Publicidade

Estado de Minas ENTREVISTA AO EM

Kalil nega influência do carnaval de BH na pandemia: 'Estupidez absoluta'

Prefeito explica que festa popular não teve peso na proliferação da virose com base em datas do feriado e da primeira infecção computada em BH


postado em 01/07/2020 07:00 / atualizado em 01/07/2020 17:01

Para o prefeito Alexandre Kalil (PSD), carnaval não espalhou o novo coronavírus em BH(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
Para o prefeito Alexandre Kalil (PSD), carnaval não espalhou o novo coronavírus em BH (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)

 

Uma das maiores críticas feitas à Prefeitura de Belo Horizonte por opositores e pela população em geral diz respeito à realização do carnaval de BH neste ano. A festa, que arrastou multidões pelas ruas da cidade no fim de fevereiro, para alguns, foi o gatilho da pandemia do novo coronavírus na capital mineira.

 

Em entrevista exclusiva ao Estado de Minas, contudo, o prefeito Alexandre Kalil (PSD) rechaçou essa tese com base em cálculos matemáticos.

 

“A onda do coronavírus é de 15 dias, certo? O primeiro caso foi em 16 de março. A explicação é matemática”, justificou o prefeito, lembrando que a festa pelaa ruas ocorreu nos dias 22, 23, 24 e 25 de fevereiro.

 

Na sequência, Kalil comparou a situação de BH com a de outras cidades. E disse que não havia informações suficientes sobre a COVID-19 para barrar a realização da festa à época.

 

“O Rio teve carnaval? São Paulo teve carnaval? Então, se não tivesse carnaval, Belo Horizonte não teria nenhum caso? Isso é de uma estupidez absoluta. E outra coisa: eu iria proibir o carnaval porque tinha um vírus que ninguém sabia? Que não tinha nem chegado na Europa? Isso é chamado no futebol de engenharia de obra pronta”, comparou.

 

O chefe do Executivo municipal também afirmou que não é “adivinho” nem “astrólogo” para saber o que vai acontecer no futuro.

 

“Engenharia de obra pronta é astrologia. Ela (a primeira pessoa infectada) chegou aqui, provavelmente, no dia 1º. E o carnaval já tinha acabado. A doença foi trazida de fora. Falar em carnaval é uma birutice”, completou.

 

A entrevista

O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, concedeu entrevista exclusiva ao Estado de Minas. Na conversa, ele falou sobre a pandemia da COVID-19 e as providências da PBH para reduzir casos, mortes e o impacto da doença no sistema de saúde da capital mineira. Kalil ainda foi questionado sobre ações para a retomada da economia da cidade, eleições municipais, política estadual e nacional. As reportagens serão publicadas ao longo dos próximos dias no portal e nas páginas impressas do Estado de Minas.

Leia o que já publicamos:

 

  

 

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade