Publicidade

Estado de Minas CHECAMOS

Estudo de 'Oxford' sobre ivermectina contra COVID-19 não é definitivo

Os próprios autores reconheceram as limitações do estudo e alertaram que os resultados positivos ainda precisam ser confirmados em ensaios maiores


16/07/2021 20:28 - atualizado 16/07/2021 20:28


 

Captura de tela feita em 14 de julho de 2021 de uma publicação no Facebook
Captura de tela feita em 14 de julho de 2021 de uma publicação no Facebook
Publicações nas redes sociais sugerindo que a “Universidade de Oxford” mostrou que a ivermectina reduz em 56% as mortes por covid-19 foram compartilhadas mais de 2,1 mil vezes desde o último 7 de julho. Elas também afirmam que óbitos poderiam ter sido evitados se a Rede Globo não tivesse feito “propaganda contrária”. Entretanto, essas postagens omitem que a metanálise publicada pelo Open Forum Infectious Diseases, uma plataforma de publicação de estudos científicos ligada à universidade britânica, não foi conclusiva sobre a eficácia desse tratamento. Apesar de o uso da ivermectina ter se revelado promissor, os próprios autores reconheceram as limitações do estudo e alertaram que os resultados positivos ainda precisam ser confirmados em ensaios maiores.


“Globo genocida! Quantas mortes poderiam ter sido evitadas se vocês não estivessem feito tanta propaganda contrária?”, diz o texto da imagem compartilhada no Facebook e no Instagram.

“Ivermectina reduz mortes por COVID-19 em 56%, mostra estudo da Universidade de Oxford. Segundo a pesquisa, a utilização do medicamento possibilita a recuperação clínica favorável do paciente e reduz a hospitalização”, complementa.

No dia 6 de julho de 2021, o Open Forum Infectious Diseases publicou uma metanálise que reúne 24 ensaios clínicos randomizados nos quais a ivermectina - um medicamento desenvolvido para o tratamento de doenças parasitárias - foi testada em um total de 3.328 pacientes com covid-19. Essa metanálise identificou uma redução de 56% na mortalidade de quem recebeu esse tratamento, além de uma recuperação clínica mais rápida.

No entanto, os próprios autores reconhecem em seu texto algumas limitações da pesquisa. Uma delas é que, dos 24 ensaios clínicos considerados, apenas oito foram publicados. Os demais são “preprints” - ou seja, não passaram pela avaliação científica dos pares - ou trabalhos cujos resultados foram compartilhados somente para essa análise.

Outra limitação apontada pelos autores diz respeito à problemática “comparabilidade dos dados”, na medida em que os ensaios clínicos analisados utilizaram diferentes dosagens por diferentes períodos de tempo, além de tratamentos distintos no grupo de controle. Alguns, por exemplo, compararam a ivermectina com placebos, enquanto outros fizeram a comparação com remédios, como hidroxicloroquina - medicamento originalmente usado para tratar malária - ou lopinavir/ritonavir, usados no tratamento de HIV.

Os autores também informaram que, em três dos estudos clínicos analisados, a ivermectina foi administrada junto com outro medicamento, a doxiciclina, indicada para tratar malária. Além disso, alertaram que “a maioria dos estudos foi realizada em populações com apenas infecção leve/moderada”, e que “alguns estudos excluíram pacientes com múltiplas comorbidades”.


O texto da metanálise ressalta, ainda, que medicamentos usados para tratamentos de outras doenças se mostraram promissores em estudos iniciais com grupos menores de pacientes, mas que esse resultado não foi verificado posteriormente em ensaios maiores. Por isso, os autores esclarecem que o benefício demonstrado na metanálise - de 56% de sobrevida para pacientes que receberam a ivermectina em comparação com os grupos de controle - “precisa ser validado em estudos confirmatórios maiores”.

Em sua conta no Twitter, Andrew Hill, um dos autores da metanálise, foi cauteloso ao afirmar, no dia em que ela foi publicada, que existem pesquisas com grupos muito maiores em andamento e que “os ensaios clínicos randomizados devem ser continuados”.

A suposta eficácia da ivermectina na prevenção e tratamento da covid-19 começou a ser debatida desde que um estudo australiano publicado em abril de 2020 observou a eficácia in vitro (laboratório) da ivermectina contra o vírus SARS-CoV-2.

Até o momento, a Organização Mundial da Saúde (OMS) desaconselha seu uso, uma vez que faltam dados conclusivos e, tanto nos Estados Unidos e na Europa quanto no Brasil, o medicamento é aprovado apenas como antiparasitário.

O AFP Checamos já verificou outras alegações relacionadas à suposta eficácia da ivermectina (1, 2, 3).

No Brasil, o debate científico ganhou contornos políticos durante a pandemia. A ivermectina, assim como a hidroxicloroquina, foi reiteradamente defendida pelo presidente Jair Bolsonaro (1, 2, 3).

O mandatário também critica a forma como a mídia repercute as notícias relacionadas à covid-19 e já se referiu à Rede Globo mais de uma vez como a “TV Funerária” (1, 2).

 

Leia mais sobre a COVID-19

Confira outras informações relevantes sobre a pandemia provocada pelo vírus Sars-CoV-2 no Brasil e no mundo. Textos, infográficos e vídeos falam sobre sintomasprevençãopesquisa vacinação.
 

Confira respostas a 15 dúvidas mais comuns

Guia rápido explica com o que se sabe até agora sobre temas como risco de infecção após a vacinação, eficácia dos imunizantes, efeitos colaterais e o pós-vacina. Depois de vacinado, preciso continuar a usar máscara? Posso pegar COVID-19 mesmo após receber as duas doses da vacina? Posso beber após vacinar? Confira esta e outras perguntas e respostas sobre a COVID-19.

Veja vídeos explicativos sobre este e outros tema em nosso canal

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade