Publicidade

Estado de Minas DESPERDÍCIO

Divinópolis perde 1.649 doses da vacina e troca as agulhas para aplicação

Doses serão substituídas por agulhas de insulina após recomendação da UFSJ; SES-MG diz que laboratórios vão repor perdas


01/04/2021 10:33 - atualizado 01/04/2021 12:06

As agulhas enviadas pelo estado são mais grossas do que as de insulina.(foto: Pablo Santos/Prefeitura de Divinópolis)
As agulhas enviadas pelo estado são mais grossas do que as de insulina. (foto: Pablo Santos/Prefeitura de Divinópolis)

Após registrar a perda técnica de 1.649 doses da vacina contra a COVID-19, Divinópolis, na Região Centro-Oeste de Minas Gerais, vai substituir as agulhas. A troca foi recomendada por equipes técnicas da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ) após análise encomendada pela Secretaria Municipal de Saúde (Semusa).

 

Os frascos são multidoses, com 10 doses de 0,5 ml cada. Porém, devido a essa margem de perda, o município não atinge as dosagens completas. Em alguns casos sobram entre 0,1 ml a 0,4 ml, ou seja, são aplicadas nove doses.

 

Um dos motivos seria a espessura da agulha enviada pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG). A UFSJ constatou que, por ser mais grossa, dificulta a exatidão ao aspirar o líquido.

 

O Programa Nacional de Imunização não permite a mistura de vacina de frascos diferentes para completar a dose de 0,5 ml, para evitar contaminações. Essas sobras são descartadas gerando essa perda técnica.

 

A recomendação da UFSJ foi para que o município substitua as agulhas pelas de insulina. “A precisão desta seringa de 0,1 ml vai dar a gente uma precisão com possibilidade de perder menos doses”, explicou o médico Alexandre Silva, que acompanhou o estudo. A média de perda de Divinópolis é de 4,25%, abaixo dos 5% previstos pelo Ministério da Saúde.

 

“Falar que vai zerar essa perda técnica é impossível, porém a gente está tentando de tudo para não acontecer”, afirmou a vice-prefeita, Janete Aparecida (PSC).

 

Doses serão repostas 

 

A SES-MG, por meio da Superintendência Regional de Saúde (SRS), confirmou que alguns lotes de frascos multidoses (10 doses) das farmacêuticas (Sinovac/ Butantan e AstraZeneca/ Fiocruz) têm apresentado um número menor de doses do que o informado. Porém, afirmou que isso não deve ser tratado como perda de vacinas.

 

Quando isso ocorre, o município deve notificar por meio de um formulário eletrônico disponibilizado pelo Ministério da Saúde (MS). Nesta notificação ele deve relatar a quantidade de doses que foi possível aplicar, conforme nota técnica do MS.

 

“Salientamos ainda que as referências em imunização dos municípios da SRS de Divinópolis já estão orientadas quanto a isso e que a Coordenação Estadual de Imunizações informou que o MS fará a reposição dessas doses gradativamente, portanto não haverá nenhum prejuízo quanto à imunização de qualquer público-alvo”, explicou.

 

Perda física

 

Além da perda técnica, há também a física. “É quando você está aplicando, por exemplo, mexeu com o braço da pessoa e a vacina caiu no chão, aí você precisa pegar outra, então você perdeu uma dose”, explicou Janete. Este tipo de perda chega a 26 doses.

 

Divinópolis recebeu até 30 de março 38.842 doses de vacinas dentre CoronaVac e AstraZeneca. Até terça-feira (30/3) foram aplicadas 23.652 doses, sendo 17.209 primeira doses e 6.443 segunda doses.

 

Pontos de vacinação

 

A cidade ampliou os pontos de imunização. Além do drive thru no Centro Administrativo – sede da prefeitura, a partir desta quinta-feira (01/4) também haverá vacinação, no mesmo modelo, no Divinópolis Clube, no bairro Bela Vista. A estrutura foi doada pelo clube, com isso, a prefeitura terá que disponibilizar apenas a equipe. 

 

A previsão é de que a capacidade de vacinação diária seja de duas mil pessoas a partir de segunda-feira (05/4), conforme distribuição pelo Ministério da Saúde.

 

*Amanda Quintiliano especial para o EM 

 

 

O que é o coronavírus


Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.
Vídeo: Por que você não deve espalhar tudo que recebe no Whatsapp

Como a COVID-19 é transmitida? 

A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Vídeo: Pessoas sem sintomas transmitem o coronavírus?


Como se prevenir?

A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.
Vídeo: Flexibilização do isolamento não é 'liberou geral'; saiba por quê

Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam:

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal
Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus. 

Vídeo explica por que você deve 'aprender a tossir'


Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Coronavírus e atividades ao ar livre: vídeo mostra o que diz a ciência

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

 

 

 

O que é o coronavírus

Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.


transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.


A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.

Vídeo: Flexibilização do isolamento não é 'liberou geral'; saiba por quê

Principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia
  • Em casos graves, as vítimas apresentam:
  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal
  • Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus 

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.


Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

 

O que é o coronavírus

Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte. 

Como a COVID-19 é transmitida? 

A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.


Como se prevenir?

A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.

Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam:

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal
Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus. 

Vídeo explica por que você deve 'aprender a tossir'

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

 

 

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade