Publicidade

Estado de Minas POLÍTICA

MG: Ocupação de UTIs COVID bate 100% em diversas cidades do interior

Situação é ainda pior em municípios como Congonhas, Mantena e Guanhães, onde toda a rede de cuidados intensivos está ocupada


03/06/2021 18:21 - atualizado 03/06/2021 18:49

Governo mineiro endureceu restrições em cinco regiões do estado(foto: Fábio Marchetto/SES-MG)
Governo mineiro endureceu restrições em cinco regiões do estado (foto: Fábio Marchetto/SES-MG)
A ocupação de unidades de terapia intensiva (UTIs) destinadas aos casos confirmados e suspeitos de COVID-19 já ultrapassa 95% em cinco macrorregiões de Minas Gerais. Em várias cidades, como Varginha (Sul), Diamantina (Jequitinhonha) e Formiga (Oeste), as vagas de alta complexidade exclusivas aos pacientes da doença estão totalmente ocupadas. Em outras localidades, como Congonhas (Centro Sul) e Guanhães (Centro), toda a rede de cuidados intensivos está esgotada.

Nesta quinta-feira (3/6), a Secretaria de Estado de Saúde (SES) anunciou o endurecimento das restrições impostas pela onda vermelha em cinco áreas mineiras.

Na parte Oeste do estado, as UTIs COVID-19 estão 95,65% ocupadas. Por lá, Campo Belo, Formiga e Itaúna já bateram 100% de vagas exclusivas preenchidas. O mesmo ocorre no sistema que atende, ao mesmo tempo, Lagoa da Prata e Santo Antônio do Monte, onde os leitos de assistência intensiva para todas as enfermidades estão ocupados.

Na área Centro Sul, Congonhas está com as UTIs gerais e exclusivas totalmente ocupadas. Perto dali, em Barbacena, a situação é menos caótica: apenas as vagas para os pacientes ligados ao coronavírus estão 100% preenchidas. Na média, a macrorregião tem 92,91% dos leitos exclusivos ocupados.

No Sul, as UTIs COVID-19 estão 100% preenchidas em extensa lista de cidades: Varginha, Três Pontas, Três Corações, São Sebastião do Paraíso, Piumhi e Itajubá, além da repartição entre Alfenas e Machado. A média da macrorregião é de 91,93%.

No Jequitinhonha, a ocupação de UTIs exclusivas para a doença viral está em 95%. O avanço da doença faz a rede de terapia intensiva para coronavírus de Diamantina enfrentar dificuldades.

No Centro mineiro, onde a média geral é de 90,52%, as UTIs destinadas aos pacientes da doença viral estão em 100% em Ouro Preto, Sete Lagoas e Guanhães, onde não restam camas aos portadores de qualquer problema de saúde que demande cuidados intensivos.

Em Mantena (Leste), Itaobim e Nanuque — ambas no Nordeste — e Ituiutaba (Triângulo do Norte) o sistema de terapia intensiva está totalmente esgotado. Em Ponte Nova, na macrorregião Leste do Sul, também há 100% de ocupação nas vagas exclusivas de UTI.

Mesmo em regiões onde a situação geral é menos preocupante, alguns municípios não têm mais vagas de alta complexidade destinadas apenas aos pacientes da virose. É o caso de Santos (Sudeste), da repartição de saúde que abrange Almenara e Jacinto, no Nordeste, e na divisão entre Leopoldina e Cataguases, no Sudeste.

Em média, Minas tem 82,76% das UTIs preenchidas. Nas vagas exclusivas, a taxa é de 82,55%. No que tange às enfermarias, 78,62% dos leitos estão ocupados — em 21,08% deles estão pacientes ligados ao coronavírus.

Cinco regiões com mais restrições


A Saúde estadual se ampara no cenário epidemiológico em cinco regiões — Triângulo do Sul, o Sul, o Oeste, o Leste do Sul e o Centro Sul — para endurecer as restrições nos municípios das áreas. O cenário epidemiológico nos locais, que já estão na onda vermelha, motivou o endurecimento das regras.

A partir deste domingo (6), os habitantes das cinco regiões não podem organizar eventos culturais e naturais. Clubes, salões de beleza e academia também estão vetados. Em bares e restaurantes, o consumo no local pode ocorrer até às 19h — em horários posteriores, fica autorizado apenas o delivery, sem retirada em balcão.


Vacinas contra COVID-19 usadas no Brasil

  • Oxford/Astrazeneca

Produzida pelo grupo britânico AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford, a vacina recebeu registro definitivo para uso no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). No país ela é produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

  • CoronaVac/Butantan

Em 17 de janeiro, a vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan no Brasil, recebeu a liberação de uso emergencial pela Anvisa.

  • Janssen

A Anvisa aprovou por unanimidade o uso emergencial no Brasil da vacina da Janssen, subsidiária da Johnson & Johnson, contra a COVID-19. Trata-se do único no mercado que garante a proteção em uma só dose, o que pode acelerar a imunização. A Santa Casa de Belo Horizonte participou dos testes na fase 3 da vacina da Janssen.

  • Pfizer

A vacina da Pfizer foi rejeitada pelo Ministério da Saúde em 2020 e ironizada pelo presidente Jair Bolsonaro, mas foi a primeira a receber autorização para uso amplo pela Anvisa, em 23/02.

Minas Gerais tem 10 vacinas em pesquisa nas universidades

Como funciona o 'passaporte de vacinação'?

Os chamados passaportes de vacinação contra COVID-19 já estão em funcionamento em algumas regiões do mundo e em estudo em vários países. Sistema de controel tem como objetivo garantir trânsito de pessoas imunizadas e fomentar turismo e economia. Especialistas dizem que os passaportes de vacinação impõem desafios éticos e científicos.


Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus.

 

 

Entenda as regras de proteção contra as novas cepas

[VIDEO4]

 

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.


Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade