Publicidade

Estado de Minas ASSISTÊNCIA COMPROMETIDA

Lagoa da Prata: Medicamentos para intubação devem acabar em menos de 3 dias

Hospital São Carlos pede socorro ao MP e diz que remédios comprados e pagos foram bloqueados pelo Ministério da Saúde


21/03/2021 17:00 - atualizado 21/03/2021 18:24

O hospital recebe pacientes de Lagoa da Prata e outras quatro cidades da microrregião.(foto: Divulgação/Facebook Hospital São Carlos)
O hospital recebe pacientes de Lagoa da Prata e outras quatro cidades da microrregião. (foto: Divulgação/Facebook Hospital São Carlos)
O Hospital São Carlos, de Lagoa da Prata, Região Centro-Oeste de Minas Gerais, tem estoque de Cisatracúrio e Rocurônio - bloqueadores neuromusculares - para menos três dias. Os medicamentos são usados para intubar pacientes, dentre eles aqueles em tratamento contra a COVID-19. O baixo estoque forçou a unidade a encaminhar ao Ministério Público (MP) um pedido de intervenção.

 

No ofício enviado à procuradoria, neste sábado (20/03), a Fundação São Carlos – responsável pela gestão, informou que tinha, até então, em estoque de 240 ampolas de cisatracúrio e 210 de rocurônio. O documento também foi enviado à Secretaria Municipal de Saúde e à Superintendência Regional de Saúde (SRS).

 

 

O hospital alega ter comprado 2 mil ampolas de cisatracúrio, com pagamento antecipado para agilizar a entrega, programada para no máximo até esta segunda-feira (22/03). Porém, nesse sábado (20/03) o fornecedor informou que o Ministério da Saúde bloqueou os lotes destes medicamentos para que a distribuição fosse administrada pelo próprio órgão.

 

Para tentar contornar a situação, a unidade buscou novos fornecedores em todo o país, porém sem sucesso. “Em contato com os outros hospitais da região, nos foi informado que estão na mesma situação e não conseguem realizar compra destes medicamentos em nenhum fornecedor”, informou. A dificuldade seria devido à escassez dos remédios no mercado ocasionado pela alta demanda de internações por COVID-19.

 

O ofício foi um pedido de socorro para o hospital conseguir dar “a devida assistência aos pacientes que destes necessitarem”. Com o risco de ter o estoque zerado, a unidade alerta para um cenário ainda pior. “Ressaltamos que caso não consigamos tais medicações os resultados podem ser catastróficos e a assistência a nossos pacientes estará extremamente comprometida”, informou.

 
Assistência regional

 

O hospital é parte integrante do plano de contingência macrorregional para enfrentamento  à COVID-19. Lagoa da Prata, com cerca de 52.711 mil habitantes, é referência da microrregião, ele recebe pacientes também de Santo Antônio do Monte, Arcos, Japaraíba e Pedra do Indaiá.

 

Desde 04 de junho de 2020, quando foi publicada a deliberação, a entidade possui 25 leitos clínicos para atendimentos a pacientes de Síndrome Respiratória Aguda Grave e outros 10 de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) exclusivos para tratamento da doença. Há outros quatro de estabilização.

 

Desde o início deste ano, a taxa de ocupação vem crescendo em grande escala e nos últimos dias atingiu o percentual de 131% do UTI COVID-19. Segundo o hospital, estão sendo utilizados leitos de saúde suplementar para atendimento a pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS).

 

“Junto ao aumento da taxa de ocupação, vem aumentando drasticamente o consumo de medicamentos e alguns, que são imprescindíveis para a assistência aos pacientes, estão extremamente escassos no mercado”, afirmou.

 

Município
 

A Secretaria Municipal de Saúde de Lagoa da Prata disse que tomou conhecimento e já entrou em contato solicitando auxílio ao Ministério Público.

 

"É necessário salientar que, como informado em nota, o bloqueio dos medicamentos foi uma decisão do Governo Federal, por meio do Ministério da Saúde, que exige que a distribuição dos medicamentos seja realizada pelo próprio órgão", informou.

 

Taxa de ocupação

 

O boletim divulgado pela Secretaria Municipal de Saúde neste domingo (21/03), aponta 2.820 casos confirmados do novo coronavírus na cidade e 48 vidas perdidas. Dos 27 leitos de enfermaria, 18 estão ocupados. Já na UTI a taxa de ocupação é de 120%. Dos 10 disponíveis, 12 estão com pacientes. Além de moradores da microrregião, há internados um de Pains (enfermaria) e outro de Martinho Campos (UTI).

 

Ministério da Saúde

 

O Ministério da Saúde (MS) disse que desde setembro do ano passado acompanha, semanalmente, a disponibilidade dos medicamentos de intubação orotraqueal (IOT) em todo o Brasil e envia informações da indústria e distribuidores para que estados possam realizar as aquisições.

 

O órgão informou que requisitou administrativamente mais de 665,5 mil medicamentos de IOT para um período de 15 dias, considerando o consumo médio mensal. Entretanto, disse que essa requisição administrativa realizada não atinge os quantitativos dos insumos previamente contratados pelos entes federados. 

 

“A requisição administrativa é a última opção que a gestão local tem dentro das formas previstas de intervenção na propriedade privada. No caso do Sistema Único de Saúde (SUS) e do atendimento a situações de iminente perigo público em saúde, essas requisições administrativas ocorrem quando é necessário realizar uma divisão nacional equilibrada dos medicamentos tanto para saúde pública quanto para a saúde suplementar, garantindo aos usuários do SUS acesso aos medicamentos”, informou.

 

O MS ainda disse que só é feita a requisição quando é avaliado um possível risco de falta de medicamento de IOT à beira leito até que seja feita uma equalização. Com isso, esses medicamentos são distribuídos aos estados de forma igualitária, de acordo com o consumo médio mensal.

 

Nesta quinta-feira (19/3), o Ministério da Saúde entrou em contato com a Anvisa para realização de consulta internacional para verificar a possibilidade da compra dos produtos no exterior. 

 

Ao identificar possíveis estoques baixos, o órgão também pode acionar a indústria, informando as localidades que mais necessitam desses medicamentos. A pasta também envia semanalmente aos fornecedores o consumo médio mensal nacional, com o objetivo de balizar a produção e venda dos medicamentos para os estados. 

 

O MS afirmou também que tem um fundo estratégico de emergência, no qual utilizou distribuindo os principais medicamentos de IOT para todos os estados, como bloqueadores neuromusculares, sedativos entre outros, para uma cobertura de 20 dias.


 

*Amanda Quintiliano especial para o EM

 

 

 

 

O que é o coronavírus


Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.
Vídeo: Por que você não deve espalhar tudo que recebe no Whatsapp

Como a COVID-19 é transmitida? 

A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Vídeo: Pessoas sem sintomas transmitem o coronavírus?


Como se prevenir?

A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.
Vídeo: Flexibilização do isolamento não é 'liberou geral'; saiba por quê

Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam:

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal
Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus. 

Vídeo explica por que você deve 'aprender a tossir'


Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Coronavírus e atividades ao ar livre: vídeo mostra o que diz a ciência

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

 

 

 

O que é o coronavírus

Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.


transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.


A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.

Vídeo: Flexibilização do isolamento não é 'liberou geral'; saiba por quê

Principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia
  • Em casos graves, as vítimas apresentam:
  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal
  • Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus 

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.


Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

 

 

O que é o coronavírus

Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte. 

Como a COVID-19 é transmitida? 

A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.


Como se prevenir?

A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.

Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam:

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal
Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus. 

Vídeo explica por que você deve 'aprender a tossir'

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

 

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade