Publicidade

Estado de Minas RICARDO KERTZMAN

Marchas da morte: depois dos bolsonaristas, a vez dos lulistas

Uma gente fanática, ignorante e preocupada apenas em destruir o outro; jamais em construir uma nação


29/05/2021 17:44 - atualizado 29/05/2021 17:54

E ainda que mascarados, portando álcool em gel e outras medidas 'marqueteiras', se aglomeraram(foto: Túlio Santos/EM/D.A press)
E ainda que mascarados, portando álcool em gel e outras medidas 'marqueteiras', se aglomeraram (foto: Túlio Santos/EM/D.A press)
Há quase um ano e meio, Jair Bolsonaro, o verdugo do Planalto, e a malta rábica que o idolatra promovem arruaças homicidas Brasil afora. Em meio à pandemia do novo coronavírus, não há quantidades de doentes e mortos para sensibilizar estes canalhas, sócios da peste, mensageiros da desgraça.
 
Ver galeria . 9 Fotos Ato começou na Praça da Liberdade; depois, manifestantes marcharam rumo ao CentroTúlio Santos/EM/D.A Press
Ato começou na Praça da Liberdade; depois, manifestantes marcharam rumo ao Centro (foto: Túlio Santos/EM/D.A Press )

Primeira onda, segunda onda, terceira onda… 50 mil, 100 mil, 300 mil, 500 mil! Os alertas, os números, a dor de quem padeceu seriamente pela doença, ou de quem perdeu pessoas queridas, são absolutamente insignificantes para essa gente. São literalmente assassinos dolosos. Bolsonaro, inclusive.

Mas não basta a este miserável País ser dragado para o cemitério mais próximo apenas pela extrema direita. Um bando não menos raivoso e idólatra, apenas de pensamento e cor diferentes, ressentido pelo ostracismo a que foi relegado desde a derrocada do lulopetismo, resolveu acordar.

E acordou repetindo os mesmos erros do passado. Saiu às ruas empunhando as bandeiras do comunismo, algo tão real hoje em dia quanto a honestidade de Lula. E ainda que mascarados, portando álcool em gel e outras medidas ‘marqueteiras’, se aglomeraram e disseminaram o vírus da morte.

Lulistas, bolsonaristas, ciristas, moristas ou sejam lá quais os tipos de grupelhos idólatras, o certo é que fanatismo, ignorância, simplismo e uma tremenda vontade de eliminar os opostos, prática abjeta inaugurada no Brasil pelo meliante de São de Bernardo, jamais irão contribuir para o bem do País.

A terceira via que o Brasil tanto precisa não cabe em um nome, em um partido ou em uma ‘visão de mundo’. Precisa ser uma forma de pensar e agir coletivamente, priorizando a sociedade e, não, pretensos salvadores, pais dos pobres, mitos mais falsos que nota de 3 reais. Idolatria só leva ao atraso.

As esquerdas cometeram, hoje, mais um terrível erro. Mostraram que estão para a extrema direita como Lula está para Bolsonaro. Provaram que os únicos projetos e objetivos são aniquilar o bolsonarismo e retomar o poder. A saúde, o vírus, a UTI, o futuro, o País… que se danem! Como sempre, aliás.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade