UAI
Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Sem eficácia contra a COVID-19, procura por hidroxicloroquina cresce 58,5%

Sudeste é a região que mais procurou a hidroxicloroquina em 2021; OMS não recomenda o uso dos medicamentos conhecidos como 'kit COVID'


24/08/2021 16:58 - atualizado 24/08/2021 17:30

Procura por hidroxicloroquina sobe 58% em 2021; Região Sudeste lidera buscas (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
Procura por hidroxicloroquina sobe 58% em 2021; Região Sudeste lidera buscas (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
A procura dos brasileiros pela hidroxicloroquina cresceu 58,5% neste ano, em relação a 2020. Entre as regiões do país, o sudeste lidera no ranking das buscas pelo medicamento, que não possui eficácia comprovada contra a COVID-19.  


O levantamento foi realizado com a base de dados da Medipreço, startup parceira do painel de monitoramento de produtos controlados da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). 

A pesquisa apontou, ainda, que a hidroxicloroquina foi pesquisada, no aplicativo da startup, 763.134 vezes no primeiro semestre de 2021. Enquanto em 2019, a droga foi buscada somente seis vezes na plataforma. Desde 2019, a procura pelos dois medicamentos aumentou 15 mil vezes no país. 

Em março do último ano, ainda no início da pandemia, a hidroxicloroquina entrou no rol de medicamentos com potencial de tratamento da COVID-19. No entanto, em poucas semanas a teoria foi derrubada pela comunidade científica. Atualmente, a Organização Mundial de Saúde (OMS) se posiciona contra o uso da droga para este fim. 


Procura pela hidroxicloroquina por região do país 


Segundo o levantamento, o Sudeste foi responsável por 661.154 das buscas pela hidroxicloroquina no aplicativo da Medipreço. Em seguida está a região Sul, com 468.798 buscas pelas droga. 

Enquanto busca por hidroxicloroquina sobe, a procura por ivermectina tem uma queda de 95% em 2021 (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
Enquanto busca por hidroxicloroquina sobe, a procura por ivermectina tem uma queda de 95% em 2021 (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
No nordeste, 177.364 pessoas procuraram pelo medicamento na plataforma. No Centro-Oeste, 170.272. O menor volume de buscas foi na região Norte, com 48.680. 

Além disso, na base de dados da startup, o preço da hidroxicloroquina variou, em média, 265% em 2021. Essa variação acontece devido ao aumento da procura. Além disso, os preços mudam de acordo com a região e formato de distribuição dos medicamentos”, explica Alexandre Máximo, CEO da Medipreço. 


A queda nas buscas por ivermectina 

Em 2020, a Ivermectina foi procurada 748.779 vezes no aplicativo. Enquanto em 2021, o número caiu para 36.328 buscas. 

Desta vez, quem liderou as buscas foi a região Sul, com 12.288 vezes. Seguida do Nordeste, com 10.820 pessoas que procuraram a droga. O Sudeste, neste caso, ficou em terceiro lugar, responsável por 8.656 buscas. 

Com relação ao preço, o valor do medicamento subiu 108% em 2021. 


Entenda os riscos do “kit COVID” 


O kit COVID é uma das alternativas defendidas em abril deste ano, inclusive pelo presidente Bolsonaro. No entanto, a ciência já alertou para o perigo no uso dos medicamentos. 

Nenhum dos fármacos preconizados para o "tratamento precoce" da infecção pelo coronavírus interfere positivamente no controle da infecção pelo coronavírus – ao contrário, representa riscos graves de efeitos adversos.

Entre as fórmulas do kit Covid, ivermectina, azitromicina, hidroxicloroquina, cloroquina, corticoides, fármacos usados contra o HIV, antibióticos, anticoagulantes, anti-inflamatórios, vitamínicos e outros

Uma prática que também foi considerada de alto risco é a nebulização com hidroxicloroquina. Segundo pneumologistas, a nebulização com comprimidos pode inflamar o pulmão e piorar a condição de pacientes com a doença. 
 
Além disso, um painel de especialistas da OMS divulgou, em março deste ano, uma recomendação contrária ao uso da hidroxicloroquina como método de prevenção para a COVID-19. 

A recomendação foi baseada em evidências de alta certeza obtidas em seis estudos randomizados e controlados com 6 mil participantes. 

 
Bolsonaro tem relação com a alta na procura da hidroxicloroquina? 


Em março de 2020, a discussão sobre o uso da hidroxicloroquina no tratamento da COVID-19 percorreu espaços políticos, universidades e departamentos de saúde. 

À época, na corrida em busca de minimizar os impactos da doença, ainda pouco conhecida pelas organizações de saúde, apostas de tratamento começaram a surgir. O novo vírus que chegava ao Brasil, a fragilidade social frente ao desconhecido, somado à crescente das fake news nas redes sociais deu espaço para as teorias e tratamentos sem embasamento científico. 

Presidente Jair Bolsonaro é o principal porta-voz do uso da hidroxicloroquina no país(foto: Reprodução )
Presidente Jair Bolsonaro é o principal porta-voz do uso da hidroxicloroquina no país (foto: Reprodução )
Frente ao cenário, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), entre falas pretensiosas no Palácio do Planalto e comentários na contramão da ciência, tornou- se o principal porta-voz do uso da hidroxicloroquina no Brasil. 

Em julho de 2020, após testar positivo para COVID-19, Bolsonaro postou um vídeo nas redes sociais em que apareceu engolindo um comprimido, segundo ele, de hidroxicloroquina. Meses depois, o presidente admitiu ter pressionado seu médico para prescrever o medicamento.

Ciente das recomendações da OMS e do posicionamento da comunidade científica, Bolsonaro segue defendendo o uso da droga em suas falas para apoiadores e em suas redes sociais. 

O presidente, como líder do país, possui milhares de seguidores na internet, além de ser um forte formador de opinião para milhões de brasileiros. 
 
* Estagiária sob supervisão da subeditora Ellen Cristie. 
 

Leia mais sobre a COVID-19

Confira outras informações relevantes sobre a pandemia provocada pelo vírus Sars-CoV-2 no Brasil e no mundo. Textos, infográficos e vídeos falam sobre sintomasprevençãopesquisa vacinação.
 

Confira respostas a 15 dúvidas mais comuns

Guia rápido explica com o que se sabe até agora sobre temas como risco de infecção após a vacinação, eficácia dos imunizantes, efeitos colaterais e o pós-vacina. Depois de vacinado, preciso continuar a usar máscara? Posso pegar COVID-19 mesmo após receber as duas doses da vacina? Posso beber após vacinar? Confira esta e outras perguntas e respostas sobre a COVID-19.

Veja vídeos explicativos sobre este e outros tema em nosso canal



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade