UAI
Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

COVID-19: 10.977 novos casos são registrados em 24 horas em Minas Gerais

O número é o maior desde o começo de março, e acende alerta para que medidas de proteção sejam mantidas, e a cobertura vacina, ampliada


06/06/2022 16:54 - atualizado 06/06/2022 17:50

Hospital de Ribeirao das Neves tem 100% de sua capacidade, ocupada. Na foto, Wenserson Pereira da Silva acompanhando a transferencia da mae Maria Pereira dos Santos.
Com o aumento do número de casos novos, a baixa cobertura vacinal entre crianças e da quarta dose entre idosos chama atenção das autoridades (foto: Edesio Ferreira/EM/D.A Press)
Minas Gerais registrou 10.977 novos casos de COVID-19 nas últimas 24 horas, segundo o boletim epidemiológico da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG). É o maior número de novos casos desde o dia 8 de março. Não foram registradas mortes pela doença.
 
 
Os dados divulgados nesta segunda-feira (6/6) confirmam a tendência de aumento dos novos casos de COVID-19 em Minas Gerais. Os casos vêm subindo lentamente desde o começo de maio, mas o número de mortes está estável.
 
Segundo o secretário de Saúde do estado de Minas Gerais, o médico Fábio Baccheretti, o cenário já era esperado, uma vez que a COVID-19 terá caráter sazonal e, em épocas mais frias como o outono e inverno, no qual o risco de contaminação por doenças respiratórias é maior, há aumento nos índices.
 
Desde o início da pandemia, foram 3.446.478 casos confirmados de COVID-19 no estado, com 61.579 mortes confirmadas pela doença e 3.226.862 recuperações. Atualmente, 158.037 casos estão em acompanhamento.
 

Medidas de proteção

Nesse cenário, a Prefeitura de Belo Horizonte voltou atrás no relaxamento em relação ao uso da máscara de proteção individual. Na sexta-feira passada (3/6) foi publicada no Diário Oficial do Município uma nova recomendação, orientando o uso de máscaras em ambientes fechados, como salas de aula das escolas públicas e particulares, cinemas, teatros, elevadores e escritórios.
 
 
As unidades da Receita Federal de Belo Horizonte também voltaram a exigir o uso da máscara nesta semana.

Vacinação

De acordo com dados do Vacinômetro, da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais, apenas 59,05% do público alvo tomou a terceira dose da vacina. As coberturas da primeira e segunda dose chegaram a 89,27% e 83,16%, respectivamente.
 
Entre as pessoas com idade a partir de 60 anos, apenas 29,95% tomaram a quarta dose da vacina. A cobertura pediátrica, para crianças de 5 a 11 anos, atingiu 69,43% do público alvo na primeira dose, e apenas 35,06% na segunda.
 
A baixa cobertura vacinal entre crianças e idosos preocupa as autoridades. Segundo Baccheretti, muitas pessoas deixam de tomar a vacina por conta das fake news. “Há disseminação de notícias falsas ligadas à vacina, mesmo que mais de 1,9 milhão de crianças tenham tomado sem ter maiores efeitos colaterais. Todos os pais que levaram os filhos para vacinar, perceberão que não houve problemas graves. Com isso, muitos acreditam que só uma dose é o suficiente, mas não é. A imunização precisa ser completa”, explicou.
 
* Estagiário sob supervisão da editora Ellen Cristie.  
 

Leia mais sobre a COVID-19

Confira outras informações relevantes sobre a pandemia provocada pelo vírus Sars-CoV-2 no Brasil e no mundo. Textos, infográficos e vídeos falam sobre sintomasprevençãopesquisa vacinação.
 

Confira respostas a 15 dúvidas mais comuns

Guia rápido explica com o que se sabe até agora sobre temas como risco de infecção após a vacinação, eficácia dos imunizantes, efeitos colaterais e o pós-vacina. Depois de vacinado, preciso continuar a usar máscara? Posso pegar COVID-19 mesmo após receber as duas doses da vacina? Posso beber após vacinar? Confira esta e outras perguntas e respostas sobre a COVID-19.

Acesse nosso canal e veja vídeos explicativos sobre COVID-19


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade