Publicidade

Estado de Minas VACINAÇÃO

Caminhoneiros recebem vacina contra novo coronavírus em Belo Horizonte

Categoria, que desde o início da pandemia não parou enquanto muitos estavam isolados, agora recebe a primeira dose contra a COVID-19 em BH


12/06/2021 09:15 - atualizado 12/06/2021 12:56

Caminhões mudaram a rotina dos arredores do Postos de Saúde São Francisco, na Pampulha(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A.Press)
Caminhões mudaram a rotina dos arredores do Postos de Saúde São Francisco, na Pampulha (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A.Press)
Durante a pandemia, com o afastamento social e até isolamento, eles enfrentaram a contaminação nas estradas transportando mercadorias essenciais para as cidades. Agora, em Belo Horizonte, chegou a vez de os caminhoneiros ganharem proteção com a vacina contra o novo coronavírus (Sars-CoV-2).

Nos arredores dos 51 postos de vacinação abertos neste sábado (12/06) em BH, o movimento dos veículos de transporte de carga mudou a rotina do processo de aplicação que se iniciou em 18 de janeiro de 2021.

Caminhoneiros não enfrentaram filas no Posto de Saúde São Francisco (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A.Press)
Caminhoneiros não enfrentaram filas no Posto de Saúde São Francisco (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A.Press)
"É mais segurança para nós nas estradas. A gente roda para tudo em quanto é lado e não sabe como está a situação em outros estados e até mesmo em outras cidades. Muito importante, então, tomar essa vacina aqui, além de aumentar a nossa esperança de que tudo acabe. Vacina para todos", disse o carreteiro Cássio Alves Gomes, de 41 anos, um dos primeiros a receber uma aplicação de vacina no Posto de Saúde São Francisoc, na Região da Pampulha. O local fica próximo à entrada para o Anel Rodoviário de BH, da Avenida Presidente Atônio Carlos.

Cássio Alves Gomes acha incerto as viagens por não saber como está a pandemia em outras cidades(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A.Press)
Cássio Alves Gomes acha incerto as viagens por não saber como está a pandemia em outras cidades (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A.Press)
"A vacina para o caminhoneiro é essencial, porque nós somos a linha de frente. Somos nós que transportamos o Brasil nas costas, para baixo e para cima, faça chuva ou faça sol, com pandemia ou com saúde", destaca o motorista de caminhão Ronaldo da Costa Morais, de 49, que também aproveitou o posto de saúde próximo à rodovia.

No Posto de Saúde do Bairro Goiânia, na Região Nordeste, próximo às saídas rodoviárias para a BR-381 e a BR-262, o movimento dos caminhoneiros e pessoas aptas à vacinação foi um pouco maior, concentrando cerca de 20 pessoas na fila, no início da manhã.

"Trabalho pelos correios e circulo muito. A vacina ai ser uma segurança para a agente entregar as mercadoriasprincipalmente de quem não pode mais abrir a loja e precisa vender. Para todos nós é importante prevenir para voltar a vida ao normal, Deus é conosco", disse o caminhoneiro Wanderson Rodrigues de Almeida, de 45 anos, que foi vacinado no posto.

Ronaldo da Costa Morais afirma que o trabalho do caminhoneiro é essencial e por isso precisa da vacina(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A.Press)
Ronaldo da Costa Morais afirma que o trabalho do caminhoneiro é essencial e por isso precisa da vacina (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A.Press)
Segundo a Prefeitura Municipal de Belo Horizonte (PBH), 11.527 motoristas de caminhão registrados ou que trabalham para empresas da capital mineira preencheram um cadastro que foi aberto para a categoria entre as 8h horas do dia 5 de junho e as 23h59 do dia 7 de junho. Os profissionais devem ter entre 18 e 59 anos completos até 30 de junho.

De acordo com o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação (PNOV), são considerados, para fins de vacinação prioritárias nesse grupo, o “motorista de transporte rodoviário de cargas", inde é destacado ser “solicitado documento que comprove o exercício efetivo da função de motorista profissional do transporte rodoviário de cargas (caminhoneiro)” no momento da vacinação.

Os horários de vacinação nos postos fixos e extras, será das 7h30 às 14h e nos postos drive-thru, das 8h às 14h. Os endereços estão disponíveis no site da PBH.

Cerca de 20 pessoas se enfileiraram no Posto do Bairro goiânia, perto das saídas rodoviárias de BH(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A.Press)
Cerca de 20 pessoas se enfileiraram no Posto do Bairro goiânia, perto das saídas rodoviárias de BH (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A.Press)
No momento da vacinação, o público precisa:

 

- comprovar ser caminhoneiro registrado ou que trabalha para empresas de Belo Horizonte

- Ter realizado cadastro prévio pelo Portal da PBH
- Apresentar carteira de habilitação de categoria C, D ou E
- Não ter recebido vacina contra a COVID-19 nem qualquer outra vacina nos últimos 14 dias e
- Não ter tido COVID-19 com início de sintomas nos últimos 30 dias.

Para mostrar que exerce a profissão, o caminhoneiro pode trazer:

 

- Comprovante de pagamento (contracheque) emitido nos últimos 3 meses pela empresa localizada em Belo Horizonte
- Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) assinada pela empresa localizada em BH
- Contrato de trabalho
- Cópia de inscrição atualizada do ISS
- Última Nota Fiscal emitida para empresa de transporte
- Declaração de vinculação ativa como caminhoneiro ou

- Certificado de Registro Nacional de Transportes Rodoviários de Cargas.

Wanderson Rodrigues trabalha levando encomendas dos Correios para quem não pode ir a lojas(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A.Press)
Wanderson Rodrigues trabalha levando encomendas dos Correios para quem não pode ir a lojas (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A.Press)
Nos postos, todos devem estar de máscara e respeitar o distanciamento nas unidades. O ideal é que o caminhoneiro evite ir acompanhado ou leve, no máximo, um acompanhante, para evitar aglomerações.


Vacinas contra COVID-19 usadas no Brasil

  • Oxford/Astrazeneca

Produzida pelo grupo britânico AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford, a vacina recebeu registro definitivo para uso no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). No país ela é produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

  • CoronaVac/Butantan

Em 17 de janeiro, a vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan no Brasil, recebeu a liberação de uso emergencial pela Anvisa.

  • Janssen

A Anvisa aprovou por unanimidade o uso emergencial no Brasil da vacina da Janssen, subsidiária da Johnson & Johnson, contra a COVID-19. Trata-se do único no mercado que garante a proteção em uma só dose, o que pode acelerar a imunização. A Santa Casa de Belo Horizonte participou dos testes na fase 3 da vacina da Janssen.

  • Pfizer

A vacina da Pfizer foi rejeitada pelo Ministério da Saúde em 2020 e ironizada pelo presidente Jair Bolsonaro, mas foi a primeira a receber autorização para uso amplo pela Anvisa, em 23/02.

Minas Gerais tem 10 vacinas em pesquisa nas universidades

Como funciona o 'passaporte de vacinação'?

Os chamados passaportes de vacinação contra COVID-19 já estão em funcionamento em algumas regiões do mundo e em estudo em vários países. Sistema de controel tem como objetivo garantir trânsito de pessoas imunizadas e fomentar turismo e economia. Especialistas dizem que os passaportes de vacinação impõem desafios éticos e científicos.


Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus.

 

 

Entenda as regras de proteção contra as novas cepas


 

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.


Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade