Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Ausência ou uso errado da máscara corresponde a 70% das multas em Uberaba

Números de mortes e novos casos da doença no começo de maio na cidade já são piores do que o início de abril, até então o pior mês da pandemia


12/05/2021 11:41 - atualizado 12/05/2021 16:36

Movimento de pedestres no calçadão da rua Artur Machado(foto: André Santos/Prefeitura de Uberaba)
Movimento de pedestres no calçadão da rua Artur Machado (foto: André Santos/Prefeitura de Uberaba)
Em Uberaba, no Triângulo Mineiro, centenas de pessoas ainda insistem em não usar, em locais considerados obrigatórios, a máscara que ajuda a evitar a infecção da COVID-19. De 582 autuações por descumprimento às regras de enfrentamento à COVID-19 aplicadas na cidade nos quatro primeiros meses deste ano, 413 estão relacionadas ao principal item de prevenção à doença, ou seja, o uso da máscara facial, cobrindo boca e nariz.

As informações são do Departamento de Posturas Municipais e Guarda Municipal de Uberaba (GMU). Em seguida, ainda conforme os dados das duas instituições de segurança de Uberaba, vem as multas relacionadas às aglomerações, com 115 notificações.

Além disso, já foram registrados do começo de janeiro ao final de abril deste ano no município 22 autuações devido a funcionamento irregular de bares/lanchonetes, 11 autuações por conta do funcionamento irregular de estabelecimentos comerciais e outras 21 multas em razão de festas/reuniões familiares em situação contrária ao regramento vigente.
 
No ano passado em Uberaba, de abril a dezembro, foram registradas 1.513 infrações relacionadas ao descumprimento de decretos municipais de enfrentamento à COVID-19, sendo que a falta ou o uso irregular das máscaras também foi a campeã de autuações: 685.
 

Uberaba arrecada 7% das multas aplicadas

Segundo informações da Secretaria de Fazenda de Uberaba, de cerca de R$ 1,7 milhão em multas aplicadas em 2021 por descumprimentos do decreto municipal de enfrentamento à COVID-19 foram arrecadados em torno de R$ 120 mil.
 
A reportagem questionou a assessoria de imprensa da prefeitura de Uberaba sobre quais foram os valores em multas aplicadas e arrecadadas relacionadas à falta de uso ou uso incorreto da máscara, festas clandestinas, entre outros valores de outros tipos de multas. Em resposta, a prefeitura afirmou, por meio de nota, que "o sistema da prefeitura não informa de forma detalhada o valor das multas aplicadas por tipo de desobediências”.
 
“O que podemos informar é a quantidade de multas por tipo. Ressaltando que a quantidade de multas aplicadas não representa a quantidade de multas arrecadadas, pois cabe recurso”, destaca trecho da nota.

 
Dez primeiros dias de maio piores que o mesmo período de abril 

Segundo informações do Observatório COVID Uberaba, do dia 1º de abril até 30/4 foram contabilizados no município 4.847 casos positivos e 237 mortes, sendo que nos 10 primeiros dias deste mês ocorreram 62 óbitos e foram registrados 1.331 novos casos. Já nos 10 primeiros dias de maio, foram contabilizadas no município 71 mortes causadas pela COVID-19 e 1.464 novos casos.
 
A situação da ocupação dos leitos hospitalares/COVID também continua preocupante e perto do colapso, principalmente os de UTI. Assim como nos meses de março e fevereiro, esta ocupação, tanto pública como privada, continua no limite ou perto disto.
 
Segundo último boletim epidemiológico divulgado pela prefeitura de Uberaba na noite desta terça-feira (11/5), dos 103 leitos de UTI para pacientes com COVID-19 disponíveis na cidade, 83 estão ocupados, sendo que, de 60 existentes na rede pública, 46 estão com pacientes. Dos 43 da rede privada, há 37 pessoas em estado grave.

Já em relação às ocupações de leitos de enfermaria para pacientes com COVID-19, de 205 disponíveis, 174 estão ocupados; de 142 da rede pública, há 124 pacientes; e de 63 da rede privada, 50 estão ocupados.
Desde o início da pandemia, já foram contabilizados em Uberaba 25.881 casos positivos, sendo que destes 857 pessoas morreram e 21.858 se recuperaram.
 

O que é um lockdown?

Saiba como funciona essa medida extrema, as diferenças entre quarentena, distanciamento social e lockdown, e porque as medidas de restrição de circulação de pessoas adotadas no Brasil não podem ser chamadas de lockdown.


Vacinas contra COVID-19 usadas no Brasil

  • Oxford/Astrazeneca

Produzida pelo grupo britânico AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford, a vacina recebeu registro definitivo para uso no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). No país ela é produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

  • CoronaVac/Butantan

Em 17 de janeiro, a vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan no Brasil, recebeu a liberação de uso emergencial pela Anvisa.

  • Janssen

A Anvisa aprovou por unanimidade o uso emergencial no Brasil da vacina da Janssen, subsidiária da Johnson & Johnson, contra a COVID-19. Trata-se do único no mercado que garante a proteção em uma só dose, o que pode acelerar a imunização. A Santa Casa de Belo Horizonte participou dos testes na fase 3 da vacina da Janssen.

  • Pfizer

A vacina da Pfizer foi rejeitada pelo Ministério da Saúde em 2020 e ironizada pelo presidente Jair Bolsonaro, mas foi a primeira a receber autorização para uso amplo pela Anvisa, em 23/02.

Minas Gerais tem 10 vacinas em pesquisa nas universidades

Como funciona o 'passaporte de vacinação'?

Os chamados passaportes de vacinação contra COVID-19 já estão em funcionamento em algumas regiões do mundo e em estudo em vários países. Sistema de controel tem como objetivo garantir trânsito de pessoas imunizadas e fomentar turismo e economia. Especialistas dizem que os passaportes de vacinação impõem desafios éticos e científicos.


Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus.

 

 

Entenda as regras de proteção contra as novas cepas



 

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.


Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade