Publicidade

Estado de Minas COVID-19

Kalil critica postura 'negativista' de Bolsonaro ante pandemia: 'Foi um desastre para o Brasil'

Para o prefeito de BH, presidente teve 'compromisso com o erro' ao não agir rapidamente contra o coronavírus


postado em 01/07/2020 07:00 / atualizado em 01/07/2020 17:07

Kalil acredita que Bolsonaro se equivocou ao tentar minimizar pandemia do novo coronavírus.(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
Kalil acredita que Bolsonaro se equivocou ao tentar minimizar pandemia do novo coronavírus. (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), criticou a forma como presidente Jair Bolsonaro (sem partido) reagiu à pandemia do novo coronavírus. Em entrevista exclusiva ao Estado de Minas, Kalil lamentou as diversas declarações dadas por Bolsonaro para tentar minimizar os impactos da doença.

Na visão do chefe do Executivo da capital mineira, os pensamentos negacionistas de Bolsonaro geraram mais despesas aos cofres públicos federais. 

“O negativismo foi um desastre para o Brasil. E agora tem que derramar trilhões por conta de uma ‘gripezinha’ que não é uma ‘gripezinha’. Se fosse, não haveria toda essa despesa”, salientou. Em março, vale lembrar, o presidente classificou a doença como “gripezinha”.

Segundo Kalil, a decisão do Supremo Tribunal (STF), que deu autonomia aos estados e municípios para tomar medidas de contenção do vírus, é fruto da postura presidencial.

“O presidente Bolsonaro fez muita falta à população do Brasil, aos prefeitos e governadores. A liderança nacional fez muita falta. É uma postura, me parece, única no mundo. Tanto que a decisão do Supremo (Tribunal Federal), de ‘cada um por si e Deus por todos’, veio por esse negativismo”, afirmou.

Assim como fez em meados de junho, durante outra entrevista ao EM, Kalil destacou que assume a responsabilidade pelas determinações vigentes na capital mineira.

Polêmicas prejudicaram isolamento


Para Kalil, justamente a ausência de uma “liderança nacional” fez com que as medidas restritivas tomadas por governadores e prefeitos perdessem força. Se houvesse adesão da União, projeta, a quarentena teria sido mais eficaz em todo o território nacional.

 “O distanciamento social seria mais sério. Teríamos presidente, prefeitos e governadores falando a mesma coisa. Uma linha (de pensamento) só, no Brasil inteiro, e já teríamos passado por isso”.

‘Compromisso com o erro’


Ainda segundo o prefeito de BH, Bolsonaro piorou a situação ao não tentar corrigir os equívocos cometidos.

“O presidente teve o compromisso com o erro. E, como o Juscelino Kubitschek dizia, não temos compromisso com o erro. Errou? Volte atrás”, avaliou.

número de óbitos em virtude da infecção agrava o cenário. “Ele errou. E errou feio. E, agora, está gastando uma fábula. Se ele assumisse a liderança firme do país, talvez tivesse gasto a metade do dinheiro que gastou, está gastando e vai gastar. É um erro duplo. Está fazendo, agora, um trabalho enorme, que tem que ser reconhecido como despesa gigantesca para o país e, de repente, se calou. Diante de (quase) 60 mil mortes, não há argumento que aguente”, pontuou.

A entrevista


O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, concedeu entrevista exclusiva ao Estado de Minas. Na conversa, ele falou sobre a pandemia da COVID-19 e as providências da PBH para reduzir casos, mortes e o impacto da doença no sistema de saúde da capital mineira. Kalil ainda foi questionado sobre ações para a retomada da economia da cidade, eleições municipais, política estadual e nacional. As reportagens serão publicadas ao longo dos próximos dias no portal e nas páginas impressas do Estado de Minas.

Leia o que já publicamos: 

 

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade