Publicidade

Estado de Minas EDUCAÇÃO PRESENCIAL

PBH convoca professores e servidores do ensino infantil para volta às aulas

Prefeitura de BH determina volta dos profissionais da rede pública às escolas na segunda-feira (26/4) para receber crianças de 0 a 5 anos a partir de 3 de maio


23/04/2021 09:14 - atualizado 23/04/2021 19:38

Por determinação da Prefeitura de Belo Horizonte, crianças de até 5 anos e 8 meses poderão retornar ao ensino presencial em 3 de maio(foto: Sieeesp/Reprodução)
Por determinação da Prefeitura de Belo Horizonte, crianças de até 5 anos e 8 meses poderão retornar ao ensino presencial em 3 de maio (foto: Sieeesp/Reprodução)
Depois de professores e servidores administrativos da rede pública de Belo Horizonte anunciarem prorrogação da greve sanitária, a prefeitura da capital, em publicação no Diário Oficial do Município (DOM) desta sexta-feira (23/4), convocou todos os profissionais da educação infantil para o retorno presencial nas escolas a partir de segunda-feira (26/4), ainda para atividades internas.

A volta às aulas para crianças de 0 a 5 anos e 8 meses em 3 de maio foi anunciada na semana passada pelo prefeito Alexandre Kalil (PSD), que também confirmou a reabertura de várias atividades não essenciais.

As escolas deverão cumprir rígido protocolo de segurança para conter o avanço da COVID-19.

As instituições particulares infantis também estão liberadas a retornam ao ensino presencial infantil na segunda-feira, após um ano fechadas.
 
De acordo com a Secretaria Municipal de Educação (Smed), os docentes da educação infantil devem cumprir a jornada de 4 horas diárias de trabalho presencial, em regência de classe, em até 3 dias por semana, preferencialmente consecutivos, em cada vínculo funcional que possuir.

O restante da jornada será automaticamente considerado como atividade extraclasse, ficando dispensado do registro no relatório semanal de atividades.

Já os servidores administrativos, devem manter a secretaria funcionando das 8h às 17h. Caso dentro da mesma escola haja mais de um assistente administrativo educacional, o Executivo municipal determina que os servidores criem uma escala de trabalho de revezamento igualitário entre eles.

A regra também se aplica a outros servidores administrativos que fizerem parte do quadro efetivo da escola. 

A exceção para a convocação é dada somente para os trabalhadores da educação que são grupo de risco para o novo coronavírus e que ainda não foram vacinados. São eles: 
 
  • Gestantes;
  • Com idade igual ou superior a 60 anos;
  • Com comorbidades comprovadas por perícia médica;
  • Readaptação funcional, independentemente da idade ou de pertencimento a grupos de risco para a COVID-19. 
 
Segundo a prefeitura, servidores em cargos comissionados deverão atuar em escala de revezamento, alternando períodos presenciais e de teletrabalho. A recomendação é que a volta às atividades presenciais seja dada aos servidores com menos de 60 anos e não pertencentes a grupos de risco.
 
Ainda conforme a publicação, a retomada das atividades presenciais deverão ser realizadas em conformidade com as medidas sanitárias de prevenção da COVID-19.

Greve sanitária


Menos de 24 horas antes, em assembleia on-line do Sindicato dos Trabalhadores de Educação da Rede Pública de Belo Horizonte (Sind-Rede/BH), os servidores haviam decidido pela continuação do trabalho apenas de forma remota. De acordo com os organizadores, a reunião desta quinta-feira (22/4) contou com a participação de mais de 2 mil profissionais da rede pública.

Um dos argumentos defendidos pela entidade é que, mesmo com as propostas oferecidas pela Smed de técnicas para distanciamento social e prevenção da transmissão do coronavírus, como, por exemplo, a divisão por grupo de alunos em salas específicas para evitar contato físico, não há garantias de que as medidas serão efetivas.

“As escolas têm áreas comuns, como corredores e banheiros. Não conseguimos garantir que os pais não vão mandar crianças febris para a escola. Não conseguimos garantir o uso de máscara durante as quatro horas. Não conseguimos garantir que não haverá compartilhamento de materiais e alimentos”, afirma Vanessa Portugal, sindicalista do Sind-Rede/BH.
 

O que é um lockdown?

Saiba como funciona essa medida extrema, as diferenças entre quarentena, distanciamento social e lockdown, e porque as medidas de restrição de circulação de pessoas adotadas no Brasil não podem ser chamadas de lockdown.


Vacinas contra COVID-19 usadas no Brasil

  • Oxford/Astrazeneca

Produzida pelo grupo britânico AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford, a vacina recebeu registro definitivo para uso no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). No país ela é produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

  • CoronaVac/Butantan

Em 17 de janeiro, a vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan no Brasil, recebeu a liberação de uso emergencial pela Anvisa.

  • Janssen

A Anvisa aprovou por unanimidade o uso emergencial no Brasil da vacina da Janssen, subsidiária da Johnson & Johnson, contra a COVID-19. Trata-se do único no mercado que garante a proteção em uma só dose, o que pode acelerar a imunização. A Santa Casa de Belo Horizonte participou dos testes na fase 3 da vacina da Janssen.

  • Pfizer

A vacina da Pfizer foi rejeitada pelo Ministério da Saúde em 2020 e ironizada pelo presidente Jair Bolsonaro, mas foi a primeira a receber autorização para uso amplo pela Anvisa, em 23/02.

Minas Gerais tem 10 vacinas em pesquisa nas universidades

Como funciona o 'passaporte de vacinação'?

Os chamados passaportes de vacinação contra COVID-19 já estão em funcionamento em algumas regiões do mundo e em estudo em vários países. Sistema de controel tem como objetivo garantir trânsito de pessoas imunizadas e fomentar turismo e economia. Especialistas dizem que os passaportes de vacinação impõem desafios éticos e científicos.


Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus.

 

 

Entenda as regras de proteção contra as novas cepas


 

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.


Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade