UAI
Publicidade

Estado de Minas ELEIÇÃO ESTADUAL

Carlos Viana quer Bilac Pinto como vice na disputa pelo governo mineiro

Senador do PL espera indicação do União Brasil para fechar a chapa; coalizão terá, também, o Republicanos


05/08/2022 17:03 - atualizado 05/08/2022 17:42

O deputado federal Bilac Pinto
Bilac Pinto (foto) pode ser o companheiro de chapa de Carlos Viana (foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press - 12/11/19)
Confirmado na disputa pelo governo mineiro pelo PL, seu partido, o senador Carlos Viana quer o deputado federal Bilac Pinto (União Brasil) como candidato a vice. A legenda, fruto da fusão entre DEM e PSL, firmou acordo com os liberais e indicará o parceiro de Viana. A ideia é acelerar o processo de decisão do caso e, assim, preencher a lacuna vaga na chapa.

"O principal nome convidado é o de Bilac Pinto. Ele, hoje, é o nome no União. Não vai disputar mandato, é uma pessoa muito querida na política de Minas e muito respeitado", disse Viana ao Estado de Minas, nesta sexta-feira (5/8), em Montes Claros, no Norte do estado.

O senador está na cidade para cumprir compromissos políticos ao lado de Jair Bolsonaro, também filiado ao PL. A candidatura de Viana será responsável por garantir o palanque do presidente da República no estado.

"Se ele (Bilac) aceitar (o convite para ser vice), ficarei muito honrado. Se não, quem o União Brasil decidir, estará tudo bem", projetou o parlamentar.

Bilac Pinto já decidiu que não tentará renovar o assento que ocupa na Câmara dos Deputados. Ele, inclusive, tem trabalhado para fazer, como sucessor, o correligionário Rafael Simões, ex-prefeito de Pouso Alegre, no Sul de Minas.

Segundo Viana, a ideia é fechar a composição da chapa ainda nesta semana. "Estamos aguardando um nome do União de hoje para amanhã. Estamos bem tranquilos de que teremos uma solução rápida para essa questão".

Aliança formada após flertes

No início do ano, Bilac chegou a ser cotado para ocupar a vaga de vice na chapa do governador Romeu Zema (Novo), de quem foi secretário de Estado de Governo no início da gestão.

As tratativas, porém, não avançaram, e o União Brasil abriu conversas com os grupos que circundam Marcus Pestana (PSDB) e Alexandre Kalil (PSD). A direção nacional, presididida por Luciano Bivar, chegou a anunciar acordo com Kalil, mas a cúpula estadual da legenda reivindicou autonomia para definir a tática eleitoral.

Há três dias, em Brasília (DF), o União decidiu seus rumos em Minas ao aderir à candidatura de Carlos Viana. O senador terá, também, o apoio do Republicanos.

O postulante de Bolsonaro ao Senado será o deputado estadual Cleitinho Azevedo, mesmo com seu partido, o PSC, fora da coligação de Viana.

A reportagem procurou Bilac por ligação telefônica e mensagem de texto a fim de obter comentário sobre o assunto. Se houver resposta, este texto será atualizado.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade