Publicidade

Estado de Minas ENTREVISTA AO EM

Abertura ou lockdown em BH? Segundo Kalil, números da COVID-19 vão ditar rumos

Em entrevista exclusiva ao Estado de Minas, prefeito avaliou situação da pandemia na capital mineira


postado em 30/06/2020 20:43 / atualizado em 01/07/2020 15:13

Dados que retratam situação da COVID-19 vão determinar a flexibilização ou o endurecimento das restrições(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D. A Press)
Dados que retratam situação da COVID-19 vão determinar a flexibilização ou o endurecimento das restrições (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D. A Press)
O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), afirmou, nesta terça-feira, que não é possível saber quando a cidade vai retomar o processo de flexibilização das atividades econômicas. Em entrevista exclusiva ao Estado de Minas, o chefe do Executivo municipal condicionou a retomada — ou um possível lockdown — aos números da pandemia do novo coronavírus em BH.

“São três pilares para abrir (a cidade): o índice de contaminação, a ocupação de leitos de UTI e de enfermarias”, explicou.

Na última sexta-feira, o prefeito, ao lado do Comitê Municipal de Enfrentamento à COVID-19, anunciou o retorno à ‘fase zero’ da flexibilização. Apenas os serviços essenciais podem funcionar.

De acordo com Kalil, não é possível cravar que o estágio vai durar duas semanas — tempo classificado por especialistas como ideal para avaliar o impacto de medidas restritivas ou de retomada.

O chefe do Executivo municipal destacou que as estatísticas do coronavírus podem crescer de forma “exponencial’.

Falta mão de obra

Kalil disse, ainda, que o principal gargalo da rede assistencial de Belo Horizonte está na quantidade de profissionais disponíveis.

“Temos um problema que ninguém notou: gente (mão de obra). Respiradores não salvam ninguém. O que salvam são médicos, enfermeiros, atendentes, fisioterapeutas e fisiologistas”, salientou.

O prefeito revelou ter sido desaconselhado pelos gestores da rede hospitalar municipal a instalar um hospital de campanha. Segundo ele, especialistas explicaram que faltariam profissionais para fazer uma casa de saúde provisória funcionar.

A expectativa do Executivo é habilitar mais vagas de terapia intensiva e de enfermaria. “Quando fechamos a cidade, tínhamos 82 UTIs. Hoje, temos 301 e, depois de amanhã, teremos 327. Tínhamos 114 enfermarias e, hoje, temos 1.009. Em julho, vamos abrir mais 209 leitos de UTI e outros 263 de enfermaria”, apontou.

A entrevista

O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, concedeu entrevista exclusiva ao Estado de Minas. Na conversa, ele falou sobre a pandemia da COVID-19 e as providências da PBH para reduzir casos, mortes e o impacto da doença no sistema de saúde da capital mineira. Kalil ainda foi questionado sobre ações para a retomada da economia da cidade, eleições municipais, política estadual e nacional. As reportagens serão publicadas ao longo dos próximos dias no portal e nas páginas impressas do Estado de Minas

Leia o que já publicamos:

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade