Publicidade

Estado de Minas OPINIÃO SEM MEDO

A estupidez de Bolsonaro mata o país

A vacina 'bala de prata' contra a COVID-19 tem 800 milhões de doses vendidas no mundo, e nenhuma para o Brasil


02/03/2021 06:00 - atualizado 02/03/2021 06:46

A dupla Pazuello e Bolsonaro deu de ombros e não encomendou nem uma mísera dose(foto: Agência Brasil )
A dupla Pazuello e Bolsonaro deu de ombros e não encomendou nem uma mísera dose (foto: Agência Brasil )

O laboratório belga Janssen, controlado pela gigante mundial Johnson & Johnson, acaba de ter sua vacina aprovada nos Estados Unidos, que tem tudo para ser um divisor de águas na imunização em massa contra a COVID-19.

A droga está sendo chamada de “bala de prata” contra o novo coronavírus, pois sua fórmula é mais barata que qualquer outra vacina, além de possuir ao menos mais duas vantagens muito significativas em relação às demais. 

A primeira é a facilidade de transporte e armazenamento; uma geladeira comum. A segunda - a principal e mais festejada das vantagens - é que basta uma única dose para prevenir casos graves e até 66% dos casos moderados.

A vacina foi testada em mais de 40 mil pessoas, inclusive no Brasil. E aí reside mais um dos terríveis enganos do governo federal e do verdugo do Planalto, Jair Bolsonaro. O País não é um dos compradores do imunizante.

Sim; apesar de a farmacêutica europeia-americana ter 800 milhões de doses encomendadas em todo o mundo, a dupla Pazuello e Bolsonaro deu de ombros e não encomendou nem uma mísera dose; zerinho, zerinho.

Estamos em março e dependemos exclusivamente da CoronaVac, “vachina chinesa do Doria que causa mortes, anomalias e invalidez”, e que nos chega em conta-gotas graças ao esforço pessoal do governador de São Paulo.

Todos nós sabemos que o devoto da cloroquina e seu general-fantoche, ambos maníacos do tratamento precoce, fizeram o possível e o impossível para que nenhuma vacina chegasse ao Brasil. E, reconheça-se, conseguiram.

Demonizaram a própria CoronaVac e retardaram ao máximo o registro no País. Desprezaram e ridicularizaram a vacina da Pfizer. Apostaram todas as fichas no imunizante da AstraZeneca que, até agora, nadica de nada.

Enquanto países como Israel, Canadá, Inglaterra e Estados Unidos “voam” na imunização do seu povo, por aqui continuamos à mercê de cloroquina, vermífugo e reza brava, que é tudo o que o pai do senador das rachadinhas consegue fazer.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade