Publicidade

Estado de Minas BLOQUEIO TOTAL

'Lockdown já e nenhuma vida a menos', afirma Conselho de Saúde de BH

Carta enviada aos governos municipal e estadual teve participação de usuários do SUS, trabalhadores e gestores, incluindo diretores de hospitais da capital


postado em 03/07/2020 18:23 / atualizado em 03/07/2020 19:56

Segunda fase de reabertura do comércio causou baixo impacto no centro da capital(foto: Leandro Couri/EM/D.A. Press)
Segunda fase de reabertura do comércio causou baixo impacto no centro da capital (foto: Leandro Couri/EM/D.A. Press)

O Conselho Municipal de Saúde de Belo Horizonte enviou uma carta ao prefeito de BH, Alexandre Kalil (PSD), em que pede o fechamento total da cidade, conhecido como “lockdown”. O documento também foi enviado ao secretário de Estado de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, para pedir a abertura do hospital de campanha. O pedido considera a alta ocupação de leitos na capital e a velocidade de transmissão do novo coronavírus.

Segundo o boletim epidemiológico da prefeitura publicado ontem, a ocupação dos leitos de CTI está em 88%, mesmo com a abertura de outros 30 leitos entre segunda e quinta-feira. A ocupação dos leitos de enfermaria está em 73%.

Esses indicadores são considerados “vermelhos” pelos critérios do Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus em BH. Segundo o ofício enviado ao prefeito, esses números configuram-se “indicações técnicas para o lockdown”.

“É lockdown já e nenhuma vida a menos”, afirma Carla Anunciatta, presidenta do Conselho Municipal de Saúde de Belo Horizonte (CMS-BH). Segundo ela, a recomendação também foi feita tendo em vista a operação em sobrecarga do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e das Unidades de Pronto-Atendimento (UPAs) em BH, o que aumenta o risco de mortes de usuários atendidos. 

“Estamos em uma situação dramática. As ambulâncias do Samu não estão conseguindo transportar. As UPAs estão lotadas. Tem hospital que não tem leito mais”, disse a presidenta, lembrando que a capital recebe pacientes de várias outras cidades do estado. 

A recomendação feita ao prefeito foi aprovada pelo plenário do Conselho, com participação de usuários do SUS, trabalhadores e gestores, incluindo diretores de hospitais da capital. Essa resolução também reivindica à PBH aumentar o número de leitos em hospitais públicos e, se necessário, a compra de leitos de CTI em hospitais privados de BH – medidas já adotadas pela prefeitura.

“Pedimos o lockdown para tentar barrar a disseminação do vírus. A prefeitura fez a parte dela, mas a velocidade com que as pessoas estão se contaminando é maior do que a quantidade de CTIs que podemos colocar para funcionar”, alerta Carla.

Além disso, a mesma resolução, que também foi encaminhada à Secretaria de Estado de Saúde, solicitou a abertura imediata do Hospital de Campanha do Governo Estadual, o que ainda não ocorreu.

‘Kalil foi pressionado’

O órgão sinalizou que houve falha na flexibilização do comércio – o que o prefeito negou durante a coletiva de imprensa em que anunciou a volta à estaca zero.

“No início, as pessoas não estavam circulando, mas aí vieram as declarações irresponsáveis do governo federal e das pessoas que não acreditam no vírus. Em BH, houve a pressão do empresariado, que fez com que o Kalil abrisse gradualmente. Do dia 25 de maio (data da primeira flexibilização) até agora houve uma explosão de casos. Não haverá vagas e vão acontecer mortes porque não vai ter como assistir essas pessoas”, afirmou Carla Anunciatta.

Ainda segundo a presidenta, o conselho entende a preocupação com a economia, mas também comparou a doença com uma batalha. “Nessa hora de guerra a gente tem que pensar em preservar vidas”, disse.

Lockdown ou fase zero?

Desde a segunda-feira, o prefeito Alexandre Kalil (PSD) decidiu recuar no processo de reabertura do comércio de Belo Horizonte. Desde então, apenas serviços considerados essenciais podem abrir as portas. No entanto, as pessoas continuaram saindo de casa e não houve muita mudança nas ruas, o que preocupa as autoridades de saúde.


Para a presidenta do Conselho Municipal de Saúde, o lockdown se faz necessário para que “as forças de seguranças estejam nas ruas para conduzir as pessoas para casa”, disse. Segundo ela, essa seria a diferença com a fase atual de flexibilização do comércio.

Prefeitura recebeu sugestão

Carla disse que o documento foi entregue nesta sexta-feira, e que ainda não obteve retorno. A Secretaria Municipal de Saúde confirmou o recebimento da sugestão e deve avaliá-la.

O Comitê de Enfrentamento à Epidemia da Covid-19 afirmou que avalia que enquanto não surgir uma vacina para controle do novo coronavírus a cidade terá que conviver com reaberturas e fechamentos do comércio, dependendo dos níveis de avaliação.

O que é o coronavírus

Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.
Vídeo: Por que você não deve espalhar tudo que recebe no Whatsapp



Como a COVID-19 é transmitida?


A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Vídeo: Pessoas sem sintomas transmitem o coronavírus?



Como se prevenir?


A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.
Vídeo: Flexibilização do isolamento não é 'liberou geral'; saiba por quê



Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus.

 

Vídeo explica porque você deve aprender a tossir



VIDEO1]

Mitos e verdades sobre o vírus


Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Coronavírus e atividades ao ar livre: vídeo mostra o que diz a ciência

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:




receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade