Publicidade

Estado de Minas OPINIÃO SEM MEDO

Em cadeia nacional, Bolsonaro conta a maior de suas mentiras

O estoque de lorotas presidencial só não é maior que o de ofensas contra os jornalistas


03/06/2021 07:04 - atualizado 03/06/2021 07:27

(foto: Reprodução TV)
(foto: Reprodução TV)


Eram 20:30hs, mais ou menos, e nessa quarta (02/6), cheguei à casa de um queridíssimo amigo para, na companhia de outro não menos queridíssimo amigo - e cozinheiro de prima! -, beber, conversar, rir, jantar (exatamente nessa ordem) e trocar um pouco desse mundaréu de afeto, represado pelo maldito coronavírus.

Havia meses que não nos víamos; na verdade, desde outubro do ano passado. E para minha grata surpresa, ao tocar o interfone do prédio em que mora, na região central de Belo Horizonte, fui saudado (sem mandioca!) por gritos, fogos e sons estridentes, semelhantes a metal colidindo com metal. Pôxa, pensei, que bacana.

Mas, como alegria de pobre dura pouco, eu logo percebi que os gritos eram, na realidade, palavrões, e o som estridente era o de panelas sendo impiedosamente espancadas às janelas dos edifícios ao meu redor. Jair Bolsonaro, o verdugo do Planalto, consegue ser inconveniente até quando não se espera.

O panelaço que me frustrou a ilusão da recepção de Galo, ops!, de gala, ocorreu em homenagem ao presidente da República, que, com sua política negacionista e homicida, aliada à incapacidade administrativa e irrestrito apoio ao vírus, ajudou a produzir um Everest de 500 mil mortos pela Covid-19 no País.

Após horas, que pareceram minutos, mas que encheram meu ‘tanque da carência afetiva’ pelos próximos quatro meses, fui-me embora ao encontro do aconchego dos braços de Morfeu. Pura ilusão. A curiosidade falou mais alto e lá foi o bobão, aqui, assistir ao devoto da cloroquina ler e falar como criança alfabetizando.

Como disco arranhado, o amigão do Queiroz repetiu a pregação suicida contra o distanciamento social; torceu números e dados a seu favor; prometeu vacinar o País inteiro ainda neste ano; defendeu a realização da ‘Cova América’ no Brasil e mentiu como de costume. Porém, o ‘ponto alto’ aconteceu logo no início.

Após o protocolar “boa noite” (ao menos isso ele conseguiu ler e falar como um adulto alfabetizado), o maníaco do tratamento precoce mandou ver: “sinto profundamente cada vida perdida em nosso País”. O quê? Truco, ladrão! Não sente coisa nenhuma. Muito menos profundamente. Conta outra, rapá!

O que o pai do senador das rachadinhas e da mansão de seis milhões de reais sente em relação às mortes? Apenas desprezo. E em relação aos enlutados? Uma completa falta de empatia e respeito: “e daí? Não sou coveiro. Se morrer, morreu. Vão chorar até quando? Maricas”. Argh!, que sujeito asqueroso.

Resultado: Morfeu desistiu de mim. Eu desisti de atacar a caixa de Bis. O ‘amigo barra cozinheiro’ desistiu de ir trabalhar amanhã cedo, ou melhor, hoje. O ‘amigo barra anfitrião’ desistiu de tentar outra vez. E o amigo dele, agora meu amigo também, idem. Tão novos e tão fraquinhos, coitados. 

O único que não desistiu, nem nunca desistirá, pois indesistível, como imbroxável e incomível, de mentir, é o sociopata aboletado na Presidência da República. Aliás, nem de mentir nem de infernizar minha vida. Vá ser ‘espalha bolinho' assim lá no cafofo de Atibaia, do amigo advogado que mocava o Queiroz.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade