Publicidade

Estado de Minas ELEIÇÕES

Kalil reeleito: prefeito mais rigoroso com pandemia é campeão de voto

Criticado por sua administração da crise sanitária até pelo governador Romeu Zema (Novo), mandatário foi reeleito no primeiro turno com 63,36% dos votos


16/11/2020 00:25 - atualizado 16/11/2020 00:50

Alexandre Kalil acena após a confirmação da sua vitória, na noite de domingo(foto: Túlio Santos/EM/D.A.Press)
Alexandre Kalil acena após a confirmação da sua vitória, na noite de domingo (foto: Túlio Santos/EM/D.A.Press)

Reeleito neste domingo (15), o prefeito Alexandre Kalil (PSD) foi campeão de votos na disputa pelo cargo do executivo municipal em Belo Horizonte. Ele obteve 784.307 votos (63,36%), enquanto Bruno Engler (PRTB), o segundo colocado, conquistou 123.215 votos (9,95%).
 
Desde 2004, quando Fernando Pimentel (PT) se reelegeu com 68,49% dos votos válidos, contra 22,78% de João Leite (PSDB), um candidato a prefeito da capital mineira não ultrapassava a marca dos 60% dos votos válidos. Em 2004, a disputa se deu entre cinco candidatos; neste ano foram 15. 

Durante o ano de eleição, a administração de Kalil ficou marcada pelo rigor no enfrentamento à pandemia do novo coronavírus. Por imposição de decreto municipal, a quarentena obrigou ao fechamento de boa parte dos setores de comércio e serviços, durante meses. A reabertura foi gradual e com novos protocolos para evitar a disseminação do vírus.  

Em março passado, quando a pandemia foi declarada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e a circulação do vírus foi detectada no Brasil,  foi criado o Comitê Municipal de Enfrentamento à Epidemia da COVID-19. A força-tarefa que teve a missão de desenhar a resposta de BH à crise sanitária é composa pelo Secretário de Saúde, Jackson Machado, e pelos médicos infectologistas Carlos Starling, Estevão Urbano e Unaí Tupinambás – além do secretariado que auxilia nas decisões.
 
Com a decisão de Kalil de que se apoiaria na ciência para lidar com o problema, o grupo definiu as medidas de segurança e de flexibilização do isolamento social. A partir do monitoramento diário dos indicadores da pandemia na cidade, a prefeitura decide se mantém ou não o aval para o funcionamento do comércio.
 
Durante o período em que as atividades ficaram suspensas por orientação do comitê, o prefeito foi amplamente criticado por empresários que defendiam a reabertura, mesmo em um cenário de alta lotação dos hospitais de BH pela internação por doenças respiratórias.
 

Kalil em relação às críticas 


Enérgico ao se recusar a comentar política durante a crise sanitária, o chefe do Executivo municipal classificou opositores como “parasitas do vírus” e comparou por diversas vezes o controle da pandemia a uma guerra.

Alvo de manifestações contrárias ao isolamento social, Kalil rebateu dizendo que “quem tem medo de buzina é cachorro distraído”. A frase ficou famosa, e ele a repetiu em outros momentos.

BH iniciou a reabertura no final de maio, teve que frear e recuar no plano, devido à aceleração daos índices de ocupação de leitos de UTI e de transmissão, e esperou até agosto para a abertura gradual de shoppings, bares e restaurantes

No primeiro semestre, o prefeito disse que seguiria especialistas de saúde, ainda que sob críticas e protestos de empresários, comerciantes e até do governador Romeu Zema (Novo), que chamou a prefeitura de BH de "fora da curva"
Alexandre Kalil durante coletiva de imprensa após votar no Estadual Central, em BH(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A/Press)
Alexandre Kalil durante coletiva de imprensa após votar no Estadual Central, em BH (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A/Press)

Campanha em meio à pandemia

Aos 61 anos, Alexandre Kalil se enquandra no grupo de risco para a COVID-19. Ele fez campanha sem ir às ruas pedir votos e tampouco participou de debates.

O máximo que fez como atividade de campanha, além de gravações em casa, foram reuniões com poucas pessoas, geralmente grupos específicos e relevantes para BH.

Por outro lado, Kalil teve maior impacto nas redes sociais desde o início da propaganda eleitoral. Segundo levantamento do software voxRadar, parceiro do Estado de Minas, o prefeito reeleito concentra 36% de toda a discussão nas redes que envolve os 14 nomes que concorriam ao comando do Executivo de BH.
 

O segundo mandato 

Na última quarta-feira (11), a capital ultrapassou a marca dos 50 mil casos de COVID-19. O boletim epidemiológico e assistencial da prefeitura divulgado na sexta-feira (13) mostra que BH acumula 50.587 casos e 1.558 óbitos pela doença provocada pelo novo coronavírus. 

Durante a campanha, Alexandre Kalil sempre enalteceu a atuação da saúde pública de Belo Horizonte no combate à pandemia. Ele, no entanto, já admitiu que o sistema tem falhas. Segundo o prefeito reeleito, sua prioridade de agora em diante será fortalecer a atenção primária. Ele prometeu encerrar o ano com 40 novos centros de saúde e instalar outros 38 em 2021.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade