, a situação do comércio de bens, serviços e turismo na cidade se agravaria, penalizando o empresário, que não conseguiria mais arcar com suas obrigações financeiras.”

Para a federação, os indicadores de trabalho e emprego geram preocupação no setor. Entre março de 2020 e fevereiro de 2021, 24.545 negócios foram fechados na capital mineira, de acordo com dados do Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ).

Nesse mesmo período, Belo Horizonte acumulou deficit de 7.779 empregos com carteira assinada, como mostra o último relatório do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

Além disso, com um ano de pandemia, o indicador que mede a confiança dos empresários na capital reduziu 40,8 pontos percentuais (p.p.), saindo de 127,5 pontos, em março de 2020, para 86,7 em março de 2021.

Apesar de ações para fomentar as vendas – como a adoção de e-commerce e de protocolos de higiene por todo o comércio –, o empresário ainda está cauteloso, pois não há previsão quanto ao retorno total das atividades econômicas em BH, diz a federação.

A entidade ressalta, ainda, que segue orientando os empresários, por meio de campanhas de conscientização ao combate da COVID-19.

“Essas medidas, associadas aos esforços pela vacinação contra o novo coronavírus, são fundamentais para a retomada da confiança de empresários e consumidores, condição fundamental para se vislumbrar o futuro da economia de Belo Horizonte durante e após o fim da pandemia.”
 

Comércio reaberto na quinta-feira 


O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), anunciou na tarde desta segunda-feira (19/4) a redução das medidas restritivas contra a COVID-19 e a abertura das atividades comerciais na cidade a partir de quinta-feira (22/4), com o funcionamento de serviços considerados não essenciais. 

Durante a coletiva realizada na sede da prefeitura, Kalil afirmou que ''não há nenhum município em condição espetacular, melhor que a nossa cidade."

*Estagiária sob supervisão da subeditora Kelen Cristina


O que é um lockdown?

Saiba como funciona essa medida extrema, as diferenças entre quarentena, distanciamento social e lockdown, e porque as medidas de restrição de circulação de pessoas adotadas no Brasil não podem ser chamadas de lockdown.


Vacinas contra COVID-19 usadas no Brasil

  • Oxford/Astrazeneca

Produzida pelo grupo britânico AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford, a vacina recebeu registro definitivo para uso no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). No país ela é produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

  • CoronaVac/Butantan

Em 17 de janeiro, a vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan no Brasil, recebeu a liberação de uso emergencial pela Anvisa.

  • Janssen

A Anvisa aprovou por unanimidade o uso emergencial no Brasil da vacina da Janssen, subsidiária da Johnson & Johnson, contra a COVID-19. Trata-se do único no mercado que garante a proteção em uma só dose, o que pode acelerar a imunização. A Santa Casa de Belo Horizonte participou dos testes na fase 3 da vacina da Janssen.

  • Pfizer

A vacina da Pfizer foi rejeitada pelo Ministério da Saúde em 2020 e ironizada pelo presidente Jair Bolsonaro, mas foi a primeira a receber autorização para uso amplo pela Anvisa, em 23/02.

Minas Gerais tem 10 vacinas em pesquisa nas universidades

Como funciona o 'passaporte de vacinação'?

Os chamados passaportes de vacinação contra COVID-19 já estão em funcionamento em algumas regiões do mundo e em estudo em vários países. Sistema de controel tem como objetivo garantir trânsito de pessoas imunizadas e fomentar turismo e economia. Especialistas dizem que os passaportes de vacinação impõem desafios éticos e científicos.


Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus.

 

 

Entenda as regras de proteção contra as novas cepas



 

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.


Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:





receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade