Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

COVID-19: alívio da vacina, mas com aglomeração preocupante

Profissionais de saúde vacinados em BH comemoram a imunização, mas demonstram preocupação com afastamento no momento da aplicação


27/03/2021 13:10 - atualizado 27/03/2021 15:06

Ângela Maria Fantoni com o marido David Miranda, ambos dentistas(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A.Press)
Ângela Maria Fantoni com o marido David Miranda, ambos dentistas (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A.Press)
Os olhos marejados denunciam a emoção da dentista Angela Maria Fantoni, de 63 anos, ao tomar a primeira dose da AstraZeneca neste sábado (27/03). Essa emoção se misturou à preocupação com aglomerações, entre os profissionais de saúde com mais de 60 anos que começaram a se vacinar em Belo Horizonte depois de primeiro cadastro.

"Emocionada demais. Esperei bastante tempo. Nossa profissão é muito difícil, a gente corre muito risco. Para se proteger, a gente tá trabalhando como um robô", disse a segunda profissional de saúde a chegar na fila, por volta das 6h, no Centro de Especialidades Médicas da Santa Casa de Belo Horizonte, Bairro Santa Efigênia, Região Leste da capital.

A expectativa agora é para a segunda dose, agendada para junho, respeitando o intervalo recomendado pela fabricante de Oxford. Angela conta que o processo de vacinação foi tranquilo, mas confirmou que havia muita gente dentro da unidade. “Lá dentro está uma ‘aglomeraçãozinha’.  O espaço é grande, inclusive, mas tá bem cheio”, conta Angela.

Ela foi acompanhada do marido, o também dentista David Miranda, de 63. Ele já tomou a primeira dose da Astrazenica em Itaúna, na Região Centro-Oeste de Minas, onde trabalha.

Em resposta ao EM, a Prefeitura de BH admitiu que no início da manhã houve grande procura no local, inclusive antes do horário previsto para iniciar a vacinação e informou que "equipes da Secretaria Municipal de Saúde estiveram no posto prestando apoio. A vacinação acontece normalmente". 

Vacina já

A ansiedade é tão grande para o técnico de enfermagem João Moreira da Silva, de 63, que ele queria uma vacina em dose única. “Estou na espera há tempos por essa vacina. Uma pena que é duas doses, tinha que ser uma”, diz o profissional que trabalha em posto de saúde e precisou ficar afastado pela idade e por comorbidades.

João Moreira(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A.Press)
João Moreira (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A.Press)


“Ainda estou com medo da pandemia. Estou louco para voltar a trabalhar, não aguento mais ficar em casa. Hoje é um alívio, estou doido para chegar a segunda dose.”

A última da fila, a psicóloga e psicopedagoga Ana Célia Gomes de Oliveira, de 62, disse que não se importa se demorar o atendimento. “Está tranquilo, estou sem medo de demorar”, afirma. “É uma boa expectativa saber que a população já está tendo acesso à vacina. A gente torce que vá tendo mais pessoas de todas as idades e profissões.”

Ana Célia(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A.Press)
Ana Célia (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A.Press)

Em outra unidade

Na Unidade de Referência Secundária (URS) Sagrada Família, na Região Leste de BH, o movimento era tranquilo e sem filas por volta das 11h. O dentista Paulo Renato Becattini, de 61, não gastou mais de 10 minutos entre chegada e saída do posto. “O atendimento foi ótimo, as pessoas agradáveis e educadas”, conta.

Unidade de Referência Secundária (URS) Sagrada Família, Região Leste de BH(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A.Press)
Unidade de Referência Secundária (URS) Sagrada Família, Região Leste de BH (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A.Press)


A próxima dose foi agendada para o dia 22 de junho. “Queria que fosse a CoronaVac, essa a gente espera um pouco mais, né?”, comenta Paulo. “Mas estou numa alegria danada, feliz demais, está sendo o melhor dia do último ano. Agora é continuar cuidando por mim, pelos pacientes que a gente atende e pela família.”

Dentista Paulo Renato Becattini, de 61 anos(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A.Press)
Dentista Paulo Renato Becattini, de 61 anos (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A.Press)


Neste posto, a reportagem recebeu informação de que havia um lote de vacina em outra unidade (não foi especificada qual) próximo do vencimento que não havia sido utilizado até a manhã deste sábado. A ordem da chefia no local era que fosse utilizado esse lote para não perder os imunizantes.
Em nota, a Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, informou que mantém um monitoramento criterioso das vacinas, “no que diz respeito não só à validade, mas também às condições em que devem ser armazenadas e aplicadas.”

“A prefeitura tem priorizado a aplicação das doses da vacina, cujas datas de vencimento estão mais próximas, de forma a evitar a perda dos imunizantes”, respondeu.

Neste sábado, dia 27, estão sendo utilizadas doses da vacina Astrazeneca para profissionais de saúde acima de 60 anos e cadastrados no portal da Prefeitura, e da Coronavac em idosos de 72 anos. A prefeitura garante que todas as doses utilizadas estão dentro do prazo de validade.

O que é o coronavírus

Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.
Vídeo: Por que você não deve espalhar tudo que recebe no Whatsapp



Como a COVID-19 é transmitida?


A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Vídeo: Pessoas sem sintomas transmitem o coronavírus?



Como se prevenir?


A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.
Vídeo: Flexibilização do isolamento não é 'liberou geral'; saiba por quê



Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus.

 

Vídeo explica porque você deve aprender a tossir

Mitos e verdades sobre o vírus


Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Coronavírus e atividades ao ar livre: vídeo mostra o que diz a ciência

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade