Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Comparação das mortes no Brasil pela COVID com outras tragédias assusta

Para se ter uma ideia, as 400 mil vidas perdidas em 13 meses de pandemia é 13 vezes maior que a média anual de de 30 mil mortes por acidente de trânsito no país


29/04/2021 20:00 - atualizado 29/04/2021 23:15

Vista aérea do Cemitério Nossa Senhora Aparecida, em Manaus (AM), 14 dias antes de o Brasil atingir a marca de 400 mil mortes pela COVID-19(foto: Michael Dantas/AFP - 15/4/21)
Vista aérea do Cemitério Nossa Senhora Aparecida, em Manaus (AM), 14 dias antes de o Brasil atingir a marca de 400 mil mortes pela COVID-19 (foto: Michael Dantas/AFP - 15/4/21)

O total de mais de 400 mil vidas perdidas em decorrência da COVID-19 em 13 meses de pandemia no Brasil equivale a oito vezes a média anual de mortes violentas – provocadas por homicídios –  no país.



“Chegamos a uma cifra absurda de mais de 400 mil mortes provocadas por uma doença em único ano. Isso é mais uma prova da gravidade dessa doença. É uma prova do significado da pandemia, que afronta todas as teorias negacionistas sobre a gravidade da situação”, afirma o sociólogo Luis Flávio Sapori, pesquisador do Centro de Estudos em Segurança Pública da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas).

 

 

 

“A COVID-19 provoca um malefício social infinitamente superior ao da violência urbana, que já é muito grave, pois o Brasil é um dos países mais violentos do mundo”, avalia Sapori. 

 

O total de vidas já dizimadas pela pandemia no país é 13 vezes maior que a média anual de 30 mil mortes ocorridas no trânsito em território brasileiro.

 

Pela letalidade da pandemia até agora, é como se uma cidade do tamanho de Montes Claros – com  414,48 mil habitantes –, no Norte de Minas, sexto município mais populoso do estado, perdesse 97% da população.

O professor Marcos Esdras Leite, do mestrado em Geografia da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), lembra que 400 mil pessoas equivalem também à soma dos habitantes das outras oito  cidades mais populosas do Norte do estado: Janaúba, Januária, Pirapora, São Francisco, Salinas, Bocaiuva,  Taiobeiras e Brasília de Minas. 

 

Mas existem outras comparações com o total de pessoas mortas pelo coronavirus no Brasil.

(foto: Arte: Soraia Piva/EM/D.A Press)
(foto: Arte: Soraia Piva/EM/D.A Press)

COVID-19 mais letal no Brasil do que a gripe espanhola

Em termos percentuais, considerando o total de 400 mil mortos em 13 meses, a COVID-19 está sendo mais letal do que gripe espanhola no país, em 1918. A observação é do professor Laurindo Mékie Pereira, doutor em história pela Universidade de São Paulo (USP) e docente do programa de mestrado em história da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes).

 

Ele fez estudos comparativos sobre a doença respiratória atual e a síndrome gripal de mais de 100 anos atrás. Mékie Pereira salienta que o Censo geral feito no Brasil em 1920 aponta que, na ocasião, o Brasil tinha 30 milhões de habitantes.

E estima-se que foram perdidas 35 mil vidas por causa da influenza – o que dá uma taxa de mortalidade de 0,116%. “Os dados são precários. Os números são imprecisos. Ainda hoje, há dúvidas quanto a isso. Imagine (como era) 100 anos atrás”, pontua.

 

Considerando a estimativa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de que o Brasil conta atualmente com 211,8 milhões de habitantes, os 400 mil óbitos provocados pelo coronavirus equivalem a 0,188% da população. 

 

“É difícil comparar porque os dados das mortes em 1918 não são muito seguros. Mais importante: há uma diferença substancial na duração. A gripe chamada de espanhola – muito provavelmente não surgiu na Espanha, como mostram as historiadoras Heloísa Starling e Lilia Schwarcz no livro 'A Bailarina da Morte' – durou dois ou três meses. A COVID-19 já se arrasta por mais de um ano”, observa o professor da Unimontes. 

 

“Entre outras, uma grande diferença de 2020 para 1918 é o sistema público de saúde, hoje muito bem estruturado nacionalmente e inexistente na época. Uma frase do médico Miguel Pereira, em 1916, resume bem o quadro daquele tempo: 'O Brasil é um imenso hospital', afirma Laurindo Mékie Pereira.

O que é um lockdown?

Saiba como funciona essa medida extrema, as diferenças entre quarentena, distanciamento social e lockdown, e porque as medidas de restrição de circulação de pessoas adotadas no Brasil não podem ser chamadas de lockdown.


Vacinas contra COVID-19 usadas no Brasil

  • Oxford/Astrazeneca

Produzida pelo grupo britânico AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford, a vacina recebeu registro definitivo para uso no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). No país ela é produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

  • CoronaVac/Butantan

Em 17 de janeiro, a vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan no Brasil, recebeu a liberação de uso emergencial pela Anvisa.

  • Janssen

A Anvisa aprovou por unanimidade o uso emergencial no Brasil da vacina da Janssen, subsidiária da Johnson & Johnson, contra a COVID-19. Trata-se do único no mercado que garante a proteção em uma só dose, o que pode acelerar a imunização. A Santa Casa de Belo Horizonte participou dos testes na fase 3 da vacina da Janssen.

  • Pfizer

A vacina da Pfizer foi rejeitada pelo Ministério da Saúde em 2020 e ironizada pelo presidente Jair Bolsonaro, mas foi a primeira a receber autorização para uso amplo pela Anvisa, em 23/02.

Minas Gerais tem 10 vacinas em pesquisa nas universidades

Como funciona o 'passaporte de vacinação'?

Os chamados passaportes de vacinação contra COVID-19 já estão em funcionamento em algumas regiões do mundo e em estudo em vários países. Sistema de controel tem como objetivo garantir trânsito de pessoas imunizadas e fomentar turismo e economia. Especialistas dizem que os passaportes de vacinação impõem desafios éticos e científicos.


Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus.

 

 

Entenda as regras de proteção contra as novas cepas



 

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.


Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade