Publicidade

Estado de Minas LINHA DE FRENTE

Sindicato denuncia morte de motorista de ônibus em BH por COVID-19

Categoria exige reforços na segurança; principais reivindicações são estruturas de higienização e maior número de testagens de profissionais


postado em 14/07/2020 13:13 / atualizado em 14/07/2020 16:08

Passageiros sem máscara: cena comum no transporte público da capital(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A. Press)
Passageiros sem máscara: cena comum no transporte público da capital (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A. Press)
O Sindicato dos Rodoviários de BH (STTR-BH) denunciou a morte de um motorista de ônibus em virtude da COVID-19. Além de profissionais essenciais para o funcionamento das cidades, a categoria também é uma das que mais se expõe ao risco - principalmente se as medidas de segurança não forem tomadas corretamente.

O profissional, de 58 anos, era funcionário da Viação Anchieta e morreu há cerca de 20 dias. "O sindicato tem cobrado, tanto da BHTrans quanto das empresas, a limpeza dos veículos, as máscaras, o álcool em gel e o plástico filme pra isolar o motorista, mas é preocupante porque se trata de linha de frente, então é grupo de risco constante, independente de idade", conta Paulo César da Silva, presidente do STTR.

Logo no início da pandemia, os profissionais de grupo de risco foram afastados. Com relação aos que ficaram em serviço, coube às empresas de transporte e à BHTrans realizar testagens constantes entre os profissionais. "Eles disponibilizaram alguns kits de testagens, mas ainda faltam muitos profissionais para serem testados. Precisamos da atenção das autoridades competentes", comenta.

Mesmo antes da morte, a sensação de medo já pairava entre a categoria. "É um sentimento de insegurança mesmo quando o protocolo de higienização é cumprido. É uma doença nova, todo dia tem novidade, então há uma preocupação. São centenas de pessoas diferentes carregadas diariamente", diz o presidente.
  
O Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte (Setra-BH) afirmou que "realiza acompanhamento contínuo de seus profissionais", oferecendo o Serviço Especial de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT) que atua no combate a acidentes de trabalho. Completou que os consórcios oferecem plano de saúde, odontológico e seguro de vida para colaboradores e familiares, além de promover ações de cidadania, bem-estar e saúde para os funcionários.
 
Garantiu, ainda, que está realizando blitze educativas com distribuição de máscaras e realizando testes. Assegura, também, que foram instalados recipientes com álcool em gel em toda a frota, nas bilheterias e nas estações, além de estar intensificando a higienização dos veículos e demarcando distanciamento para os passageiros que viajarem em pé.
 
A BHTrans ratificou as medidas de segurança expostas pelo Setra-BH e garantiu que realiza fiscalizações constantes. Acerca da morte do motorista, afirmou que ainda não foi notificada pelos consórcios. 
 

Uso da máscara e cobrança da passagem


Também cabe ao motorista dos coletivos fazer valer o cumprimento da obrigatoriedade das máscaras nos veículos. O sindicato afirma que já foram contabilizados dois casos de agressão a condutores por parte de passageiros que se negaram a cumprir a regra.

"Uma agressão foi em Ibirité, na Grande BH, e outro na área central, na rua da Bahia. É uma injustiça com nosso profissional, ainda mais agora que é uma lei. Deve ficar a cargo da Polícia Militar e da Guarda Municipal, não em cima do trabalhador", argumenta o presidente do sindicato.

Vale lembrar, também, que é função do motorista fazer a cobrança do valor da passagem - o que aumenta ainda mais a exposição e o risco. "Estamos em contato com a BHTrans e com o Setra pra fazer campanha pra reforçar o uso do cartão individual e evitar o manuseio do papel, que abriga o vírus por um grande tempo", conclui Paulo César da Silva.
 
O Setra-BH afirmou que está oferecendo gratuitamente o cartão BHBus para passageiros nos pontos de venda.
 
* Estagiário sob supervisão da subeditora Ellen Cristie. 
 

O que é o coronavírus


Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.
Vídeo: Por que você não deve espalhar tudo que recebe no Whatsapp

Como a COVID-19 é transmitida? 

A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Vídeo: Pessoas sem sintomas transmitem o coronavírus?


Como se prevenir?

A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.
Vídeo: Flexibilização do isolamento não é 'liberou geral'; saiba por quê

Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam:

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal
Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus. 

Vídeo explica por que você deve 'aprender a tossir'


Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Coronavírus e atividades ao ar livre: vídeo mostra o que diz a ciência

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

 

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade