UAI
Publicidade

Estado de Minas MEMÓRIA

Lagoinha: as curiosidades que cercam o bairro considerado 'berço de BH'

Livro do professor e advogado Daniel Silva Queiroga conta a história do bairro que pode ser considerado o centro histórico de BH


28/11/2021 04:00 - atualizado 29/11/2021 13:01

Daniel em passeio pelo bairro Lagoinha
Daniel em passeio pelo bairro: foram sete anos de pesquisa para a produção de ''Nossas ruas, nosso patrimônio (in)visível: Dicionário toponímico da região da Lagoinha'' (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press)
Uma rua vai muito além do seu nome, um beco tem saídas para a memória, enquanto a praça chama ao convívio e as travessas cruzam tempo, espaço, vidas. A reflexão serve ao mundo inteiro, mais ainda à região de Belo Horizonte que se tornou universo de cultura, história, altos e baixos geográficos e urbanísticos, bem como referência da capital que completará 124 anos no próximo dia 12.

Após sete anos de pesquisas para decifrar a Lagoinha, o professor e advogado Daniel Silva Queiroga lança o livro "Nossas ruas, nosso patrimônio (in)visível: Dicionário toponímico da região da Lagoinha". Nas 468 páginas, encontra-se um raio-x de corpo inteiro de 308 vias públicas, o significado das denominações e, claro, descobertas, informações técnicas e o toque particular de quem conhece bem o lugar onde nasceu e se criou.

Pertencente à quarta geração de imigrantes italianos que chegaram a Minas no fim do século 19 para trabalhar na construção da nova capital – a família Boscato –, Daniel explica, de início, o título.

"Toponímia significa o nome próprio de um lugar. Já (in)visível é para mostrar a Lagoinha que se tem diante dos olhos e a região ainda encoberta para muitos. Os moradores mais antigos guardam uma memória que não pode se perder, conheceram lugares que sumiram do mapa, e ainda falam os nomes de ruas, a exemplo da Rutilo, alterados pelas autoridades", afirma o especialista em direito urbanístico e patrimônio cultural.

Vista do Bairro Lagoinha em 1969
Vista do Bairro Lagoinha em 1969, durante a construção da rodoviária de Belo Horizonte (foto: Evandro Santiago/EM - 1969)


A fim de entender melhor a região que se tornou, à primeira vista, um grande complexo viário, mas é considerada pelo autor o "berço de BH", a equipe do Estado de Minas visitou pontos importantes da Lagoinha, tendo como guia o professor Daniel acompanhado do seu livro.

No caminho, a conversa com moradores, pausa para o pão de queijo na padaria e a parada em ícones da região, a exemplo do Santuário Arquidiocesano Nossa Senhora da Conceição dos Pobres, o Cemitério do Bonfim, anterior à construção da capital, e as estrelas da pesquisa: ruas, praças, becos, travessas e avenidas dos bairros Bonfim, Lagoinha, São Cristóvão (parte), Santo André (parte), Pedreira Prado Lopes, Senhor dos Passos, Colégio Batista (parte), Carlos Prates (parte) e Centro (parte).

Ponto de partida 

Sempre curioso a respeito da história de BH, Daniel revela o ponto de partida para escrever o dicionário toponímico, composto também por mapas, fotos, plantas cadastrais e outros documentos. Para começar, explica, Lagoinha se refere às sete lagoas formadas pelo remanso de dois córregos e desaparecidas com a construção das avenidas Antônio Carlos e Dom Pedro II.

"Meu ponto de partida foi entender a data Quinze de Junho, que dá nome à praça na confluência das ruas Guapé, Lambari, Sete Lagoas e Além Paraíba. A data homenageia o 15 de junho de 1891, quando foi promulgada a primeira Constituição de Minas Gerais, cuja principal determinação estava na mudança da capital", conta o autor.

Ver galeria . 10 Fotos O bairro recebeu o nome graças a essa concentração de água nos fossos de onde as rochas eram retiradasArquivo Publico da Cidade de Belo Horizonte
O bairro recebeu o nome graças a essa concentração de água nos fossos de onde as rochas eram retiradas (foto: Arquivo Publico da Cidade de Belo Horizonte )


A data vai trazendo à tona outras, como a 17 de dezembro. E Daniel Queiroga fez descobertas que, certamente, interessam aos belo-horizontinos.

"A Avenida do Contorno começa e termina na Rodoviária. O nome oficial da avenida é Dezessete de Dezembro, referente a 17/12/1893, quando Belo Horizonte foi escolhida pelo Congresso Mineiro, reunido em Barbacena, para ser a terceira capital do estado, após Mariana e Ouro Preto."

O esritor conversa com a aposentada Suely Friaça
O esritor conversa com a aposentada Suely Friaça, que mora em casa centenária na Praça Doze de Dezembro (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press)


Moradora da Praça Doze de Dezembro, mais conhecida como Praça Doze, referente à inauguração de BH em 1897, a aposentada Suely Friaça Glória ouviu as explicações de Daniel e ainda ganhou um livro de presente, com autógrafo.

"Moro nesta casa de mais de 100 anos, nasci e me criei aqui no bairro (Bonfim, na confluência das ruas Baependi, Lambari e Miraí)".

No passeio pela região da Lagoinha, Daniel explica que, conforme a planta original do projeto do arquiteto construtor de BH, Aarão Reis (1853-1936), muitas ruas homenagearam municípios mineiros, escritores brasileiros, árvores e minerais. "No nome dos logradouros, temos o DNA da região, e não podemos perder essa memória pertencente a toda a capital".

Descobertas e curiosidades

Para muitos moradores, a Rua Comendador Nohme Salomão, que começa na Itapecerica, termina na Diamantina e homenageia o sírio que chegou a BH e desenvolveu trabalhos filantrópicos e beneficentes, ainda se chama Rutilo, conforme o original.

"Meus pais sempre chamaram de Rutilo", diz o advogado e dono de uma cinquentenária vidraçaria na Rua Diamantina, Cristiano Duarte. Apaixonado pela Lagoinha, ele vê do Mirante Lagoinha, na Diamantina, grande parte da região e "cultiva" o afeto: em terreno público, entre a Diamantina e a Avenida Antônio Carlos, Cristiano cuida de uma horta com mandioca, milho e verduras.

"Tenho minhas raízes aqui, minha história e da minha família", afirma, certo de que segurança pública é fundamental para nortear qualquer iniciativa na região.

Homem segurando livro na rua
Daniel na Praça 15 de junho: nome homenageia o 15 de junho de 1891, data da promulgação da primeira Constituição de Minas (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press)


No bate-papo com Daniel, Cristiano quer saber um pouco sobre Francisco Soucasseaux, também nome de rua. E ele responde: "Foi um artista e construtor português (1856-1904), trabalhou na Comissão Construtora da Nova Capital, sendo encarregado da serraria, carpintaria e marcenaria.

Construiu o primeiro teatro de BH, em funcionamento na Rua da Bahia entre 1899 e 1906".

Para cada rua citada no livro, são apresentados 18 itens, como a situação (se ainda existe), mapa, nome popular, localização, razão da toponímia e outros.

A partir das conversas com moradores e seguindo o coração, Daniel chama a antiga Rua Rutilo de "Titânio da Lagoinha", a Paquequer, de "Pra quem quer", conforme o passado da zona boêmia, e a Itapecerica, de "Pedra que rolam", na qual fica a famosa Casa da Loba, tombada pelo município.

Ícone do bairro, a Rua Bonfim mereceu toda a atenção do autor do dicionário.

"A rua não dá nome ao cemitério nem vice-versa. A via pública, que começa na Praça Elifas Levi e termina na Rua Fortaleza, homenageia a cidade mineira de Bonfim. Já o cemitério se relaciona ao Senhor do Bonfim", explica.

No caso da Praça Elifas Levi, que recebeu o nome em votação da Câmara Municipal de BH em 2009, a tradição popular fala mais alto. O espaço é conhecido como Praça do Peixe, formada pela confluência das ruas Bonfim e Paquequer e das avenidas Nossa Senhora de Fátima (antiga Rua Mauá) e Dom Pedro II.

Num trajeto curto, a Paquequer se mantém testemunha de épocas memoráveis e da contemporaneidade. "O grande objetivo é entender uma região de importância histórica para BH, com interesse para estudantes e profissionais de arquitetura e urbanismo, história, turismo, cultura, direito e o público em geral", ressalta o advogado.

Infográfico
(foto: Arte/EM)


Futuro do bairro 

Para Daniel Queiroga, de 41 anos, o estudo detalhado dos caminhos públicos, com suas formas e arquitetura próprias, será fundamental para se planejar a requalificação de uma região que pode ser considerada o centro histórico de BH.

"Uma cidade é um conjunto de vias, bairros, ruas e ruelas que se completam e interagem. E tudo isso se faz com a apropriação das pessoas pelos espaços urbanos. O entendimento dos significados dos nomes e da história das ruas é essencial nesse processo".

E mais: "O estudo ajuda a contar como foi o passado e enxergar o invisível além dos marcos arquitetônicos e dos locais de manifestações socioeconômicas e culturais, que resistiram às intervenções urbanas, mutilaram e remodelaram a região ao longo do tempo."

Realizado com recursos da Lei Municipal de Incentivo a` Cultura de BH, o dicionário tem prefácio do geógrafo e pesquisador da história da capital, Alessandro Borsagli e projeto gráfico assinado por Gabriela Rezende, Laís Grossi e Priscila Musa. Publicado pela Editora IEDS - Instituto de Estudos de Desenvolvimento Sustentável, está à venda por R$ 50, podendo ser encontrado na Made in Beagá, por meio do site www.madeinbeaga.com.br ou na loja física na Avenida Olegário Maciel, nº 742, Loja 2117, Centro de BH.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade