Publicidade

Estado de Minas FLEXIBILIZAÇÃO

COVID-19: Pará de Minas vai para onda verde sem abrir mão de restrições

Maior problema tem sido conter as aglomerações, que podem até render a cassação de alvarás e prisão de responsáveis por festas


18/09/2020 18:21 - atualizado 18/09/2020 18:34

Novo decreto começou a vigorar nesta sexta-feira e libera apresentações artísticas em bares e restaurantes(foto: Wikipedia/Divulgação)
Novo decreto começou a vigorar nesta sexta-feira e libera apresentações artísticas em bares e restaurantes (foto: Wikipedia/Divulgação)
Com a permissão da mudança de onda da Macrorregião Oeste, passando de amarela para verde, a cidade de Pará de Minas já publicou decreto nesta sexta-feira (18) informando lojistas e empresários a respeito da liberação de novos segmentos comerciais.

A partir de agora, estão permitidos a realização de atividades artísticas, como produção teatral, musical e de dança e circo; abertura de cinemas; e o funcionamento de feiras, congressos, exposições, filmagens de festas, casas de festas, bufê, parques de diversão, discotecas, boliches, sinuca.

Os bares e restaurantes, que já estavam podendo funcionar, mas sem apresentações, agora já têm a permissão para voltar com shows e espetáculos. Além disso, a entrada na onda verde reabre os estúdios de tatuagem e colocação de piercings.

O procurador municipal Hernando Fernandes declarou que a liberação não deve ser vista pela população como um momento para relaxar nas medidas de combate ao coronavírus.

“É importante destacar que essa flexibilização não significa fim da pandemia. Eu acho que é até o contrário. É um momento de retomada da economia, como diz o [plano] Minas Consciente. As restrições que nós estávamos seguindo, elas permanecem nesse decreto”, analisou em entrevista a uma rádio local nesta sexta-feira.

Fernandes explica ainda as aglomerações continuam proibidas. “Aglomerar está proibido. É motivo de multa e cassação do alvará, com ações constantes da Prefeitura e da Polícia. É preciso continuar mantendo o distanciamento de dois metros, a higienização das mãos e o uso de máscara. Isso, aliás, é imprescindível, tanto para os colaboradores e empresários quanto para os clientes”, ressaltou.

Conter a reunião de pessoas tem sido o maior desafio da Polícia. Em São José da Varginha, uma festa em um sítio reuniu mais de 300 pessoas em meio à pandemia de coronavírus. O comandante da 19ª Companhia Independente da Polícia Militar, tenente-coronel Geraldo Elias, pede que as pessoas relatem essas aglomerações para os agentes de segurança.

“Quando a gente recebe esse tipo de denúncia, a gente desloca uma viatura para o local e, identificado o responsável pelo evento, ele é preso. O principal interessado deve ser o cidadão de bem. A denúncia pode ser feita de forma anônima”. 

COVID-19 em Pará de Minas

Os números a respeito da pandemia têm sido favoráveis nas duas últimas semanas na cidade. Nas duas últimas semanas o número de novos casos confirmados vem caindo, assim como o de óbitos.

De acordo com o último boletim epidemiológico municipal, emitido nesta sexta-feira (18), há 481 casos confirmados de COVID-19, sendo que 449 já se encontram curados, cinco em internação e 16 em acompanhamento domiciliar. A cidade registra também 11 óbitos.

No dia 11, uma semana atrás, o município possuía 448 casos confirmados de coronavírus. Então, entre o dia 11 e esta sexta foram registrados 33 novos casos positivos da doença. O número de mortes já se encontrava em 11.

No dia 4, eram 411 casos confirmados de COVID-19 e nove óbitos. Nesta semana entre os dias 4 e 11 foram confirmados 37 novos positivados e duas mortes.

Para o procurador do município, a ida para a onda verde da Macrorregião Oeste se deve muito aos avanços de Pará de Minas no combate à pandemia.


“Temos que festejar porque nós seguimos corretamente todos os procedimentos necessários para chegarmos no ponto que estamos hoje. Pará de Minas contribuiu muito para que a Macrorregião Oeste fosse considerada verde. Para isso foram necessárias inúmeras situações, tanto a queda dos casos como a estrutura de saúde, que Pará de Minas tem.”

O que é o coronavírus


Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.
Vídeo: Por que você não deve espalhar tudo que recebe no Whatsapp

Como a COVID-19 é transmitida? 

A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Vídeo: Pessoas sem sintomas transmitem o coronavírus?


Como se prevenir?

A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.
Vídeo: Flexibilização do isolamento não é 'liberou geral'; saiba por quê

Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam:

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal
Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus. 

Vídeo explica por que você deve 'aprender a tossir'


Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Coronavírus e atividades ao ar livre: vídeo mostra o que diz a ciência

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

 




receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade