Publicidade

Estado de Minas SÃO PAULO

Volta das aulas em escolas de São Paulo tem adesão menor que 35%

Escolas particulares voltaram com as aulas presenciais nesta segunda-feira (12/4)


13/04/2021 08:07 - atualizado 13/04/2021 08:30

(foto: Reprodução)
(foto: Reprodução)
No primeiro dia de reabertura após o fim da fase emergencial, escolas particulares de São Paulo tiveram adesão menor de estudantes ao ensino presencial. Os colégios atribuem a baixa presença nesta segunda-feira (12/4) aos números ainda elevados de infectados pela COVID-19 na capital paulista e à mudança de regras em cima da hora - a decisão sobre a reabertura foi tomada na sexta-feira (9/4).

Colégios ouvidos pela reportagem receberam menos de 35% dos estudantes previstos. O porcentual ficou em torno de 20% e, em algumas etapas, as salas de aula ficaram vazias. Na rede municipal, a Prefeitura informou não ter balanço da presença. Nem todos os colégios reabriram nesta segunda-feira - caso dos particulares Santa Cruz, Equipe e Gracinha.

No Colégio Humboldt, na zona sul, o ensino fundamental 1, que poderia receber até 35% dos estudantes, teve só 20% dos alunos. A adesão foi menor ainda nas etapas seguintes, com alunos mais velhos. O aval do governo estadual, dado em cima da hora, também pode ter contribuído para a baixa adesão. Algumas famílias viajaram para cidades do interior, em meio à piora da pandemia. A volta às aulas na capital estava condicionada ao fim da fase emergencial, decretada só na sexta-feira pelo governo estadual.

No Colégio Magno, na zona sul, foram à escola nesta segunda 25% dos estudantes. O porcentual de presença foi menor ainda no Agostiniano Mendel, na zona leste, que teve 12,5% dos alunos - no primeiro dia de aulas, em fevereiro, foram 21,8%. A escola atribui a queda à semana de provas.

Balanço do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino de São Paulo (Sieeesp) indicou frequência de 20% a 25%. O presidente do Sieeesp, Benjamin Ribeiro, estima que até o fim da semana, a adesão chegue aos 35% - limite na fase vermelha.

Na Escola Móbile, na zona sul, compareceram nesta segunda metade dos alunos esperados. Segundo a escola, o porcentual se deve ao fato de que o colégio recomendou que os pais privilegiassem o ensino remoto nesta semana. Nas escolas da rede Luminova, dos 735 que poderiam frequentar as aulas, só 210 estiveram presentes.

Os colégios Pentágono, na zona oeste, Mary Ward, na leste, e Franciscano Pio XII, na sul, também não atingiram o porcentual máximo de 35% - a frequência ficou entre 20% e 25%.

Para Luiz Antonio Barbagli, presidente do Sindicato dos Professores de São Paulo (Sinpro-SP), a baixa adesão tem relação com o medo das famílias. O Sinpro-SP não tinha nesta segunda-feira um balanço da adesão dos professores à greve da categoria. Segundo o sindicato, pelo menos 30 escolas não reabriram para aulas presenciais.

Embate

A decisão de manter fechado o Colégio Santa Cruz, na zona oeste, motivou críticas de pais de alunos insatisfeitos. Eles ameaçaram entrar na Justiça contra a escola, tirar os filhos do colégio e até pediram a demissão do diretor.

O advogado Alessandro Ghilardi, de 42 anos, é um dos que estuda trocar o filho, de 9 anos, de colégio. "A postura da escola durante a pandemia nunca foi a favor dos alunos", disse o pai, que também critica a cobrança da mensalidade cheia. "Eles nunca colocaram as crianças em primeiro lugar. As preocupações são sempre genéricas, com a sociedade, com a comunidade", disse o empresário Bruno Zangari, de 40 anos.

No fim de semana, grupos de WhatsApp de pais tiveram debates acalorados sobre a opção do colégio. Famílias favoráveis à decisão do Santa Cruz assinaram uma carta de apoio à direção. Para a empresária Ana Leite, de 50 anos, a preocupação com as aulas presenciais das crianças é legítima, mas incomoda a forma de protesto. "O problema é apelar para querer derrubar o diretor, para medida judicial. Há tempos atrás, queriam fazer manifestação na porta da casa do diretor. Parece briga de 5.ª série", diz. O Santa Cruz informou, por meio de nota, que "respeita as opiniões e as decisões das famílias e prefere tratar as questões individualmente com elas".

O que é um lockdown?

Saiba como funciona essa medida extrema, as diferenças entre quarentena, distanciamento social e lockdown, e porque as medidas de restrição de circulação de pessoas adotadas no Brasil não podem ser chamadas de lockdown.


Vacinas contra COVID-19 usadas no Brasil

  • Oxford/Astrazeneca

Produzida pelo grupo britânico AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford, a vacina recebeu registro definitivo para uso no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). No país ela é produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

  • CoronaVac/Butantan

Em 17 de janeiro, a vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan no Brasil, recebeu a liberação de uso emergencial pela Anvisa.

  • Janssen

A Anvisa aprovou por unanimidade o uso emergencial no Brasil da vacina da Janssen, subsidiária da Johnson & Johnson, contra a COVID-19. Trata-se do único no mercado que garante a proteção em uma só dose, o que pode acelerar a imunização. A Santa Casa de Belo Horizonte participou dos testes na fase 3 da vacina da Janssen.

  • Pfizer

A vacina da Pfizer foi rejeitada pelo Ministério da Saúde em 2020 e ironizada pelo presidente Jair Bolsonaro, mas foi a primeira a receber autorização para uso amplo pela Anvisa, em 23/02.

Minas Gerais tem 10 vacinas em pesquisa nas universidades

Como funciona o 'passaporte de vacinação'?

Os chamados passaportes de vacinação contra COVID-19 já estão em funcionamento em algumas regiões do mundo e em estudo em vários países. Sistema de controel tem como objetivo garantir trânsito de pessoas imunizadas e fomentar turismo e economia. Especialistas dizem que os passaportes de vacinação impõem desafios éticos e científicos.


Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus.

 

 

Entenda as regras de proteção contra as novas cepas



 

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.


Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade