Publicidade

Estado de Minas Covid-19

COVID-19: professores de Barão de Cocais derrubam obrigatoriedade de correção de cadernos

Professores não serão obrigados a corrigir caderno de atividades. Decisão visou à segurança para evitar contágio da COVID-19, mas prefeitura alega que ainda faz análise jurídica do caso


27/08/2020 13:05 - atualizado 27/08/2020 17:10

Em Barão de Cocais, comissão de professores pediu a não obrigatoriedade da correção dos cadernos de atividades complementares que são entregues aos alunos neste período da pandemia(foto: Prefeitura de Barão de Cocais/Divulgação)
Em Barão de Cocais, comissão de professores pediu a não obrigatoriedade da correção dos cadernos de atividades complementares que são entregues aos alunos neste período da pandemia (foto: Prefeitura de Barão de Cocais/Divulgação)

Durante a pandemia do novo coronavírus uma série de questões relativas ao ensino à distância tem surgido no meio educacional. Foi o caso da Prefeitura de Barão de Cocais, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), que decidiu, por enquanto, acatar as reivindicações de uma comissão de professores da rede municipal que pedia a suspensão da obrigatoriedade de correção dos cadernos complementares de atividades, chamados PET (Plano de Estudo Tutorado).

Uma das preocupações dos docentes era o medo de contágio da COVID-19 já que os cadernos circulariam em diversas mãos ao serem entregues aos alunos e, posteriormente, quando fossem entregues aos professores para a correção.

 

Até o momento, não haverá a correção dos exercícios dos cadernos complementares, porém as atividades on-line continuarão da mesma forma, através de gabaritos orientativos aos pais dos alunos. Por nota, a prefeitura de Barão de Cocais explica que “o atendimento da demanda dos professores se refere a não obrigatoriedade da correção dos cadernos complementares, atendendo a um pedido de alguns docentes quanto ao receio de manusear materiais impressos durante a pandemia da COVID-19. A demanda, contudo, não abrange as correções de atividades online, que permanecerão obrigatórias, assim como o cumprimento da carga horária”.

 

O professor Nilson de Araújo, de 54 anos, docente da rede municipal da cidade, disse que há também a discussão pedagógica. “Era impraticável. O regimento dizia que deveríamos corrigir de forma minuciosa os exercícios e devolver o material aos alunos. Eu tenho seis turmas, somando são 149 alunos. Significa que tenho 149 cadernos com todas as questões abertas. Eu gastaria cerca de 30 minutos por caderno, o que daria 12 dias para a correção de todo esse material. Nós vamos corrigir exercícios, mas agora a forma será diferente”, pontua Nilson que cita ainda outro aspecto que causou estresse. “No mínimo 14 pessoas tocariam no caderno em várias regiões em um momento que a pandemia está crescendo na nossa cidade. O que garante que este material não estaria contaminado?”, disse o professor. 

 

Ainda segundo Nilson, a decisão pelo uso dos cadernos impressos pela prefeitura foi devido a uma pesquisa realizada de que apenas 30% dos alunos da rede municipal teriam acesso à internet. 

 

Após a prefeitura acatar as reivindicações da classe, chegou a circular na cidade comentários que o secretário municipal de educação, Rodinelly Jordane Fonseca Gomes, não havia gostado da decisão e, devido a isso, colocaria seu cargo à disposição. A prefeitura de Barão de Cocais, afirma que o secretário permanecerá no comando da pasta e que a decisão da não obrigatoriedade da correção dos cadernos está, no momento, em avaliação jurídica.

“Com relação ao secretário, o mesmo permanece no cargo até o presente momento, sendo do interesse da prefeitura a manutenção do gestor que, nos últimos anos, esteve à frente de importantes conquistas como a isonomia salarial dos professores, expansão do transporte universitário, renovação da frota escolar e aquisição de milhares de materiais didáticos. A decisão, porém, cabe ao secretário e será respeitada”, cita em nota.

 

Sobre a pandemia, a cidade ainda está na curva de crescimento de contágio da COVID-19. O último boletim epidemiológico divulgado pela secretaria municipal de saúde, na quarta-feira (26), a cidade acumula 365 casos confirmados, 316 recuperados e três mortes pela doença.  

 

O que é o coronavírus


Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.
Vídeo: Por que você não deve espalhar tudo que recebe no Whatsapp

Como a COVID-19 é transmitida? 

A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Vídeo: Pessoas sem sintomas transmitem o coronavírus?


Como se prevenir?

A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.
Vídeo: Flexibilização do isolamento não é 'liberou geral'; saiba por quê

Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam:

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal
Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus. 

Vídeo explica por que você deve 'aprender a tossir'


Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Coronavírus e atividades ao ar livre: vídeo mostra o que diz a ciência

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

 

 

 

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade