Publicidade

Estado de Minas ENTREVISTA

COVID-19: Queiroga garante vacina para todos acima de 18 anos em 2021

Ministro da Saúde afirmou que o Brasil tem 600 milhões de doses garantidas em contratos; governo trabalha para antecipar remessas


04/06/2021 12:55 - atualizado 04/06/2021 13:29

Nesta sexta (4/6), ministro da Saúde garantiu vacinas para todos os maiores de idade ainda neste ano(foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)
Nesta sexta (4/6), ministro da Saúde garantiu vacinas para todos os maiores de idade ainda neste ano (foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)
O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, garantiu que todos os brasileiros maiores de 18 anos estarão vacinados contra a COVID-19 até o fim deste ano. Ele fez a promessa nesta sexta-feira (4/6), em entrevista ao Correio Braziliense. Segundo o integrante do governo Jair Bolsonaro (sem partido), o país firmou acordos suficientes para obter 600 milhões de imunizantes. A busca, agora, é por antecipar a chegada das injeções.

“O compromisso do governo brasileiro é com o fornecimento de vacinas que sejam eficazes, seguras e que tenham efetividade. Até o final do ano, vacinaremos toda a população brasileira acima dos 18 anos”, disse, durante sabatina no programa CB.Poder.

Queiroga assegurou que o poder Executivo federal considera todas as vacinas com aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Para este momento, além da antecipação das entregas, uma das ideias em pauta é repassar mais ampolas a estados nas fronteiras nacionais ou que enfrentam situação epidemiológica delicada.

“O que queremos fazer, é antecipar. Ter mais doses agora, neste momento. Até porque, apesar de sermos um país tropical, a gente vive momento de uma estação climática, sobretudo no Sul do país, mais fria, onde existe tendência maior de circulação do vírus — e, assim, a possibilidade de novos casos”, sustentou.

Nesta sexta, o governo firmou acordo com a farmacêutica Janssen. As 3 milhões de doses que compõem o trato devem, de acordo com Queiroga, ser utilizadas já neste mês.

Para junho, a estimativa é encaminhar 40 milhões de doses aos governos locais.

Pfizer e AstraZeneca

O ministro da Saúde celebrou o acordo entre AstraZeneca e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) para transferência de tecnologia. Com o trato, o Brasil poderá produzir imunizantes com o ingrediente farmacêutico ativo (IFA) totalmente nacional.

“Isso é uma grande conquista. É uma aposta no fortalecimento do complexo industrial da saúde”, projetou.

Segundo Queiroga, o país terá, até setembro, 100 milhões de exemplares do composto desenvolvido pela Pfizer. Do nono mês deste ano a dezembro, a estimativa prevê a chegada de outras 100 milhões de doses.

O chefe do Ministério da Saúde afirmou ter conduzido trabalho ao lado do ministro das Relações Exteriores, Carlos Alberto França. A dupla está responsável por conversar com outros países e organizações de saúde em busca de mais doses.

Nessa quinta (3), os Estados Unidos anunciaram a transferência de vacinas a outras nações. O Brasil foi incluído em um grupo de países que vai dividir 6 milhões de injeções.


Vacinas contra COVID-19 usadas no Brasil

  • Oxford/Astrazeneca

Produzida pelo grupo britânico AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford, a vacina recebeu registro definitivo para uso no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). No país ela é produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

  • CoronaVac/Butantan

Em 17 de janeiro, a vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan no Brasil, recebeu a liberação de uso emergencial pela Anvisa.

  • Janssen

A Anvisa aprovou por unanimidade o uso emergencial no Brasil da vacina da Janssen, subsidiária da Johnson & Johnson, contra a COVID-19. Trata-se do único no mercado que garante a proteção em uma só dose, o que pode acelerar a imunização. A Santa Casa de Belo Horizonte participou dos testes na fase 3 da vacina da Janssen.

  • Pfizer

A vacina da Pfizer foi rejeitada pelo Ministério da Saúde em 2020 e ironizada pelo presidente Jair Bolsonaro, mas foi a primeira a receber autorização para uso amplo pela Anvisa, em 23/02.

Minas Gerais tem 10 vacinas em pesquisa nas universidades

Como funciona o 'passaporte de vacinação'?

Os chamados passaportes de vacinação contra COVID-19 já estão em funcionamento em algumas regiões do mundo e em estudo em vários países. Sistema de controel tem como objetivo garantir trânsito de pessoas imunizadas e fomentar turismo e economia. Especialistas dizem que os passaportes de vacinação impõem desafios éticos e científicos.


Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus.

 

 

Entenda as regras de proteção contra as novas cepas

[VIDEO4]

 

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.


Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade