Publicidade

Estado de Minas DOCUMENTOS DO ITAMARATY

'Se provar, o mundo vai cair', diz Kalil sobre superfaturamento da Covaxin

Declaração foi dada depois que documentos do Ministério das Relações Exteriores indicaram compra 1000% mais cara que o preço cobrado pela Índia


22/06/2021 19:05 - atualizado 23/06/2021 13:26

Prefeito de BH afirmou que ''não acredita'' que o Ministério da Saúde tenha cometido a ''barbaridade'' do superfaturamento da Covaxin(foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press)
Prefeito de BH afirmou que ''não acredita'' que o Ministério da Saúde tenha cometido a ''barbaridade'' do superfaturamento da Covaxin (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press)


O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), comentou, na noite desta terça (22/6), as indicações de superfaturamento na compra da vacina Covaxin por parte do Ministério da Saúde.

 

A suspeita é que o governo federal tenha comprado o imunizante 1000% mais caro que o preço cobrado pela fabricante Bharat Biotech, na Índia. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

 

Leia também: "Kalil: 'O estado não é dono da vacina e não pode distribuir como ele quer''

 

"Eu acho que tem que provar. Se provar, o mundo vai cair. Por que 1000% mais cara sem aprovação da Anvisa? Tem coisa que eu não acredito. Só acredito vendo. Eu não acredito porque é uma barbaridade total. Isso não existe", afirmou Kalil.


Leia também: Kalil sobre disputa por mais vacinas com Zema: ''Está apaziguada''

 

Um telegrama sigiloso da embaixada brasileira em Nova Délhi, em agosto do ano passado, informava que o imunizante tinha o preço estimado em 100 rúpias (US$ 1,34 a dose).

 

Em dezembro, outro comunicado diplomático dizia que o produto fabricado na Índia “custaria menos do que uma garrafa de água”.

 

Em fevereiro deste ano, no entanto, o Ministério da Saúde pagou US$ 15 por unidade (R$ 80,70, na cotação da época) – a mais cara das seis vacinas compradas até agora.

 

Na noite desta terça (22/6), o canal de TV por assinatura CNN aprofundou a apuração. Um funcionário do Ministério da Saúde afirmou, em depoimento ao Ministério Público Federal (MPF), ter sofrido pressão para assegurar a compra. 

 

Outra reportagem da CNN aponta que a Precisa Medicamentos, empresa que negociou a compra da Covaxin, teve um imenso reajuste num contrato para a venda de preservativos: de R$ 15,7 milhões para R$ 30,5 milhões.

 

Leia mais sobre a COVID-19

Confira outras informações relevantes sobre a pandemia provocada pelo vírus Sars-CoV-2 no Brasil e no mundo. Textos, infográficos e vídeos falam sobre sintomasprevençãopesquisa vacinação.
 

Confira respostas a 15 dúvidas mais comuns

Guia rápido explica com o que se sabe até agora sobre temas como risco de infecção após a vacinação, eficácia dos imunizantes, efeitos colaterais e o pós-vacina. Depois de vacinado, preciso continuar a usar máscara? Posso pegar COVID-19 mesmo após receber as duas doses da vacina? Confira esta e outras perguntas e respostas sobre a COVID-19.


Quais os sintomas do coronavírus?

Desde a identificação do vírus Sars-CoV2, no começo de 2020, a lista de sintomas da COVID-19 sofreu várias alterações. Como o vírus se comporta de forma diferente de outros tipos de coronavírus, pessoas infectadas apresentam sintomas diferentes. E, durante o avanço da pesquisa da doença, muitas manifestações foram identificadas pelos cientistas. Confira a relação de sintomas de COVID-19 atualizada.

O que é a COVID-19?

A COVID-19 é uma doença provocada pelo vírus Sars-CoV2, com os primeiros casos registrados na China no fim de 2019, mas identificada como um novo tipo de coronavírus pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em janeiro de 2020. Em 11 de março de 2020, a OMS declarou a COVID-19 como pandemia.

(foto: Hudson Franco/EM/D.A Press)
(foto: Hudson Franco/EM/D.A Press)

Veja vídeos explicativos sobre este e outros tema em nosso canal

 

 

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade