Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Secretário de Saúde de BH sobre onda roxa: 'Antes tarde do que nunca'

Jackson Machado elogia a medida restritiva adotada pelo governo de Minas e confirma adesão da capital ao toque de recolher


16/03/2021 18:46 - atualizado 16/03/2021 21:18

Secretário de Saúde de BH, Jackson Machado, confirma toque de recolher(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press - 5/2/21)
Secretário de Saúde de BH, Jackson Machado, confirma toque de recolher (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press - 5/2/21)

Depois de confirmar a adesão à onda roxa, anunciada pelo governo de Minas nesta terça-feira (16/03), o secretário de Saúde de Belo Horizonte, Jackson Machado, elogiou a medida, embora acredite que tenha sido tardia.

“O governo do estado tomou medidas duras, mas necessárias, para enfrentar a pandemia. Embora um pouco mais tarde do que gostaríamos. Na nossa opinião, já deveriam ter sido tomadas há mais tempo”, disse Jackson Machado em entrevista exclusiva ao Estado de Minas, nesta terça-feira (16/03).


O secretário fez uma alusão à bandeira mineira, com a expressão em latim Libertas quae sera tamen (Liberdade ainda que tardia) – lema da Inconfidência Mineira. “Mas, assim como o lema da nossa bandeira, ‘liberdade antes tarde do que nunca’, agora, ‘restrição antes tarde do que nunca’. É preciso nesse momento que fiquemos em restrição para evitar que mais pessoas morram na cidade”, acrescentou.

Jackson confirmou que BH seguirá as determinações mais rígidas de isolamento social, inclusive o toque de recolher das 20h às 5h, deixando claro que a fiscalização será de responsabilidade da Polícia Militar.

“As nossas medidas restritivas do último decreto são mais restritivas do que essas do governo do estado, exceto pelo toque de recolher, que vai acontecer em BH, mas a fiscalização fica por conta da Polícia Militar.”

Onda roxa em Minas: prefeito que não aderir poderá ser responsabilizado

A onda roxa é a fase mais restritiva do programa Minas Consciente, que será implementada em todos os 853 municípios, para tentar frear o avanço da COVID-19. Além do toque de recolher para todos, o setor de turismo também foi afetado com as novas regras. A fiscalização também será mais intensa em todo estado.


O que é o coronavírus

Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.
Vídeo: Por que você não deve espalhar tudo que recebe no Whatsapp


Como a COVID-19 é transmitida? 

A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Vídeo: Pessoas sem sintomas transmitem o coronavírus?

Como se prevenir?

A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.
  

Vídeo: Flexibilização do isolamento não é 'liberou geral'; saiba por quê


Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam:

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus. 

Vídeo explica por que você deve 'aprender a tossir'


Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Coronavírus e atividades ao ar livre: vídeo mostra o que diz a ciência

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:


 



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade