Publicidade

Estado de Minas PROTEÇÃO

ButanVac: vacina 100% brasileira utiliza ovos durante produção; entenda

Novo imunizante do Instituto Butantan multiplica vírus em ovos embrionários de galinha e torna o processo mais prático e barato. Segurança do método é garantida


26/03/2021 17:18 - atualizado 26/03/2021 21:33

ButanVac usa tecnologia do 'ovo' para a produção(foto: AFP / Miguel Schincariol )
ButanVac usa tecnologia do 'ovo' para a produção (foto: AFP / Miguel Schincariol )

Instituto Butantan anunciou nesta sexta-feira (26/3) que vai desenvolver e produzir nova vacina contra a COVID-19: a ButanVac. Os testes clínicos devem começar em abril após aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Com a novidade, surgem dúvidas em relação ao seu processo de produção e segurança. Por isto, o Estado de Minas reuniu informações que ajudam a entender a nova vacina 100% brasileira. 

De acordo com o Instituto Butantan, a pesquisa será realizada de acordo com os mais altos padrões internacionais éticos e de qualidade. Como ainda não foi testada em humanos, os resultados desta fase clínica que vão determinar se a vacina é segura e tem resposta imune capaz de prevenir a COVID-19.


Para explicar o método, a reportagem consultou as informações disponibilizadas pelo próprio Instituto Butantan.

Como funciona
A tecnologia da ButanVac funciona assim: ela utiliza um vetor viral que contém a proteína Spike do coronavírus de forma íntegra. O vírus utilizado como vetor nesta vacina é o da Doença de Newcastle (DNC), uma infecção que afeta aves.

Por esta razão, o vírus se desenvolve bem em ovos embrionados permitindo eficiência produtiva num processo similar ao utilizado na vacina da gripe. Em contraste com o vírus da influenza, o vírus da Doença de Newcastle não causa sintomas em seres humanos, sendo uma alternativa apontada pelos especialistas como “muito segura” segura na produção.

Além disso, o vírus é inativado para a formulação. Isso facilita sua estabilidade e deixa a vacina ainda mais segura.

Mais segura
“É a mesma tecnologia usada para a produção da vacina da gripe”, afirmou Dimas Covas, presidente do Instituto Butantan, durante coletiva de imprensa nesta sexta (26/3).



Segundo Dimas Covas, esta nova vacina pode ser mais segura contra a COVID-19 do que outros imunizantes já disponibilizados no mercado.

“É produzida em ovo embrionário, mas ela se utiliza da estrutura base de um vírus que infecta aves, chamado Newcastle. Esse vírus foi modificado geneticamente e expressa a proteína S. Só que essa proteína S é uma super proteína S. Ela desenvolve imunidade de uma forma muito mais efetiva do que essas outras vacinas que usam a proteína S”, afirmou.

Por dentro da tecnologia
A razão de os especialistas acreditarem que ela pode ser mais efetiva é que ela utiliza dois métodos em um: vírus inativado e vetor viral.

A plataforma de vírus inativado é a usada nas vacinas da gripe e na CoronaVac, desenvolvida pela chinesa Sinovac e que está sendo envasada no próprio Butantan. Nesse tipo de vacina, o vírus é colocado inteiro dentro dela, mas não é capaz de causar a doença, pois está “morto”.


Já a tecnologia de vetor viral é usada na vacina AstraZeneca, da Universidade de Oxford – que também está sendo aplicada no Brasil. Nesse tipo de vacina, um outro vírus – o vírus vetor, o adenovírus – é modificado geneticamente para "carregar" uma parte do código genético do coronavírus dentro dele.

Assim, nenhum dos dois vírus tem o poder de causar a doença, já que esse material genético é o que dá instruções ao organismo para produzir a proteína S do coronavírus. A proteína, então, ativa células chave do sistema imune: os linfócitos B e T.

Seis passos para entender

A Butanvac vai usar as duas plataformas. Leandro Lobo, professor e pesquisador em microbiologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, publicou, em sua conta no Twitter, uma explicação de forma didática para entender todo o fluxo de produção do novo imunizante.


Confira abaixo o texto de Leandro, que também trabalha com divulgação científica e é editor da revista Ciência Hoje:

  1. A Butanvac é um híbrido entre vacina recombinante e inativada. Os cientistas colocaram o gene da proteína S (spike) do coronavírus em um vetor viral, que é como um cavalo de Tróia para transportar esse gene. O vetor é o Newcastle Disease Vírus (NDV). Mas porque eles fizeram isso?
  2. O NDV é da família Paramyxoviridae, que tem outros representantes famosos como o vírus do sarampo, caxumba, vírus que causam doenças respiratórias e muitos que causam doenças em animais...o próprio NDV é um vírus de aves, e é aí que está o pulo do gato do instituto Butantan!
  3. Veja, multiplicar vírus em ovos embrionários de galinha é um processo muito prático e barato. O problema é que o Sars-CoV2 não se multiplica nesses ovos. Os cientistas resolveram isso colocando um pedaço do coronavírus no NDV (vírus de ave)! Agora a produção pode ser feita em ovos
  4. Outra vantagem é que o NDV pode ser manipulado em laboratório de nível de segurança 2 (BL2) ao invés do BL3 usado para o Sars-cov-2. Laboratórios BL3 são muito caros de se manter. Isso torna a vacina muito mais barata!
  5. O NDV causa doença em aves, mas em humanos é quase inofensivo. A maioria dos casos são assintomáticos, ou no máximo sintomas de uma gripe leve. Ademais, o vírus é inativado e fragmentado antes de se transformar em vacina. Então é muito seguro!
  6. Os fragmentos do NDV podem contribuir para estimular nosso sistema imune, funcionando como um adjuvante. Então quando nossas células encontram os fragmentos da proteína Spike do coronavírus, vão desenvolver uma resposta muito mais forte e robusta. 

"Esse é o resultado do investimento em ciência! Vamos aguardar os testes clínicos, mas temos em mãos uma vacina com bom potencial imunizante e muito barata! Se tudo der certo, o Brasil exportará essa vacina, e provavelmente com um preço acessível para países em desenvolvimento", complementou o professor.

(foto: Arte/EM)
(foto: Arte/EM)

 

O que é o coronavírus

Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.
Vídeo: Por que você não deve espalhar tudo que recebe no Whatsapp


Como a COVID-19 é transmitida? 

A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Vídeo: Pessoas sem sintomas transmitem o coronavírus?

Como se prevenir?

A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.
  

Vídeo: Flexibilização do isolamento não é 'liberou geral'; saiba por quê


Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam:

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus. 

Vídeo explica por que você deve 'aprender a tossir'


Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Coronavírus e atividades ao ar livre: vídeo mostra o que diz a ciência

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:


 

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade