Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Enxovais Lua de Mel e outras lojas tradicionais de BH fecharam as portas; confira quais

Proprietário da Lua de Mel defende o fechamento do comércio, mas critica ações adotadas na cidade. Sem faturar, ele decidiu não aplicar mais dinheiro na tradicional lojas de enxovais


13/08/2020 15:29 - atualizado 14/08/2020 10:02

 

Lojas ficam na Avenida Amazonas, 712, e Rua dos Tupinambás, 395, ambas do centro da capital mineira(foto: Enxovais Lua de Mel/reprodução)
Lojas ficam na Avenida Amazonas, 712, e Rua dos Tupinambás, 395, ambas do centro da capital mineira (foto: Enxovais Lua de Mel/reprodução)
A Enxovais Lua de Mel é mais uma das mais tradicionais lojas de Belo Horizonte que deicidiram encerrar as atividades após quase cinco meses de pandemia. A Lua de Mel vai fechar as portas de suas duas lojas 38 anos depois da inauguração. 


O proprietário Eduardo Martins, de 59 anos, conta que a loja foi fundada em 1982 com dois antigos sócios com quem trabalhava e comercializa produtos de cama, mesa e banho.

"Começamos batendo de porta em porta. Vendíamos pelos bairros e periferia, oferecendo as mercadorias, até inaugurarmos a loja", recorda Martins. Hoje, as lojas ficam na Avenida Amazonas, 712, e Rua dos Tupinambás, 395, ambas do Centro da capital mineira.

Ele explica que a empresa depende das vendas e, depois de quase cinco meses, precisou fechar. "A loja tem estrutura, é autossuficiente. Mas entrou em dificuldade devido ao fechamento necessário do comércio. Foi quando decidi parar. Eu não quero capitalizar de novo, não vou colocar dinheiro, então, optei por encerrar as atividades", afirmou. No total, as lojas contam com 10 funcionários. 

Martins esclarece, porém, que a loja não deve fechar de imediato. O objetivo é vender o estoque. "As lojas têm mercadoria. Vamos abrir para liquidar o estoque. Estamos com desconto de 10% a 30% nas duas unidades", esclareceu. O empresário não quis comentar os valores perdidos pelo tempo em que as lojas ficaram fechadas.

Dificuldade no setor

O empresáro defende o fechamento e reconhece a importância do isolamento social. Porém, criticou a condução da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) nas ações contra a pandemia.  "É necessário fechar. Mas a política adotada foi estranha. Fecharam muito cedo, depois, abrimos e, em seguida, fechamos. Não teve ampliação do número de leitos, não se fez o isolamento social adequadamente", disse. Ele pede por mais respeito por parte do poder público.

Outros comércios que fecharam em BH 


Casa Eure

A pandemia do novo coronavírus também encerrou a história de mais um negócio tradicional de Belo Horizonte. A Casa Eure, de venda de ferragens, louças e utensílios domésticos, fechou as portas permanentemente. 

A loja funcionou por 73 anos na esquina da Avenida do Contorno com a Rua Itajubá, no Bairro Floresta, Região Leste da capital mineira. A queda de cerca de 60% no movimento por causa da COVID-19 não foi o único motivo para a decisão, conta o proprietário, Carlos Henrique Aguiar. Segundo o empresário, os últimos cinco anos foram difíceis, e a pandemia acelerou o processo.

 

Alma Chef

A pausa nas atividades anunciada em meados de junho pelo restaurante Alma Chef converteu-se em fechamento definitivo. A informação foi confirmada há um mês ao Estado de Minas pela assessoria dos proprietários da casa, instalada no Bairro de Lourdes, Região Centro-Sul da capital. O negócio empregava cerca de 40 pessoas, entre garçons, cozinheiros, ajudantes de cozinha, sommeliers e funcionários administrativos.  


A favorita

No início de junho, A Favorita, outro tradicional restaurante do Bairro de Lourdes, também saiu definitivamente de cena. Segundo funcionários da casa - 50, no total - a situação foi comunicada via WhatsApp pelo proprietário Fernando Areco Motta.


30 lojas no Mercado Central

Conforme o Estado de Minas mostrou em 29 de julho, do total de 390 lojas, 30 não têm mais condições de voltar à ativa e, naquela data, das que ainda resistem, apenas 120 estão funcionando. Com o fluxo de visitantes bem menor, comerciantes amargam queda no faturamento, mas a maioria ainda resiste e precisou se reinventar.

 

Mercado da Boca

A Enxovais Lua de Mel não foi a única a fechar as portas. O Mercado da Boca, no Jardim Canadá, em Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, não vai reabrir depois da quarentena. 


O anuncio foi feito em junho. A situação durante a quarentena ficou insustentável, contou Humberto Scalioni ao Estado de Minas na ocasião. Ele tinha um restaurante de frutos do mar no local. Durante a pandemia, o estabelecimento não fez entregas, alternativa para muitos bares e restaurantes. 

O empreendimento planejava abrir mais três unidades em Belo Horizonte: no bairros Vila da Serra e Buritis, e na Região da Pampulha. Com a pandemia, os projetos foram paralisados. (Com informação de Felipe Quintella e Cecília Emiliana)

O que é o coronavírus

Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.
Vídeo: Por que você não deve espalhar tudo que recebe no Whatsapp



Como a COVID-19 é transmitida?


A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Vídeo: Pessoas sem sintomas transmitem o coronavírus?



Como se prevenir?


A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.
Vídeo: Flexibilização do isolamento não é 'liberou geral'; saiba por quê



Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus.

 

Vídeo explica porque você deve aprender a tossir



VIDEO1]

Mitos e verdades sobre o vírus


Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Coronavírus e atividades ao ar livre: vídeo mostra o que diz a ciência

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade